<
>

Brasileiro sensação na Bélgica é comparado a Lukaku e quer brilhar na Champions League

No lugar onde a "ótima geração belga" foi formada, quem dá as cartas é um brasileiro: Wesley Moraes Ferreira da Silva. O atacante de apenas 21 anos do Club Brugge foi eleito o melhor jogador jovem do país na última temporada.

Ainda desconhecido no Brasil, ele já foi bicampeão belga e vive a expectativa de jogar a fase de grupos da Uefa Champions League.

Natural de Juiz de Fora (MG), Wesley começou a jogar futsal aos seis anos em uma escolinha antes de mudar para o futebol de campo, aos 14 anos. Ele chegou a passar pela base dos maiores times de Minas Gerais, mas não ficou.

"Joguei no Sport lá da minha cidade no Campeonato Mineiro e aí fui para o Cruzeiro fazer um teste quando tinha 14 anos. Só que eu não aguentei, fiquei uma semana e pedi para ir embora porque era minha primeira avaliação. Depois, um empresário me enviou para o Atlético-MG para fazer um teste, mas não passei", contou, ao ESPN.com.br.

O garoto voltou para casa e passou a conciliar o futebol com outras atividades para se sustentar.

"Eu comecei a trabalhar em uma fábrica de pregos e parafusos aos 16 anos porque eu tenho dois filhos. Era um serviço legal porque ia de manhã para lá e dava para treinar de tarde no clube", admitiu.

"As maiores dificuldades que eu tive foram as mesmas de todos os jogadores. Você faz teste em um lugar e leva um não. Mas é preciso sempre levantar a cabeça e nunca desistir. Deus sempre tem algo melhor para a gente. Eu fui persistente e fui abençoado", relatou.

Passagem rápida na Espanha

Em 2014, o atacante foi para Itabuna-BA, no qual se profissionalizou. Apenas quatro meses depois de chegar à Bahia, ele foi para o time sub-19 do Atlético de Madrid, da Espanha.

"Foi bastante gratificante para mim ter passado por lá. Aprendi muita coisa mesmo com pouco tempo que eu fiquei. A única dificuldade que passei foi o frio porque não estava acostumado e fui no inverno", garantiu.

Wesley jogou um torneio na Croácia e outro em Bilbao, na Espanha, pelo Atlético de Madrid.

"Cheguei a treinar uma vez só com os profissionais logo na primeira semana. Joguei na base do Atlético com lateral-esquerdo que foi vendido para o Real Madrid, o Theo Hernández."

O brasileiro ficou seis meses na equipe colchonera por causa de desentendimentos entre seu empresário e o intermediário que o levou à Espanha.

"Eu voltei ao Brasil e depois fui para o Nancy (França) pra fazer teste. Fique três meses e não passei. Depois, fui ao Evian (França), mas era fim de temporada e me pediram para voltar depois das férias. Só que fui levado para o Trencin, da Eslováquia, e passei."

Consagração na Bélgica

Depois de uma temporada no Trencin, o qual fez 22 jogos e 8 gols, ele foi contratado pelo tradicional Club Brugge, da Bélgica. Como falava um pouco de inglês, ele contava com ajuda de outros jogadores brasileiros e do técnico, que jogou vários anos no Benfica e sabia falar português.

"Fui muito bem recebido por todo o grupo de jogadores e a diretoria. O treinador era o Michel Preud'homme [ex-goleiro da Bélgica na Copa de 94], um cara sensacional e que meu ajudou muito", agardeceu.

Desde então foram dois títulos da Liga Belga e 22 gols pelo Club Brugge. Somente na temporada passada, ele balançou as redes por 12 vezes e deu duas assistências.

Apesar de ter 1,91m, Wesley não se define como um típico centroavante grandalhão e trombador.

"Por causa do meu tamanho as pessoas acham que eu não tenho muita velocidade, mas sou sou bem rápido. Chuto bem com as duas pernas e tenho uma boa visão de jogo, faço muito bem o 'um dois'", garantiu o brasileiro, que chegou a ser comparado a Romelu Lukaku pela imprensa belga.

"Pelo jeito de jogar e pelo porte físico me compararam com ele. Fiquei muito feliz pela comparação porque é um ídolo para mim e todos que o acompanham. É muito gratificante", agradeceu.

Wesley espera se destacar ainda mais nesta temporada para ser chamado para a seleção brasileira olímpica.

"É um sonho muito grande desde criança. Estou vivendo um momento muito bom na minha carreira. Trabalho forte e com ajuda de Deus as coisas vão acontecer. Quem sabe eu não posso ter uma convocação?", projetou.

Sonho com seleção

Na atual temporada, ele já balançou as redes por três vezes nas três primeiras partidas. De acordo com a imprensa italiana, ele chegou a ter ofertas da Lazio, da Itália. Durante essa semana surgiram especulações do interesse do Paris Saint-Germain pelo seu futebol.

"Não chegou nada não, mas fico muito feliz pelas especulações desses dois times. tenho contrato até 2020 e estou focado a fazer meu trabalho. Futuramente, eu deixo essas coisas de negociação para o meu empresário. Meu trabalho está sendo reconhecido".

Uma das poucas tristezas que Wesley viveu neste período foi a eliminação da seleção brasileira nas quartas de final da Copa do Mundo de 2018 para a Bélgica.

"Estávamos fazendo a pré-temporada na Holanda e vimos o jogo no hotel com todo com toda a equipe. Depois que acabou ficaram me zoando, mas foi sadio (risos). Aí eu perguntei para eles quantas Copas do Mundo eles ganharam e ficou nessa resenha (risos)", recordou.