<
>

Bellator: 'Pitbull' elogia McKee, mas pede por revanche válida pelo título dos leves no Brasil

Patrício Freire sofreu o revés mais duro de sua carreira no último sábado (31). No Bellator 263, evento realizado na Califórnia (EUA), ‘Pitbull’ foi derrotado por AJ McKee na final do GP do peso-pena (66 kg) da companhia ao ser finalizado no primeiro round, viu o rival se tornar campeão da categoria e perdeu a chance de faturar um milhão de dólares (cerca de R$ 5 milhões). Mesmo assim, o brasileiro mostrou fairplay ao opinar sobre a luta.

Na coletiva de imprensa pós-Bellator 263, Patrício, que é o maior nome da história da organização, deixou a rivalidade com McKee de lado por um momento e o parabenizou pela brilhante atuação. No cage, o americano abalou ‘Pitbull’ com um chute alto, aplicou uma blitz que desnorteou o desafeto e, em seguida, o finalizou via guilhotina.

Sabendo que viveu um dia ruim no esporte, o brasileiro não deu as conhecidas desculpas para justificar o revés. Pelo contrário, Patrício encerrou qualquer dúvida em relação ao seu futuro no Bellator, garantiu estar motivado a dar a volta por cima na carreira. Vale destacar que ‘Pitbull’ ficou invicto no período entre 2017 e 2021, ou seja, por sete lutas.

“Ele foi ótimo. Ele chutou minha cabeça, quase me nocauteou e quase me finalizou na mesma noite. Ele foi bem, parabéns. Agora, ele é o campeão. Eu assisti a luta e não apaguei, mas vi minhas mãos caindo. Eu estava de pé, mas é isso. Um lutador quer lutar até o fim. Essa é a minha opinião”, analisou o ex-campeão do Bellator, antes de completar.

“Estou sempre motivado. Minha estreia foi em 2004. Tenho muitos anos lutando, me dedicando a esse jogo e estou com fome o tempo todo. Passei muitos anos sem ser derrotado e hoje é um novo dia para mim. É um sentimento diferente. Quero descansar um pouco, curtir meu filho, minha esposa, mas vou voltar mais forte. Sei que todos falam isso quando perdem, mas sou diferente”, garantiu.

Disposto a dar o troco em McKee, Patrício, que ainda detém o cinturão do peso-leve (70 kg) do Bellator, já mostrou interesse em uma revanche com o carrasco na categoria. E tal jogada faz sentido, uma vez que o americano apresenta problemas para superar a balança nos penas por conta de seu porte físico e flerta com a possibilidade de subir de divisão.

Além disso, antes da luta acontecer, McKee ressaltou que seria o nêmesis de Patrício no Bellator e cravou que a lenda da organização perderia seus cinturões para ele. Depois do embate entre os rivais, Eric Albarracin, treinador de ‘Pitbull’ e que também estava presente na coletiva de imprensa pós-evento, pediu para a possível revanche envolvendo os tops da companhia acontecer no Brasil, já que o primeiro duelo foi realizado na casa de ‘Mercenary’. E o posicionamento do profissional teve a aprovação do ex-campeão do peso-pena.

“Antes da luta, acho que ele disse algo assim a alguém e é uma coisa boa. Ele me venceu nos penas. Eu sei que ele é grande, que tem problemas para cortar peso. Vamos pensar sobre isso. Eu tenho o cinturão, ainda sou um campeão mundial”, concluiu.