<
>

Thaísa detona ranking da CBV: 'Tragam estrangeiras e nos obriguem a ter contato com esse terror do coronavírus'

O famigerado ranking de atletas da Superliga de vôlei voltou a gerar polêmicas e ânimos exaltados. A Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) divulgou nesta quinta-feira que a pontuação foi mantida e acabou gerando revolta da central Thaísa, atualmente no Minas.

O maior problema é que, segundo a jogadora, dois votos foram descartados por terem sido enviados por e-mail (Barueri e Curitiba). Ambos eram contra o ranking, o que o acabaria derrubando.

Thaísa foi contundente em um post no Instagram.

Ver essa foto no Instagram

Vou te contar, tem SITUAÇÕES e PESSOAS que não me descem... Desde quando dois times participantes da superliga foram simplesmente anulados da votação do ranking?? Pq?? Alguém avisou que caso não estivessem presentes não valeria seus votos??? Resposta: NÃO, não avisaram. Esses dois times, Barueri e Curitiba votaram por e-mail e deixaram claro os seus votos...e pq a @cbvolei com base na "pressão" de certos clubes(RIO/BAURU), cederam e aceitaram o argumento de ambos de não aceitar os votos dos dois clubes que votaram por e-mail??? Como funciona? No GRITO?? (No caso do Rio, até entendo, pq fazem isso com a arbitragem tb, E funciona) ... TRISTE a postura da @cbvolei perante essa pressão. E novamente não se posicionaram como deveriam, Pq com os votos do Barueri e do Curitiba o ranking ACABARIA... Parabéns aos responsáveis, Agora aceitam adicionar uma estrangeira, ou seja, 3 estrangeiras,e mantém o ranking! ABRE AS PORTAS Para AS ESTRANGEIRAS E FECHAM AS PORTAS P AS BRASILEIRAS, Bacana!!!! Fecham os olhos pra nós Brasileiras... "que se lasque, se não cabe aqui vão jogar fora do país " . Todo mundo querendo fugir da pandemia coronavirus , ótimo, tragam o máximo de estrangeiras e nos obriguem a ir pra fora, nos obriguem a ter contato direto com esse terror q estão vivendo lá, Que lindo!!! Obrigada mais uma vez por isso... (Foto @guilhermezilse )

Uma publicação compartilhada por Thaisa Daher (@daherthaisa) em

“Alguém avisou que caso (os clubes) não estivessem presentes não valeriam seus votos??? Resposta: NÃO, não avisaram. Esses dois times, Barueri e Curitiba votaram por e-mail e deixaram claro os seus votos... e por que a CBV com base na "pressão" de certos clubes (RIO/BAURU), cederam e aceitaram o argumento de ambos de não aceitar os votos dos dois clubes que votaram por e-mail??? Como funciona? No GRITO?? (No caso do Rio, até entendo, porque fazem isso com a arbitragem também, e funciona) ... TRISTE a postura da CBV perante essa pressão”, disse,

“Parabéns aos responsáveis. Agora aceitam adicionar uma estrangeira, ou seja, 3 estrangeiras, e mantém o ranking! ABRE AS PORTAS para AS ESTRANGEIRAS E FECHAM AS PORTAS PARA AS BRASILEIRAS, Bacana!!!! Fecham os olhos para nós brasileiras... "que se lasque, se não cabe aqui vão jogar fora do país ". Todo mundo querendo fugir da pandemia coronavírus, ótimo, tragam o máximo de estrangeiras e nos obriguem a ir para fora, nos obriguem a ter contato direto com esse terror que estão vivendo lá. Que lindo!!! Obrigada mais uma vez por isso...”, completou.

Thaísa é uma das dez jogadoras com de 7 pontos no ranking. Cada equipe só pode contar com duas atletas dessa pontuação no elenco. As outras são as levantadoras Dani Lins, Fabíola e Macris, a central Fabiana, as ponteiras Fernanda Garay, Gabi e Natália, e as opostas Tandara e Tifanny.

O ranking é usado para teoricamente dar um equilíbrio técnico maior entre as jogadoras, impedindo que as equipes mais ricas tenham todas as principais atletas do país.

O problema alegado pelas jogadoras é que são poucas as equipes que têm dinheiro para manter atletas desse calibre.

O ranking não é mais utilizado na Superliga masculina.