<
>

CBLoL | Desacreditada, Kalec afirma que Liberty tem 'vontade de provar que os outros estão errados'

play
Kalec fala sobre descrença da comunidade no potencial da nova Liberty (4:01)

O treinador da equipe também fala sobre continuar trabalhos com Matsu, Krastyel e Wos (4:01)

Em entrevista ao ESPN Esports Brasil, Kalec e Marina Leite falam sobre processo de reestruturação da Liberty, descrença da comunidade, Kiari e Disamis, e mais


Reestruturada e desacreditada, a Liberty chegou para a primeira etapa do Campeonato Brasileiro de League of Legends 2022 (CBLoL) pronta para mostrar ao Brasil que sua equipe não era feita apenas de grandes nomes, como fNb, e hoje ocupa a primeira colocação da tabela dividindo-a com outras quatro equipes.

Em entrevista ao ESPN Esports Brasil, o treinador Kalec e a atual Diretora de Esports da organização, Marina Leite, falam sobre o processo de reestruturação do time, a descrença da comunidade no elenco formado, o trabalho de Alocs e mais.

A Liberty chegou para o ano de 2022 dando adeus a dois nomes que se tornaram quase uma marca da organização: fNb e Yampi. Acompanhando os passos de Marina Leite ao longo dos anos, ambos saíram da organização para novos desafios - FURIA e INTZ respectivamente.

Apostando em nomes não tão badalados quanto os da dupla, a organização fez sua reformulação e hoje figura no topo da tabela do CBLoL 2022. Sem muitas dificuldades em trabalhar e adaptar os dois novos nomes que compõem o plantel, Kalec fala sobre a escolha de trazer Kiari e Disamis para a equipe.

“Quando vamos contratar os atletas, não necessariamente precisamos de alguém que já saiba tudo, seja experiente e já esteja pronto. Se conseguirmos jogadores que a gente acredita muito na habilidade individual deles, no potencial, é bem tranquilo para nós [...] temos bastante confiança em ensinar coisas mais estratégicas que talvez venham com mais experiência para os jogadores”, conta o treinador da equipe.

“É o caso tanto do Kiari quanto do Disamis, que são jogadores com muito potencial e muita habilidade individual. Claro, precisam de um crescimento e aprendizado, mas confiamos que somos capazes de proporcionar isso para eles”, adiciona.

Se planejando para uma eventual saída de fNb e Yampi, Marina revela que a organização já estava preparada e a escolha dos nomes foi certeira: “Acabamos escolhendo personalidades que compartilham das nossas visões e valores pra que nossa comissão técnica - que faz um trabalho primoroso - conseguisse lidar da melhor forma possível com o novo elenco”.

“Do ponto de vista administrativo de staff, a gente não precisou fazer uma grande reestruturação na Liberty, porque a gente já estava de certa forma preparados para essa realidade. Nosso foco sempre foi e sempre será a performance. A gente estruturou a nova equipe para que ela se encaixasse, para que não tivesse nenhuma peça destoando dos nossos valores de performance”, complementa.

Em meio às reestruturações de elenco, a equipe também passou por uma reestruturação de marca ao consolidar a união com a antiga Vorax - que veio a se chamar Vorax Liberty - e chegar ao ano de 2022 como apenas Liberty. Segundo Marina, tudo correu bem para que a transição não afetasse os jogadores.

“Nunca foi preciso demonstrar aqui dentro [Liberty] a importância de uma boa nutrição, atividade física, exames médicos regulares, fisioterapia, testes de reflexo e foco, preparador físico, etc. Isso já fazia parte da rotina deles, porque diferente de mim eles já tinham orçamento para isso. Então foi muito fácil a adaptação, foi fácil somar para que não afetasse negativamente o desempenho da equipe”.

A DESCRENÇA DA COMUNIDADE

Apesar da reformulação com nomes que já haviam se provado no passado, com Kiari que foi vice-campeão em 2021 e Disamis que vinha mostrando uma boa campanha no Academy, a Liberty chegou à primeira etapa do CBLoL 2022 desacreditada pela comunidade.

Kalec fala sobre como as expectativas do cenário para a equipe influenciaram na mentalidade dos jogadores e da comissão técnica.

“Não chegou a afetar muito, o que mais afetou foi justamente gerar um pouco de indignação em todos nós com a maneira que estávamos sendo avaliados. Querendo ou não o time tem quatro jogadores que já foram finalistas, então eles tem um certo nível de experiência e expectativas sobre si mesmos. Qualquer jogador que já chegou em um ponto de sua carreira, normalmente o mínimo que ele aceita é o mesmo ponto”, conta.

“O mais diferente é o Disamis, mas desde cedo conversei bastante sobre ele agir como o resto dos jogadores, ele é parte do time, nosso titular e é tratado igual. Tem que ter as mesmas ambições que temos”, adiciona sobre o jogador mais inexperiente.

Na verdade, o treinador revela que toda a descrença da comunidade foi apenas um combustível: “O que foi falado de fora só gerou um pouco de….”, pondera Kalec na hora de falar. “Deixou a gente inconformado. Nos deixou com vontade de provar que os outros estavam errados”.

METODOLOGIA DE TRABALHO E ALOCS

Um dos maiores fatores para que a Liberty continue a mostrar o desempenho apresentado pela Vorax no último ano, é a continuação e implementação de algo que vem desde os tempos de PRG: sua metodologia que recebe elogios até mesmo de membros de outras organizações.

“Na questão de método de trabalho é principalmente ter uma hierarquia bem definida. Eu assumo bastante a responsabilidade como treinador e consigo convencer os jogadores de que isso é uma opção boa, de que isso é algo legal de se fazer”, conta Kalec.

“Conseguimos ter um rumo bem definido cedo, algo que todos podem abraçar e remar juntos nessa direção. Isso ajuda muito e às vezes os times têm dificuldades com isso. São muitas coisinhas pequenas no final das contas que compõem [a metodologia]”, completa.

Ainda sobre o processo de trabalho da organização, Marina aproveita para adicionar alguns fatores que fazem com que a Liberty tenha sua metodologia reconhecida e elogiada dentro do cenário competitivo de League of Legends.

“Nossa metodologia é muito clara e não tem segredo: é disciplina, rotina, mas também acho que dá pra mencionar como fator extra o nosso ambiente. É saudável, harmonioso, temos muita confiança uns nos outros. Nunca vi nenhum outro local de trabalho ter a lealdade que temos aqui na nossa equipe. Julgo como um excelente lugar para se trabalhar e acho que é algo muito motivador também”, comenta a diretora de esports da Liberty.

ALOCS E A REESTRUTURAÇÃO DE VORAX PARA LIBERTY

Dentro de todo o sucesso alcançado pela Liberty nas últimas semanas do CBLoL, também existe uma engrenagem extremamente importante para fazer toda a máquina funcionar perfeitamente mas que tem pouco reconhecimento: Alocs.

Trazendo proatividade e encaixando bem com a personalidade de Kalec - que segundo o treinador não é “a mais fácil do mundo de se trabalhar” - o treinador fala sobre a importância de seu assistente para o dia a dia da organização e como ele o completa para tornar o trabalho feito dentro da equipe ainda melhor.

“Ele complementa muitas das coisas de teoria que eu não faço. Muitas das coisas de controle de visão principalmente ficam na mão dele, tem o trabalho individual que ele faz com os jogadores que eu não tenho tempo de fazer ele acaba complementando. Ele é essencial para mim, tá ligado? Pro meu trabalho ele encaixa muito bem em tudo que ele faz e me permite trabalhar e focar no que quero focar”, crava Kalec para finalizar a entrevista.

Empatada na liderança com outras quatro equipes, a Liberty volta a se apresentar em Summoner’s Rift neste fim de semana, enfrentando a Rensga no sábado (26) e a RED Canids no domingo (27). As transmissões acontecem nos canais oficiais do CBLoL na Twitch, Youtube e NimoTV.