<
>

Artilheiro do Bahia, Gilberto abre o jogo sobre saída da Europa, gols no Flamengo e 'fome por títulos'

O atacante Gilberto foi o grande destaque da 13ª rodada do Campeonato Brasileiro no último domingo após fazer três gols no Flamengo no triunfo do Bahia por 3 a 0. Ele conseguiu a maior nota no Prêmio ESPN Bola de Prata Sportingbet (7,99) e agora o ocupa a terceira posição entre os centroavantes (média de 5,83).

"Ganhar do Flamengo, que é uma das maiores equipes do país e que mais investe, é uma façanha. Nossa equipe tem condições de manter esse nível. Claro que fora de casa é mais difícil, mas temos como fazer jogos iguais aos que fizemos dentro de casa", disse.

Revelado no Santa Cruz, o jogador de 30 anos passou por times como Internacional, Portuguesa, Vasco e São Paulo. No ano passado, o atacante teve uma rápida passagem pelo Yeni Malatyaspor-TUR.

"Eu estava passando por um momento de reflexão na minha carreira e vendo o que tinha feito de errado. Estava meio ansioso para saber o que viria pela frente. Veio um clube da grande do Bahia e foi muito bom para mim. Pude recomeçar no futebol em um clube de alto nível e bicampeão brasileiro", disse.

Após se readaptar ao futebol brasileiro no ano passado, Gilberto deslanchou neste ano, com 20 gols marcados (sendo cinco deles no Brasileirão).

Na próxima rodada, o Bahia visita o Palmeiras no próximo domingo (11/08), às 16h (de Brasília), no Allianz Parque.

"Temos que fazer um dos melhores jogos do campeonatos para conseguir um triunfo lá porque é uma equipe muito difícil", finalizou o atacante.

Veja a entrevista com Gilberto:

Como surgiu o Bahia na sua vida?
Eu estava passando por um momento de reflexão na minha carreira e vendo o que tinha feito de errado. Estava meio ansioso para saber o que viria pela frente. Veio um clube da grande do Bahia e foi muito bom para mim. Pude recomeçar no futebol em um clube de alto nível e bicampeão brasileiro.

Você não estava feliz na Turquia?
Eu aprendi muito na Turquia, mas as escolhas que me levaram a ir para lá eu não gostei. Por exemplo, eu poderia ter renovado com o São Paulo e continuado. Mas não fiz e acabei indo para Turquia por quatro meses e voltei ao Bahia. Eu tinha que recomeçar e não sabia por onde até encontrar a OTB Sports que me levou ao Bahia e me colocou de volta ao cenário.

Como tem sido jogar no Bahia?
Nosso jogadores estão com muita vontade de vencer e colocar o nome na história do clube. Torcida reconhece bastante e somos uma equipe gigantesca no Brasil. Em alguns anos vamos ganhar um título de grande expressão como uma Copa do Brasil, uma Sul-Americana ou o Brasileiro. Por mais que eu tenha 30 anos, sou experiente e sei como é o futebol, ainda não ganhei títulos nacionais. Encontrei aqui o lugar ideal, que está se reconstruído e fazendo contratações pontuais para nos ajudar. Chegaram Lucca, Fernandão, Guerra e João Pedro, entre outros.

Como foi derrotar o Flamengo com três gols seus?
Ganhar do Flamengo que é uma das maiores equipes do país e que mais investe é uma façanha. Nossa equipe tem condições de manter esse nível. Claro que fora de casa é mais difícil, mas temos como fazer jogos iguais aos que fazemos dentro de casa. A gente está à procura disso.

E vocês têm uma pedreira pela frente fora de casa conta o Palmeiras....
Contra o Palmeiras temos que fazer um dos melhores jogos do campeonatos para conseguir um triunfo lá porque é uma equipe muito difícil.

Vocês não falam a palavra vitória, é algo proposital? Há alguma orientação sobre isso?
Sim. É uma cartilha aqui (risos).

Você teve algum problema por ter declarado depois do jogo que era flamenguista?
Acho que os baianos entenderam bem. Uma coisa é se eu falasse que torcesse para o rival (risos). Uma coisa é a infância e outra é carreira profissional, não pode misturar as coisas. As pessoas estão mais coerentes com isso. Dizer que torceu para um time não quer dizer que ia tirar o pé contra o Flamengo. Pelo contrário, se tiver dez chances de fazer gols neles eu vou querer fazer as dez. Você precisa fazer o melhor sempre.

Você acha possível brigar pela artilharia do Brasileiro?
Já fui artilheiro do Paulista pelo São Paulo e foi legal. Eu estou muito feliz e temos um grupo muito bom. Meus companheiros me ajudam demais e tudo que está acontecendo é fruto do trabalho deles também. Nós estamos crescendo juntos.