<
>

Raafa aponta união e foco como as chaves para W7M chegar em nova final de GC Masters

Raafa e W7M estão a uma vitória da decisão da GC Masters IV Lucas Spricigo / Draft5

Assim como na Gamers Club Masters disputada no primeiro semestre, a W7M Gaming começou a quarta edição do Major brasileiro com o pé direito, vencendo as duas partidas da Fase de Grupos. Mas para ter um resultado diferente daquele campeonato, no qual o time acabou caindo nas semifinais, raafa afirmou ao ESPN Esports Brasil que ele e os companheiros não podem perder o foco e bateu na tecla da união.

“Não podemos desunir no campeonato. Temos que estar o tempo todo juntos. Na última GC Masters, pecamos um pouco nesse sentido. Lá também ganhamos os dois primeiros jogos, aí tivemos um dia de folga e meio que nos dispersamos. O principal agora é todo mundo ficar junto, sabermos que ainda não acabou, que só passamos para as semifinais mas ainda temos dois jogos pela frente”, apontou o jogador.

Raafa revelou ainda que o resultado da última Gamers Club Masters mexeu com a equipe. “Almejávamos ganhar. Tínhamos ficado em segundo no torneio anterior e queríamos muito o título daquela. Abalou um pouco o time sim e depois do torneio vimos que precisávamos fazer alguma coisa, senão iríamos ficar sempre naquela”.

Logo depois da terceira edição do Major brasileiro, a equipe passou por mudanças: YJ deu lugar a skullz, que, por sua vez, foi para Luminosity Gaming e acabou sendo substituído por rood, que pouco tempo depois foi trocado por skullz.

“Acabamos fazendo algumas trocas no elenco. Umas porque queríamos e outras forçadas. Não tivemos um time 100% completo para treinar, o que não é nossa característica, e isso atrapalhou um pouco nos resultados que tivemos. Agora, temos a melhor line possível e só precisamos treinar, colocar a cabeça no lugar porque, com certeza, temos time para ganhar de todo mundo”, analisou raafa.

Ao ser questionado se as mudanças atrapalharam um pouco a equipe nesse segundo semestre, raafa respondeu que sim: “Se não me engano, perdemos o skullz uma semana antes de começar o Brasileirão e, por isso, tivemos que correr para achar alguém, que foi o rood. Depois de algum tempo o skullz voltou e trocamos de novo. Para o segundo turno da BR League, treinamos uma ou duas semanas. Nunca tivemos um tempo para treinar, um tempo para nós. Pesou muito mais porque a nossa característica de time é ter essa união, corrigir os nossos erros. As trocas pesaram muito”, opinou.

Quem tem pensamento parecido é ryotz. Ao ESPN Esports Brasil, o jogador foi claro: “Troca no elenco sempre afeta. É que já vínhamos de uma forma inconstante antes mesmo de mudarmos. Tentamos trazer coisas novas para reconquistarmos títulos. Aí, com o que aconteceu, ficou difícil manter uma continuidade no trabalho”.

INÍCIO COM O PÉ DIREITO

A W7M iniciou na quarta edição da Gamers Club Masters da melhor maneira possível: vitórias sobre paiN Gaming e Detona Gaming, e vaga direta nas semifinais.

Na opinião de ryotz, a equipe estava “muito afiada” no dia que abriu a competição. O jogador revelou ainda que ele e os companheiros tinham “combinado, antes dos jogos, que íamos entrar mais leve, não mostrando muita coisa. Quis jogar mais leve porque sabíamos que essa Fase de Grupos não tem tanta importância já que todos os times iam jogar o mata-mata.

“Isso nos ajudou, fez a gente manter a cabeça e ficarmos bem tranquilo, sem pressão. Então, o individual encaixou bem. No dia da estreia o inteiro estava bem”, finalizou.

Além do retorno de skullz, a outra novidade apresentada pela W7M nessa Gamers Club Masters foi pancc na função de líder dentro da partida. Segundo ryotz, o companheiro “comunica muito bem e tem uma visão muito boa. Ele sabe como fazer o outro time rotacionar, o que quer que a gente faça. Ele passa as ideias de forma muito clara e rápida, e como ele fala bastante, isso diminui o risco de cometermos erros”.

Tanto para ryotzz, como também para raafa, o triunfo sobre a paiN na estreia aumentou a confiança da W7M para o restante do torneio. “A paiN era o time a ser batido na visão de todo mundo e começar ganhando deles, da forma que foi, nos ajudou a manter nossa confiança e falar que podemos ganhar de qualquer equipe. Não vai ter time imbatível. Tudo bem que só foi uma md1, mas ajudou sim”, afirmou ryotzz

Já raafa apontou que “começar ganhando de um time bem forte como a paiN dá uma confiança no seu jogo. Você vê que está fazendo as coisas certas. Então, com certeza ganhar dele, um time bicampeão, de um placar largo dá confiança para o campeonato inteiro”.

Ambos os jogadores da W7M deixaram claro também que o ótimo início ajudou a quebrar a desconfiança da torcida na equipe, criada após o Brasileirão não tão bom feito pelo time.

“Fomos um time muito inconstante durante esse ano. Sabemos disso. Mas ao mesmo tempo, todo mundo no cenário sabe que somos um time que não pode ser descartado. Podemos não ter ganho muitas coisas, mas chegamos longe na grande maioria. Perdemos muitas finais. Essas vitórias serviram para lembrar a todos que somos um time grande. Estamos tentando encontrar nossa forma. Temos que solidificar isso com o título”, afirmou ryotzz.

Raafa segue a mesma linha: “Acho que qualquer time aqui pode ganhar [o campeonato] e mesmo a gente tendo ficado em último [no Brasileirão], ficamos em último mais daquele jeito. Não fomos amassados por ninguém. Ficamos na última colocação por um ou dois pontos e nunca desacreditamos em nós mesmos. Óbvio que quando a torcida nos via em último, pensavam que estávamos mal e eu concordo. A gente não estava jogando o nosso máximo, mas sabíamos que estávamos longe de estarmos desacreditados. Sabemos que podemos ganhar de todo mundo”,

Assim como na terceira edição do Major brasileiro, a W7M terá pela frente a paiN Gaming no confronto valendo a vaga na decisão da Gamers Club Masters IV, confronto este que está marcado para às 19h (de Brasília).