<
>

Ex-presidente do Boca detona Tévez e relembra quando Riquelme negou oferta milionária do Corinthians

Carlos Tévez foi alvo da irritação de Jorge Ameal, ex-presidente do Boca Juniors. O ex-atacante do Corinthians deu declarações durante a semana de que "vestir a camisa do Boca é uma prova de fogo" e foi repreendido pelo ex-cartola: "Esse é o momento de falar pouco. Quase nada", que ainda comparou a paixão do jogador com a de outro ídolo, Juan Román Riquelme.

Pressionado pela torcida nessa inter-temporada, Carlitos Tévez deu entrevista à Radio Rivadavia reclamando da situação atual do clube: “É muito difícil perder uma final e querer tentá-la novamente. O mais fácil é amedrontar-se. A diretoria do Boca não tem c…, os jornalistas não tem c… Quantos técnicos buscamos para vir, depois da saída do Schelotto? Quatro? Cinco? Quantos técnicos o presidente buscou?”

“Estamos buscando jogadores agora. Antes, morreriam por jogar no Boca. Antes era um chamado, torciam para que o convidassem para estar no Boca. Hoje, nenhum jogador quer vir pra cá. Fogem de estar aqui. Isso tudo é pela pressão. Porque, hoje, colocar a camisa do Boca é uma prova de fogo”, disse o atacante.

O cartola rebateu o atacante do time, duvidando de sua paixão pelo clube: "(Quando saiu para China) Ele privilegiou o dinheiro ao sentimento. São decisões da vida. Nós temos outro exemplo que vivi quando presidente; como com Riquelme, quando lhe apresentaram uma oferta milionária do Corinthians e ele veio a mim dizer: "Não, quero. Fico no Boca."

Jorge Ameal finalizou, cobrando da postura de Tévez: "Esse é o momento de falar pouco. Quase nada. Tem que mirar a Copa Copa Libertadores e tentar ganhá-la. É o que queremos todos", contou o dirigente que ainda adicionou: "Essas declarações não servem para o elenco, para o técnico e para ninguém."