<
>

Com projeção de receita acima de R$ 300 mil, Vasco pensa em entrar nos esports via mobile e PES

Vasco é mais um gigante do futebol que planeja entrar nos esports Carlos Gregório Jr / Vasco

Um ano após realizar um amplo estudo sobre o mercado dos esportes eletrônicos, o Vasco da Gama, enfim, pode estar prestes a dar os primeiros passos no cenário. Isso porque, conforme apurou o ESPN Esports Brasil, o clube abriu processo de captação de recursos para tocar o projeto que envolve equipes profissionais, construção de um centro de treinamento e desenvolvimento de campeonatos voltados para os próprios torcedores e busca por novos talentos.

As informações obtidas pela reportagem mostram que os investimentos iniciais do Cruzmaltino podem ser feitos nas modalidades mobiles Free Fire, Playerunknown's Battlegrounds (PUBG), Clash Royale e o simulador de futebol Pro Evolution Soccer (PES), no qual o Vasco está presente por já ser parceiro da desenvolvedora do título, Konami.

A entrada do Vasco nos esportes eletrônicos será feito por etapas. A primeira servirá para a criação das equipes profissionais nas quatro modalidades já citadas, seguida da que envolve a construção de um Centro de Treinamento localizado dentro de São Januário. A terceira fase será focada na organização de torneios pela internet e formação da base.

Ainda sobre o Centro de Treinamento, conforme apurou a reportagem, o local seria criado por meio de parceria, com a expectativa de atender mais de 500 jovens por mês. O clube espera cumprir os seguintes objetivos com o CT: fazer do Vasco o maior formador de atletas de esport; promover a profissionalização do esport no clube e fornecer talentos para as equipes; capacitar jovens junto ao colégio que recebe o nome da agremiação e nas outras sedes; servir como uma nova forma para captar mais torcedores

Já sobre os campeonatos que pretende promover, o Vasco quer realizar cinco grandes torneios por ano, pela internet, a fim de revelar novos talentos e engajar os fãs, os sócios e torcedores. A meta do Cruzmaltino é atingir 20 mil jogadores e uma audiência que ultrapassa 50 mil pessoas por torneio.

O ESPN Esports Brasil apurou também que o atual vice-presidente do departamento infanto-juvenil do Vasco, José Pinto Monteiro, é quem ficará a frente da divisão de esport do Cruzmaltino, sendo auxiliado por Álvaro Cysneiros, que ocupará o cargo de diretor de esporte eletrônico.

CUSTOS E RECEITAS

A reportagem também teve acesso aos valores que a agremiação estipulou como gasto anual com o projeto e receitas que espera gerar.

Ao todo, R$ 223,6 mil serão destinados aos salários de equipes masculinas e femininas de PUBG Mobile, time masculino de Free Fire, um jogador de Clash Royale e outro de PES. Outros R$ 115.560 serão para operação do projeto, enquanto o Vasco espera gastar ainda R$ 27,9 mil com os cincos torneios que pretende realizar.

Um dos planos do Vasco para a obtenção de receita é a criação de uma categoria de sócio-torcedor voltada para a divisão de esports, que terá mensalidade de R$ 15 e previsão para gerar R$ 60 mil de receita em um ano. O clube prevê também obter R$ 21,6 mil de retorno com streaming e R$ 284 mil com três tipos de cotas de patrocínio.

COM A PALAVRA, VASCO

O ESPN Esports Brasil procurou o clube carioca, que respondeu, via assessoria de imprensa, afirmando que a ideia inicial é entrar no esport com o PES.

"O Vasco possui uma parceria com a Konami há alguns anos e fechou um acordo de patrocínio de três anos com a empresa no fim de julho. O clube sempre teve interesse em entrar no eSports e essa parceria longa permite o início e o desenvolvimento destas atividades, participando de forma gradativa das competições e eventos. No momento, um projeto está sendo desenvolvido para que o Vasco esteja representado nos torneios e eventos de Pro Evolution Soccer", disse o clube

O VASCO NO ESPORT

As primeiras notícias em torno da possibilidade do Vasco entrar nos esportes eletrônicos começaram a ser veiculadas em agosto do ano passado, quando o vice-presidente de marketing, Bruno Maia, revelou que a agremiação possuía, sim, a vontade de começar a competir a partir deste ano.

"Estamos estruturando a forma do Vasco entrar ao longo de 2019", afirmou o executivo no Twitter. O VP revelou ainda que o clube vem "conversando com empresários, times e jogadores para montar o melhor jeito de entrarmos". "Entendo como aplicar os valores históricos do clube e também como um business importante", finalizou.

A revelação foi feita no mesmo dia em que o Vasco foi anunciado como um dos cinco clubes brasileiros exclusivos na versão 2019 do simulador de futebol Pro Evolution Soccer (PES). Conforme divulgou a Konami, o jogo ainda contará com todos os 20 participantes da Série A do Campeonato Brasileiro

No mês seguinte, o ESPN Esports Brasil apurou que, por meio de um estudo que durou oito meses, o clube concluiu que é possível investir sem precisar usar receitas voltadas ao futebol. O primeiro passo do clube, conforme noticiou a reportagem, seria a criação de uma área exclusiva para a operação do projeto.

Ainda em setembro do ano passado, o jornalista Joel Silva revelou numa rede social que o clube teria assinado uma carta de intenção para participar, a partir da próxima temporada, de uma competição de esport criada especialmente para marcas dos esportes tradicionais. Fontes ligadas a direção do clube confirmaram a informação a reportagem

A competição em questão era a League of Professional Esports (LPE), criada na última temporada pela companhia de entretenimento japonesa Akatsuki Inc. e que tem como foco os clubes de esportes tradicionais que já estão inseridos nos esports.