<
>

XFL: Dwayne 'The Rock' Johnson e grupo de investidores pagam R$ 79,3 milhões para tirar liga da falência

play
The Rock escolhe seu 'Monte Rushmore' do WWE: 'Os melhores da história' (1:42)

Dwayne Johnson é um entusiasta do esporte e elegeu seus favoritos (1:42)

Um grupo incluindo o ator e ex-astro da WWE, Dwayne ‘The Rock’ Johnson, concordou em comprar a XFL por cerca de US$ 15 milhões (R$ 79,3 milhões), de acordo com um comunicado divulgado no início da semana.

A XFL declarou a falência em 13 de abril e tem procurado um comprador nos últimos três meses, se comercializando como um produto feito para a TV que pode fazer a transição já em 2021 para um conceito de bolha durante a pandemia de COVID-19.

'The Rock' e seus parceiros investidores querem que a liga tenha jogos na próxima temporada.

"Estamos planejando isso", disse Garcia, a primeira mulher proprietária de uma grande liga esportiva americana. "Estamos fazendo todas as etapas necessárias para que isso seja executado. Mas também estamos atentos ao que deu realmente certo. Foi interessante ver isso. Nos esportes, quando você cria uma bolha, seus jogadores estão seguros. Quando não cria, é um caos".

A venda ainda deve ser aprovada por juiz encarregado de casos de falência e recuperações judiciais em uma audiência nesta sexta-feira. Segunda à tarde, o comitê de credores do tribunal de falências apresentou uma objeção com base em certos ativos incluídos na venda.

Garcia terá uma posição executiva na XFL e disse que ela e 'The Rock' terão uma abordagem prática para administrar a liga. Questionada sobre a contratação de outros líderes de nível executivo, ela disse: "Estamos em estreito contato com a atual equipe de gerenciamento da XFL".

"Há muitas pessoas excelentes na equipe", afirmou Garcia. "Embora não seja 100% apenas acender as luzes, ainda há uma quantidade enorme de infraestrutura e relacionamentos que você pode realmente manter para atrair pessoas. Vimos o trabalho que eles estavam fazendo neste ano. Há uma equipe boa lá”.

O presidente e diretor de operações da XFL, Jeffrey Pollack, está entre os poucos funcionários ativos da liga. A maioria foi demitida em 10 de abril.

A XFL fechou duas vezes após uma temporada, primeiro em 2001 e novamente no início deste ano como resultado da pandemia, e não houve uma liga alternativa de futebol americano profissional bem-sucedida desde que AFL e NFL se fundiram em 1970. Mas o proprietário da NFL, Vince McMahon, foi um aspirante determinado, investindo US$ 200 milhões na segunda encarnação da liga, que prometeu "repensar" o jogo. No entanto, os oito times da liga suspenderam as partidas na Semana 5.

Em uma declaração, Johnson, 48, ofereceu um vislumbre do que McMahon poderia trazer para a liga.

"A aquisição da XFL com meus talentosos parceiros, Dany Garcia e Gerry Cardinale, é um investimento profundamente enraizado em duas coisas: minha paixão pelo jogo e meu desejo de sempre cuidar dos torcedores", disse 'The Rock', que jogou futebol americano na Universidade de Miami de 1990 a 1994. "Com orgulho e gratidão por tudo o que construí com minhas próprias mãos, planejo aplicar esses calos para a XFL e quero criar algo especial para jogadores, torcedores e todos envolvidos com o esporte”.

Em um comunicado, Pollack chamou a venda pendente de "um final de Hollywood" e disse que os investidores de Johnson são "um grupo de proprietários de equipes dos sonhos e a XFL está nas melhores mãos possíveis daqui para frente".

Cardinale é o sócio-gerente e CEO da RedBird, que administra mais de US$ 4 bilhões em ativos. Na semana passada, a empresa comprou o controle acionário do Toulouse Football Club, um time de futebol francês. Em novembro, a RedBird investiu US $ 125 milhões em uma nova empresa que garante os direitos comerciais da NFL.

Os planos organizacionais para a próxima versão da XFL não são claros. McMahon demitiu o comissário da XFL, Oliver Luck, em 9 de abril, e Luck respondeu processando McMahon por rescisão indevida e está buscando US$ 23,8 milhões (R$ 125,9 milhões). O processo estava em espera, aguardando os resultados da falência.

A liga teve uma média de 1,9 milhão de telespectadores por jogo e gerou quase US$ 20 milhões (R$ 105,8 milhões) em receita bruta em 2020, de acordo com documentos. A XFL havia projetado US$ 46 milhões (R$ 243,4 milhões) em receita bruta para a temporada de 10 jogos, com cada ponto citado superando as expectativas da própria liga, segundo fontes.