<
>

São Paulo dá 'aviso jurídico' a Daniel Alves após declarações polêmicas; veja os detalhes

Respaldado em uma cláusula contratual, o Tricolor deu um 'aviso jurídico' ao lateral-direito após desabafo em que fez críticas ao ex-clube


Apesar de ter rescindido o seu contrato em setembro de 2021, Daniel Alves continua sendo assunto nos bastidores do São Paulo. Desta vez, por conta das recentes declarações que deu, nas quais criticou o ex-clube. E por conta disso, o Tricolor resolveu tomar uma atitude, respaldado em cláusula contratual que veta manifestações de ambas as partes, e deu um "aviso jurídico" ao lateral-direito que atualmente está no Barcelona. A informação foi publicada primeiramente pelo GloboEsporte.com e confirmada pela reportagem da ESPN.

A cláusula em questão consta no acordo de rescisão assinado entre São Paulo e Daniel Alves e restringe que ambas as partes façam qualquer tipo de manifestação crítica. E como o jogador "quebrou" com o combinado, após desabafo feito em documentário em uma plataforma de streaming da Fifa, o Tricolor tomou as "medidas jurídicas cabíveis" e deu um aviso ao atleta.

Internamente, as declarações de Daniel Alves incomodaram dirigentes do São Paulo, que não descarta tomar outras medidas e até levar a situação à Justiça, isto é, processar mesmo Daniel Alves caso ele volte a fazer críticas ao clube.

Entenda o caso

Em documentário divulgado no Fifa+, o lateral-direito do Barcelona lembrou seus últimos dias no São Paulo e disparou contra a diretoria do clube, dizendo que chegou ao seu "limite".

Segundo Dani, ele deixou a Europa para voltar ao Brasil, em 2019, para "realizar um sonho", no entanto, resultados decepcionantes em campo e vários problemas de bastidores, como atrasos em seu salário milionário, foram mudando sua cabeça ao longo do tempo.

"Fui vivendo várias fases no São Paulo, que foram me desacreditando que valeria a pena estar no clube. Tomei a decisão de ir para o São Paulo para realizar um sonho e pensando que poderíamos construir alguma coisa juntos", disse no documentário.

"Planejamos isso, mas começou a falhar a estratégia que tinham me convencido a vir. Eu cheguei no meu limite, entendeu? Essa é a real, chegou no meu limite", seguiu, sobre os atrasos salariais.

No documentário, Daniel também revelou que começou a definir sua saída do São Paulo durante a disputa dos Jogos Olímpicos de Tóquio, no meio de 2021. Foi quando deu a declaração mais "polêmica" e que gerou maior repercussão.

"Comecei a pensar muito se nos estávamos fazendo bem, porque quando você começa a viver lindos momentos, em lugares diferentes, você começa a comparar uma coisa boa e uma coisa ruim. Aí você fala: 'Cara, a abelha não tem tempo de ensinar a mosca que mel é melhor que m***'", concluiu.

Atleta tentou se explicar

Em entrevista ao jornal Estadão, no início de maio, o lateral tentou explicar as declarações que deu sobre o São Paulo e, sobretudo, a analogia que fez entre a abelha e o mel. O atleta também deixou claro que nunca tentou ser 'maior' do que o Tricolor.

"Eu estava há dois anos com esse problema de grana e nunca dei uma declaração falando sobre isso. Nunca quis ser maior do que o São Paulo. Se o problema tivesse sido esse, já tinha cortado a raiz", disse.

"Essa desavença toda foi gerada por pessoas, não pelo sonho. O sonho é intocável. É como o coração. Você imagina o que é, mas não pode tocar. O sonho não vai ser frustrado, só se o sonhador permitir. E esse sonhador aqui não vai permitir. Nós deveríamos começar a colocar ordem nos diálogos porque senão geram interpretações diferentes. Quando eu falo do São Paulo, não falo do clube. Falo das pessoas que representam o São Paulo. E isso gera uma confusão. Infelizmente, as pessoas se destacam pelo caos que elas formam e não pelos exemplos que elas são. Assim, gera um pouco de desavença", prosseguiu.

"Ninguém nunca tinha me perguntado qual era o contexto disso. As pessoas estão achando que o São Paulo é a m*** e o Barcelona é o mel? Não, muito pelo contrário. A mosca nunca vai ser uma instituição. Ela é simplesmente a mosca, uma parte pequena da vida. Se as pessoas quiserem ir para o outro lado, elas vão. O sentido da frase é que não tenho tempo a perder tentando explicar para as pessoas o caminho a seguir", finalizou.