<
>

Arão lembra quando Flamengo 'batia na trave': 'Foram anos sofridos'

play
Flamengo deixa Ninho do Urubu em direção ao aeroporto com festa da torcida; veja em imagens de drone (0:55)

Time rubro-negro embarca nesta sexta para o Catar, onde disputará o Mundial de Clubes (0:55)

Titular há mais tempo no Flamengo, Willian Arão já viveu um pouco de tudo desde que chegou à Gávea, em 2016. O volante viu sua equipe bater na trave várias vezes em conquistas importantes, foi contestado pela torcida e quase deixou o clube para o Olympiakos, da Grécia.

Em 2019, porém, ele foi campeão (Carioca, Brasileiro e Libertadores), virou destaque com a chegada de Jorge Jesus e deixou as críticas no passado.

"Eu particularmente acho que fiz um ano muito bom. Com a chegada do Mister acho que melhorei mais anda. Não somente eu, mas o time todo. Demos um salto de qualidade e foi notório. Estou muito feliz com a minha performance e com a ajuda que dei para o grupo, com as conquistas que conseguimos. Nós atingimos quase todos nossos objetivos", disse Arão, ao ESPN.com.br.

"Eu sou o jogador mais antigo do Flamengo e o clube vinha de anos batendo na trave de títulos importantes. Foram anos sofridos. Esse ano a gente pode conquistar todos esses títulos e acredito que ficou registrado na história. Batemos vários recordes no Brasileiro, vencemos a Libertadores depois de 38 anos. Foram grandes feitos. Ninguém pode nos tirar e está marcado. Não sei se outros farão melhor, mas o nosso está registrado", contou o jogador.

Com a chegada de Jorge Jesus, Arão, que costumava jogar de segundo volante ao lado de Cuéllar, virou o primeiro homem do meio de campo e ganhou o Prêmio ESPN Bola de Prata Sportingbet.

"Foi tranquilo [mudar de posição]. Passei boa parte do começo da minha carreira como primeiro volante antes de ser segundo volante e ter mais liberdade para sair. O Mister veio e me deu outra função. No início eu sofri - e o time todo - porque ele trouxe muitas coisas novas. Mas depois que nos adaptamos nós encaixamos e tudo se tornou mais fácil. Os resultados estão aí", explicou.

"Ele conversa muito e me deu vários toques que ajudaram no meu crescimento. Ele me ensinou vários movimentos que eu não fazia antes."

Único jogador do atual elenco do Flamengo a ter vencido a Libertadores antes da conquista sobre o River Plate, Arão também foi campeão mundial em 2012 pelo Corinthians, contra o Chelsea. A vivência daquela competição traz importantes lições para o volante.

"Experiência de se preparar primeiro para a semifinal que é muito difícil. As pessoas já estão dizendo que vamos enfrentar o Liverpool na final, mas temos a semifinal e precisamos manter os pés no chão. Temos que fazer o melhor jogo e passar para a final. Se encontrar o Liverpool temos que saber que será um jogo difícil e que temos um grande time e eles também tem um grande time. Tudo pode acontecer, temos que entrar para ganharmos o jogo e fazer um grande futebol", afirmou.

Apesar de alguns jogadores do Liverpool terem declarado que não conheciam os atletas do Flamengo, Arão preferiu não entrar em polêmica.

"Eu morei na Europa e não tem televisão brasileira, poucos lugares passam jogos do Brasil. Alguns times não têm jogadores brasileiros. Eles não acompanham, é normal. Aqui mesmo não conhecemos todos os jogadores e times de fora. É cultural. Com certeza eles vão nos estudar bastante também e a gente vai tentar fazer o melhor, independentemente se eles nos conhecem ou não".