<
>

Anelka lembra quando se revoltou no vestiário contra técnico da França e acabou expulso da Copa do Mundo: 'Foi um erro'

play
Há três anos, Neymar era anunciado pelo PSG; hoje, você o contrataria por R$ 821 milhões? Bertozzi e Hofman respondem (2:46)

Brasileiro deixou o Barcelona rumo ao clube francês na maior transação da história do futebol (2:46)

Nicolas Anelka foi um dos grandes talentos de uma geração do futebol francês. Mas o ex-atacante teve momentos complicados com a seleção de seu país, e ele relembrou um deles no documentário "Anelka, o incompreendido", produzido pela Netflix.

Na Copa do Mundo de 2010, Anelka se irritou depois da derrota por 2 a 0 para o México, ainda na fase de grupos do torneio. O ex-atacante xingou Raymond Doménech, então treinador da França. Os insultos foram publicados pelo jornal L'Équipe, e Anelka acabou expulso da concentração na África do Sul.

"Entrei frustrado no vestiário. Fiquei irritado por não ter encostado na bola e por não ter encontrado nenhuma solução. Doménech disse meu nome, mas não admito que façam isso em público", explicou Anelka.

"Falou como se eu fosse o inimigo número 1 do time. Foi um erro, mas me senti agredido", seguiu o ex-atacante.

"Quando vi a capa do jornal, não sabia se estavam falando sério. Mas não, insultos à mãe do treinador são graves e que não acontecem todos os dias. A primeira vítima daquilo fui eu. Os jogadores também, porque todos os procuraram para saber se era verdade. Mas as pessoas sabem que se eu tivesse falado aquilo, teria sido o primeiro a admitir", afirmou Anelka.

"O mais importante foi ter recebido o apoio dos meus colegas de time. Evra e Abidal chamaram o Doménech, ele disse que iria ao encontro, mas não apareceu", completou ele, hoje aos 41 anos.

Sem Anelka, a seleção da França caiu ainda na primeira fase da Copa de 2010. O time não venceu nenhum jogo e foi lanterna do grupo que tinha Uruguai, México e África do Sul.

Mensagem para Mbappé

Além de relembrar polêmicas, Anelka também falou sobre Kylian Mbappé, grande astro do futebol francês atualmente.

"Mbappé se beneficia da minha experiência de quase 20 anos. Fui um dos primeiros a trabalhar com minha família, quando isso ainda era visto como algo ruim. Fui pioneiro, mas os pioneiros são criticados, e fui o primeiro deles. Kylian é tão forte técnicamente quanto mentalmente", disse o ex-jogador.