<
>

Premier League: Liverpool campeão? O que os gigantes precisam fazer para evitar o título de Klopp

Com oito jogos disputados na temporada 2019-20 da Premier League, o Liverpool não teve um resultado diferente que não fosse a vitória, com oito pontos de vantagem sobre o seu principal perseguidor enquanto vamos para a Data-Fifa. Para a equipe de Jurgen Klopp, a temporada não poderia ter começado melhor, e os Reds, agora, são um dos favoritos para conquistar o título inglês pela primeira vez desde 1990.

Mas e o resto do Big Six? Manchester City, Arsenal, Chelsea, Tottenham e Manchester United tiveram seus problemas durante as primeiras semanas desta campanha, com os comandados de Mauricio Pochettino e Ole Gunnar Solskjaer aparentemente em espiral descendente.

Com duas semanas antes do retorno da temporada, o que os times precisam - e devem - fazer para resolver seus problemas e diminuir a vantagem do Liverpool?


Manchester City

2019-20: 2º lugar, 16 pontos, +18 gols de saldo

Os atuais campeões tiveram o pior começo de temporada desde que Pep Guardiola assumiu o comando do Etihad em 2016. Às vezes, o City parecia imparável, fazendo 5 contra o West Ham no dia da abertura e depois enfiando 8 no Watford. Mas a defesa deixou o time na mão, e os Citizens perderam partidas para Norwich e Wolverhampton.

Deficiências defensivas do City foram identificadas por Guardiola durante a janela de transferências, quando, após a saída do então capitão Vincent Kompany para o Anderlecht, ele tentou e não conseguiu contratar um substituto. Isso deixou a equipe com Laporte, Stones e Otamendi. Com os dois primeiros lesionados, Otamendi está sozinho na defesa - Fernandinho joga improvisado, às vezes.

Resolver esse problema parece difícil, mas Guardiola precisa encontrar uma maneira de tornar o City mais sólido na defesa antes do retorno do time à Premier League, contra o Crystal Palace, apenas dois pontos atrás que o time de Manchester na tabela.


Arsenal

2019-20: 3º lugar, 15 pontos, +2 gols de saldo

Com o Arsenal na terceira posição depois de oito jogos, Unai Emery está superando o desempenho com um esquadrão que permanece desequilibrado e precisa de mais jogadores na defesa. Mas com Pierre-Emerick Aubameyang marcando sete dos 13 gols da equipe até agora, os Gunners podem, sim, confirmar o objetivo principal da temporada: se classificar para a Champions League.

Emery está gradualmente tornando o Arsenal mais durável e organizado, indicando uma equipe mais competitiva. A ausência Mesut Ozil parece contínia, mas o time ainda depende muito da fase de Aubameyang.

Além disso, Emery também não deve permitir que a posição atual do Arsenal se distraia da realidade de sua campanha sem vitórias contra times do "Big Six" até agora nesta temporada. Nos jogos contra Liverpool, Spurs e United, o Arsenal conquistou apenas dois pontos. Eles precisam encontrar uma maneira de vencer seus maiores rivais para consolidar suas principais ambições.


Chelsea

2019-20: 5º lugar, 14 pontos, +4 gols de saldo

Uma derrota por 4 a 0 contra o Manchester United em Old Trafford no fim de semana de abertura foi o pior começo possível para o técnico Frank Lampard, mas o Chelsea se recuperou desse revés e subiu para a quinta posição antes da Data Fifa.

É verdade que o Chelsea tem sido inconsistente, mas com o clube incapaz de contratar por conta de uma punição da Fifa permitiu a Lampard dar chances a jovens como Mason Mount, Tammy Abraham e Fikayo Tomori. Os três, todos produtos da base, foram convocados para a seleção principal da Inglaterra como recompensa por suas atuações. Abraham, em particular, se destacou ao marcar oito gols em oito partidas.

O desafio de Lampard a partir desta etapa é aproveitar o momento e garantir que jogadores experientes como N'Golo Kanté, Marcos Alonso e Cesar Azpilicueta sejam capazes de influenciar os jovens em campo na medida em que a equipe encontre algum tipo de consistência.


Tottenham

2019-20: 9┼ lugar, 11 pontos, +2 gols de saldo

Os Spurs conquistaram apenas 22 pontos em seus últimos 20 jogos na Premier League - sua pior sequência desde 2008-09. Portanto, não é apenas o início desta temporada que preocupa Mauricio Pochettino e o presidente Daniel Levy.

A campanha até a final da Champions League da última temporada foi marcada por problemas que começaram a aparecer em tudo quanto era lugar - Lloris e Dele Alli caíram de rendimento, fracos desempenhos na defesa, inconsistência nos resultados.

Pochettino fez pouco para conter a especulação sobre seu futuro e há muitos pontos de interrogação sobre a permanência de jogadores como Christian Eriksen, Jan Vertonghen e Toby Alderweireld. A maior questão que paira sobre os Spurs está no destino do técnico, mas se permanecer no comando, ele deve fazer duas coisas: recuperar o vestiário e colocar Eriksen para jogar. Se não o fizer, sua história com o Tottenham pode estar chegando ao fim.


Manchester United

2019-20: 12° lugar, 9 pontos, +1 gol de saldo

O maior desafio do Manchester United não é identificar o que está dando errado, mas sim identificar o que está dando certo sob o comando de Ole Gunnar Solskjaer. A derrota de domingo, por 1 a 0, contra o Newcastle, no St. James 'Park, foi a terceira da temporada do United, deixando o clube na 12ª posição, apenas dois pontos acima da zona de rebaixamento.

Defensivamente, o United sofreu menos gols que o Manchester City, mas o impacto das contratações de Harry Maguire e Aaron Wan-Bissaka foi abafado pelas falhas no meio-campo e no ataque, onde o time do Solskjaer marcou apenas nove gols em oito jogos.

Solskjaer permitiu que sua equipe perdesse profundidade com as saídas de Romelu Lukaku, Alexis Sánchez, Ander Herrera, Chris Smalling, Antonio Valencia e Matteo Darmian, escolhendo dar oportunidades a jovens como Mason Greenwood, Tahith Chong, Angel Gomes, Axel Tuanzebe e Brandon Williams. No entanto, muitos jovens não estão prontos para a ação na Premier League, e os colegas de equipe experientes estão ou com desempenho abaixo do esperado ou simplesmente não são bons o suficiente para estarem ali.

Solskjaer simplesmente precisa reequilibrar as coisas, confiar em seus jogadores experientes e torcer para que o United não esteja na metade inferior no momento em que a janela de transferências de janeiro for aberta.