<
>

Neymar fora do PSG? Jornal esfria boato e publica cláusula 'surpresa' que dificulta saída do craque

play
Neymar tranquiliza após avião em que estava ser obrigado a fazer pouso de emergência: 'Foi só um susto' (0:11)

Avião em que estava jogador e sua irmão precisou fazer um pouco forçado em Roraima (0:11)

Diário L'Equipe diz que contrato de Neymar tem cláusula de renovação automática até 2027, o que afasta a possibilidade de uma transferência no mercado de verão


Neymar fica ou sai do PSG na próxima temporada? Em um dia que rumores colocaram o astro da seleção brasileira na mira da Juventus, o prestigiado jornal francês L'Equipe foi na contramão da história ao publicar uma cláusula até então desconhecida que ligará o atacante ao clube francês por mais uma temporada.

O camisa 10 assinou, em maio de 2021, a renovação com o PSG até junho de 2025. Acontece que, de acordo com o L'Equipe, o documento prevê duas renovações automáticas, de um ano cada um, sempre ativadas no dia 1º de julho.

A primeira, em julho de 2021, aumentou o contrato até junho de 2026. Agora, daqui uma semana, Neymar ganhará um ano extra e ficará vinculado ao PSG até junho de 2027, quando terá 35 anos.

Mas nem isso garante a permanência do brasileiro em Paris na próxima temporada. O presidente do PSG, Nasser Al-Khelaifi, evitou cravar que Neymar faz parte dos planos do clube em entrevista bombástica que concedeu ao diário Le Parisien no começo da semana.

"Espero que os jogadores façam muito mais que na temporada passada. O objetivo é claro: trabalhar todos os dias a 200%. Dar tudo que temos por essa camisa e assim veremos o resultado. Temos que ser humildes de novo", afirmou o dirigente.

Se o PSG não sabe o que fazer com Neymar, o brasileiro parece muito seguro de que deseja continuar no clube. O L'Equipe ouviu uma pessoa próxima ao atacante, que garantiu que Neymar "está motivado com o projeto e não tem intenção de deixar a cidade".

Assim, se não encontrar um outro clube e mesmo assim quiser se desfazer de Neymar, o PSG terá que desembolsar a bagatela de 130 milhões de euros, o equivalente a R$ 713 milhões, para rescindir o contrato.