<
>

Luís Fabiano revela melhores zagueiros que enfrentou e lembra o mais engraçado: 'Elogiava o jogo todo e me chamava de 'Fabuloso''

play
O verdadeiro matador: 5 gols espetaculares de Luis Fabiano com a camisa do Sevilla (1:59)

Fabuloso anunciou aposentadoria nesta sexta-feira (10) (1:59)

Luis Fabiano relembrou momentos marcantes da carreira em entrevista ao ESPN.com.br


Ídolo de clubes como o São Paulo e Sevilla, além de ter sido centroavante titular da seleção brasileira por longo período, Luís Fabiano enfrentou alguns dos melhores zagueiros da história durante sua carreira.

Em entrevista ao ESPN.com.br, o "Fabuloso", que teve como último clube o Vasco, em 2017, relembrou alguns dos grandes nomes com quem disputou jogadas e fez uma lista com estrangeiros e brasileiros.

Assista aos jogos de Premier League, LaLiga, Campeonato Italiano e Campeonato Francês com transmissão AO VIVO pela ESPN no Star+

"Entre os zagueiros mais difíceis contra quem joguei, impossível não citar o Maldini, do Milan, o Puyol, do Barcelona, o Sergio Ramos, do Real Madrid, e o Lugano, pela seleção do Uruguai. Também tinha as 'Torres Gêmeas' do Santos, André Luís e Alex, que eram muito difíceis de passar. Também tinha o Lúcio e o Juan", recordou.

O jogador acredita que esses defensores o impediram de aumentar a marca de 404 gols em 773 partidas ao longo da carreira.

"Esses eram os mais chatos e difíceis de passar. Eles não falavam muito em campo, não te davam nem moral. Eles te batiam e ficavam quietos (risos)", gargalhou.

play
0:25

Humilhou! Em um dos gols mais bonitos pelo Sevilla, Luis Fabiano deixou dois zagueiros estatelados na grama

O Fabuloso, que atualmente está sem clube, jogou na Espanha de 2005 a 2011 e fez mais de 100 gols pelos Rojiblancos

Segundo o "Fabuloso", nem todos os zagueiros usavam a força física para tentar pará-lo. Alguns beques escolhiam estratégias bem menos ortodoxas.

Era o caso de Índio, que marcou época e foi multicampeão pelo Internacional em sua passagem de quase uma década pelo Beira-Rio.

Luís Fabiano e o ídolo do Colorado se cruzaram diversas vezes em confrontos no futebol brasileiro, e Índio gostava de tirar a concentração do camisa 9 com muito bom humor.

"O zagueiro mais engraçado que joguei contra foi o Índio, do Inter. Toda vez que a gente se enfrentava, ele ficava falando assim: 'Êêêê, Fabuloso, sou seu fã! Joga muito, hein, Fabuloso!' (risos). Ficava o jogo inteiro me elogiando, acho que para tirar minha concentração. Tem malandro pra tudo! (risos)", divertiu-se.

Quanto aos seus parceiros de ataque, o também ídolo da Ponte Preta prefere não fazer um ranking de favoritos, já que crê que seria "injusto".

No entanto, ele nomeou e exaltou os vários parceiros de qualidade que teve na linha de frente tanto dos clubes quanto da seleção brasileira.

play
1:18

No Bola da Vez, Luis Fabiano fala sobre a carreira: 'Seria um sonho vestir a camisa do São Paulo pela última vez no Morumbi'

Atacante foi o convidado especial do programa do último sábado (27)

"Tive grandes companheiros de ataque ao longo da carreira, e seria muito injusto falar o nome só de um ou dois. Joguei com muitos caras bons! Só para citar alguns: França, Reinaldo, Osvaldo e Lucas Moura, no São Paulo, Ronaldo 'Fenômeno', na seleção brasileira, Régis Pitbull, na Ponte", enumerou.

"Tem que destacar também o Kanouté, no Sevilla. Foi o cara com quem joguei mais tempo junto e a gente se entendia muito bem. Fizemos muitos gols e ganhamos muitos títulos juntos. Fui um jogador afortunado, porque sempre tive grandes parceiros de ataque", rememorou.

Questionado sobre os rivais e companheiros que mais lhe impressionaram durante a carreira, o "Fabuloso" tem os nomes na ponta da língua.

play
0:50

Luis Fabiano abre o jogo sobre 'técnico diferente' que teve no São Paulo: 'Nem na Europa trabalhei com um cara assim'

Atacante disse em live no perfil oficial do clube tricolor

"Dos que joguei contra, o que mais me impressionou foi o Zidane. Aquilo ali era classe fora do comum. E o Messi também. A favor, foram Ronaldo, Ronaldinho, Kaká, Rivaldo e Jadson. Meu Deus do céu, só craques!", encerrou.