<
>

Como é enfrentar Bolt no futebol? 'Atleta inacreditável' que preocupa menos que 'desconhecidos'

Os primeiros gols de Usain Bolt por um time profissional de futebol chamaram a atenção mundial, mas enquanto os espectadores se concentravam na lenda do atletismo olímpico em sua primeira partida como titular com o Central Coast Mariners, ele não era o foco principal dos homens encarregados de marcá-lo.

O zagueiro do Macarthur South West Josh Symons não tocou bola desde que jogou pelo APIA Leichhardt, na derrota para o Adelaide United há três semanas - pela na FFA Cup. E apesar de ter dito que a partida de sexta contra os Mariners foi uma ótima experiência, a celebridade que jogava como centroavante não era sua principal preocupação.

"Eu não estava me concentrando muito em Bolt, eu estava mais preocupado com Ross McCormack e também com Jordan Murray, com quem eu joguei antes de ele se juntar aos Mariners", disse Symons à ESPN. "Eu sabia o quão perigoso eles seriam."

Enquanto Murray e McCormack marcaram antes, foi o gol de Bolt aos 12 minutos do segundo tempo - seu primeiro de dois na vitória por 4 a 0 - que deixou Campbelltown, na Austrália, em êxtase - e Bolt teve que passar por Symons para fazer isso.

"Meu único pensamento foi tentar colocar meu corpo na frente da bola; eu fui tentar bloqueá-lo, mas a bola passou debaixo das minhas pernas", disse Symons.

A equipe rival foi montada para representar a região em sua tentativa de sediar uma nova franquia como parte da expansão planejada da A-League para a temporada 2019-20. Mas Symons reconheceu que foi Bolt quem os fãs queriam ver.

"Ele tem um longo caminho a percorrer para alcançar o nível profissional; provavelmente pode chegar lá com o treinamento certo, mas é um grande nome e é isso que as pessoas vêm assistir", disse .

Relutante em saber se Bolt merece um contrato com os Mariners, ele acrescentou: "Há jogadores que trabalharam muito mais e com mais tempo e provavelmente há jogadores mais merecedores, mas é aí que entra a direção dos Mariners."

O companheiro de equipe de Symons, Nathan Millgate, iniciou o jogo na lateral-direita e deixou a sua marca nos minutos iniciais, quando bateu Bolt numa arrancada pela bola.

Poucas pessoas podem dizer que superaram Usain Bolt, mas Millgate foi modesto.

"Acho que o nosso zagueiro caiu, então eu tive que cruzar e cobrir. Eu não acho que superei tanto ele, ele deu um toque forte e o ângulo provavelmente fez com que parecesse melhor", disse o jogador de 27 anos.

Millgate, assim como seus companheiros de equipe, estava de férias há quase três semanas.

"Falaram no domingo antes do jogo que eu estava escalado, então não estávamos nos concentrando em Usain, nossas sessões de treinamento eram sobre a forma do time e como iríamos jogar."

Um dos jogadores do MSW United com experiência é o meio-campista Glen Trifiro, que jogou pelos Mariners de 2014 a 2016. O jogador de 29 anos ficou encantado por participar da partida, apesar de ter dito que é o menor tempo de preparação que ele já teve com um time.

"Eu tinha quatro companheiros de equipe (do Sydney United 58 FC) e já conhecia os zagueiros", disse ele. "Nós tivemos dois treinos de preparação. Já joguei em times que pensavam a curto prazo, mas esta foi minha primeira vez numa equipe 'semanal'."

Ele também concordou que o foco não estava em Bolt e disse que o hype não foi perdido.

"Todo mundo sabe que (Bolt) é um atleta inacreditável, todos no mundo sabem disso. Falei com (Jack) Clisby, e ele disse que Bolt mal consegue andar pela rua na Costa Central sem ser atacado por fãs. O tweet dos Mariners do primeiro gol teve quase 4,7 milhões de visualizações. Isso é muito importante. Nenhum jogador da A-League pode igualar essa publicidade."

Quanto a saber se a superestrela tem o que é preciso para ser profissional, Trifiro foi franco.

"Ele acertou bem no primeiro gol, mas para ser honesto ele teve muito mais espaço e o jogo foi muito mais lento do que o que ele enfrentaria na A-League", disse.

"Na A-League ele acharia as linhas muito mais apertadas, a defesa será mais afiada e mais rápida. Um atacante de alto nível provavelmente teria feito cinco gols naquela noite tendo as mesmas oportunidades."

Além da carreira de jogador, Trifiro e seu irmão Jason - ex-jogador do Western Sydney Wanderers e do Melbourne City - vêm treinando crianças desde a adolescência, e sua academia Futboltec está prestes a comemorar seu 10º aniversário.

Trifiro brincou, também, ao falar se ele e seu irmão poderiam ensinar algo para Bolt: "Se o colocássemos no QG de Futboltec e tivéssemos um mês sólido trabalhando em seus pés e técnica, poderíamos levá-lo para A-League. Ele corre rápido em linha reta, mas correr com a bola nos pés em um jogo de futebol é uma história totalmente diferente."