<
>

Ex-colegas lembram timidez de Firmino e contam histórias hilárias: 'Eu errava e ele que pedia desculpas'

Nesta terça-feira, o Liverpool conta com o atacante Roberto Firmino para conseguir um bom resultado contra o Real Madrid, adversário do confronto de ida pelas quartas da Champions League, às 16h (de Brasília), no Alfredo Di Stéfano.

Hoje considerado um dos melhores centroavantes do mundo, integrando inclusive a seleção brasileira, Firmino segue tendo uma característica dos tempos em que iniciou a carreira no Figueirense: a timidez.

Avesso desde sempre às entrevistas, o matador evoluiu nessa questão ao longo dos anos, já que, quando era garoto, raramente sequer se comunicava com seus treinadores e colegas de equipe, tamanha a vergonha que tinha de conversar.

Quem lembra é o técnico Rogério Micale, atualmente no Al-Hilal, da Arábia Saudita, e que comandou Firmino no sub-20 do Figueirense, após a equipe de Santa Catarina descobrir o atleta no CRB.

Em entrevista ao ESPN.com.br, o medalhista de ouro olímpico na Rio-2016 lembrou como foram seus primeiros contatos com o jogador, que à época atuava no meio-campo.

"A aprovação do Firmino no Figueirense foi muito rápida. Ele chegou ao nosso time juvenil e fez um teste com o (técnico) Hemerson Maria, que trabalhava comigo junto na base. Logo no primeiro treino, ele já impressionou. O Hemerson me chamou e disse que tinha encontrado um menino que a gente precisava dar atenção e inscrever nas competições o mais rápido possível", recordou.

"No segundo treino, eu assisti e comprovei que ele era mesmo diferenciado. Ele atuava em várias funções do meio-campo, era quase um 2º volante conosco. Fomos à diretoria e pedimos para inscrevê-lo o mais rápido possível, pois acreditávamos que renderia frutos. Foi tudo muito rápido, pois ele era um grande talento", completou.

Sobre a timidez, Micale brinca que era difícil arrancar qualquer palavra de Roberto Firmino.

"Ele sempre foi muito, muito tímido! Não tinha boca para nada. Era difícil até tirar um 'bom dia' dele (risos). Ele só sorria e olhava pra gente (risos)", divertiu-se.

O treinador cai na gargalhada ao lembrar da primeira vez que comunicou ao atacante que ele iria jogar um torneio pelo Figueirense, já que a reação não foi a que ele esperava.

"É até engraçado lembrar disso. Quando cheguei na salinha para conversar e avisar que ele faria parte dos juniores, e também que iria com a gente para um torneio no Rio Grande do Sul, eu não conseguia nem saber pela fisionomia dele se ele estava feliz, tenso, assustado... Ele só dava um sorriso discreto e não falava nada (risos)", brincou.

"Aí eu virei e falei para o outro menino que ele também seria inscrito, e ele pulou, comemorou, ficou super feliz... Mas o Firmino manteve a mesma cara do início ao fim (risos). Chamei a comissão técnica e falei: 'Olha, conversei com garoto e... Não sei se ele está feliz, se está triste... A fisionomia dele não muda' (risos)", disparou.

"O pessoal falou que ele era quieto e envergonhado, e que esse era mesmo o jeito dele. Depois aos poucos ele foi se soltando com a gente", finalizou.

'ELE PEDIA DESCULPA'

Atualmente atuando no futebol da Romênia, o lateral-esquerdo Marquinhos Pedroso jogou com Firmino na base do Figueirense e também rola de rir ao lembrar do jeito travado do amigo.

Em entrevista ao ESPN.com.br, o ala confirmou a história de que o atacante parou Florianópolis ao fazer dois gols de bicicleta em seu primeiro treino no Figueira e contou qual foi a reação dos outros jogadores.

"O Firmino era um cara gente boa, muito sossegado e na dele. E olha que, no primeiro teste dele, ele fez dois gols de bicicleta! Foi algo bizarro. Eu estava no CT e ficamos sabendo que um menino novo tinha metido dois gols de bike! Começou todo mundo a falar: 'Trouxeram um moleque do CRB que joga muito, arrebentou no treino, fez dois de bicicleta e deitou'. Teve um burburinho enorme, e em duas semanas ele estava jogando como titular", recordou.

"Eu lembro certinho que já estava no juvenil e, durante o treino com meus colegas, teve um teste para a molecada nova que tinha chegado para a base. Daí o Firmino arrebentou e todo mundo começou a falar. Em meia hora, todo mundo no clube estava sabendo, até mesmo o pessoal da parte administrativa. No dia seguinte, ele já estava assinando contrato. Ficamos esperando para ver o que aconteceria nos próximos dias, mas ele continuou fazendo chover. Foi absurdo", exaltou.

"Todo mundo ficava admirado com a técnica dele, era fora de série. Tanto é que, pouco depois depois, ele já saiu do juvenil e foi jogar no profissional. Foi aquele caso que a gente percebeu que ele ia estourar e ser vendido rapidamente pra Europa. E não deu outra: ele chegou 'causando', jogou pouco tempo na base e logo foi pro Hoffenheim, porque era um cara muito regular em gols e assistências", relatou.

Sobre a timidez, Marquinhos Pedroso brincou e lembrou um exemplo para mostrar como o hoje destaque do Liverpool era envergonhado.

"Ele não tinha boca para nada. Não reclamava nada dentro de campo, e nem xingava. Mesmo quando erravam, ele pedia desculpas para o time, mesmo não estando errado (risos). Era muito engraçado", encerrou.