<
>

Olimpíada: COI adia Jogos de Tóquio e põe data-limite para acontecer, verão de 2021

play
Corredor Alex Pires defende adiamento das Paralimpíadas: 'Devemos pensar na saúde de todos' (1:35)

'É lógico que eu queria correr em Tóquio, mas é uma questão de saúde', completou o atleta (1:35)

Nesta terça-feira, o primeiro-ministro do Japão afirmou que o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, aceitou que os Jogos de Tóquio sejam adiados em um ano em razão da pandemia do coronavírus.

Pouco depois, o próprio COI soltou comunicado oficial confirmando a mudança (de 2020 para 2021) e colocou como data-limite o verão (do hemisfério norte) do ano que vem.

"Na atual circunstância e baseado na informação dada pela Organização Mundial da Saúde hoje, o presidente do COI e o primeiro-ministro do Japão concluíram que os 32º Jogos de Tóquio devem ser reprogramados para uma data além de 2020, mas não depois do verão de 2021, para salvaguardar a saúde dos atletas, de todos os envolvidos nos Jogos e da comunidade internacional", diz a nota do COI.

Shinzo Abe teve uma reunião por teleconferência com o dirigente alemão e estava acompanhado pelo presidente do comitê organizador local, Yoshiro Mori; da governadora de Tóquio, Yuriko Koike; e do ministro da Olimpíada, Seiko Hashimoto.

"Eu primeiro confirmei com Bach que não haverá cancelamento dos Jogos de Tóquio", disse o premier japonês aos jornalistas - a Olimpíada estava marcada para acontecer entre 24 de julho e 9 de agosto.

"O Japão, como país-sede, acredita ser necessário um ano para que os atletas mundiais sejam capazes de atuar nas melhores condições e ter uma sã e segura competição para a audiência, baseado na atual situação".

Ele garantiu que Thomas Bach, ao ser questionado sobre o adiamento em um ano, teria respondido: "Eu concordo 100%".

"Nós concordamos que os Jogos de Tóquio aconteçam no verão (do hemisfério norte) de 2021 no máximo", falou Shinzo Abe.

Sobre as razões pela proposta de adiamento, o primeiro-ministro explicou: "Primeiro de tudo, olhamos para o atual contágio da doença, é difícil de fazer neste ano. No futuro, nós acertamos de trabalhar de perto com o presidente Bach para sediar os Jogos por completo como prova de que a humanidade superou a nova infecção do coronavírus. Eu quero fazer isso".