<
>

Popó exalta oportunidade de lutar com Whindersson Nunes e sugere data para duelo

play
Brasileiros fazendo história, lendas se aposentando e muito mais: os grandes momentos do UFC em 2020 (2:43)

Movimentado ano ainda teve a criação da Ilha da Luta e muita provocação (2:43)

Nos últimos dias de 2020, o mundo das lutas e a internet foram pegos de surpresa com o desafio feito, e prontamente aceito, pelo tetracampeão mundial de boxe Acelino ‘Popó’ Freitas ao youtuber Whindersson Nunes. O retorno de grandes lendas da nobre arte, assim como a entrada de celebridades no esporte, não é um movimento isolado, e já conta com alguns casos ao redor do mundo. Mesmo assim, muitos olharam para a versão verde-amarela com desconfiança.

Mas, ao que tudo indica, a inusitada disputa deve realmente acontecer. Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag Fight, o ex-pugilista baiano, que fez sua última apresentação como profissional em 2017, confirmou o interesse na luta de exibição diante do youtuber, detalhou o processo que o levou ao desafio feito e exaltou a oportunidade que o evento trará para a divulgação da modalidade.

De acordo com Popó, a ideia inicial de Whindersson – que já se testou nos ringues em uma luta de boxe amador, em 2019 – era desafiar o também youtuber Logan Paul, um dos pioneiros na entrada de celebridades na modalidade. Porém, com o americano já agendado para encarar Floyd Mayweather, considerado por muitos como o maior boxeador de todos os tempos, em uma luta de exibição, o baiano teve a ideia de convocar o humorista para a versão verde-amarela do duelo.

“No ano passado eu estava em uma academia e ele (Whindersson), por coincidência, também estava lá. A gente brincou e tudo. Ele falou que já tinha uma luta amadora e que queria desafiar um cara do Youtube (Logan Paul). Aí ele falou: ‘Você topa me treinar?”. E eu respondi: ‘Lógico. A gente vê como é o cara e faz uma preparação em cima dele’. Só que a gente só se viu uma vez, foi só aquele contato ali e acabou. Quando foi agora, ele fez o desafio para o cara, mas o cara já tinha feito um contrato com o (Floyd) Mayweather, tinha coisas maiores para fazer, e não aceitou. Eu vi na mídia que o cara não tinha aceitado o desafio do Whindersson, então eu repostei e falei: ‘Eu desafio você, eu sei que você não vai aguentar um jab meu. Já que você quer lutar, brincar de boxe'”, recordou Popó, antes de continuar.

“Porque Mike Tyson fez isso com o Roy Jones Jr, foi como se fosse um sparring. E movimentou o boxe do mundo todo. Porque era um cara de 54 anos e outro de 51, isso é de tirar o chapéu, e agradecer que tem gente com esse talento para movimentar o nosso esporte. E o Whindersson aceitou, então por que não movimentar esse esporte aqui no Brasil também? Por que não mostrar para as pessoas que o cara do humor não sabe só fazer aquilo. Como eu, eu sei fazer inúmeras coisas. O Whindersson é um dos melhores humoristas do país, a quantidade de seguidores que ele tem fala por si só. E o pessoal vai parar para assistir. ‘Ah, é uma brincadeira’. Não, não é uma brincadeira. É um sparring. Como se fosse um treinamento na academia, a gente se preparando para lutar com alguém”, explicou o ex-campeão mundial.

A assinatura de contrato para a concretização do combate depende apenas da chegada de Kaká Diniz, representante do youtuber, ao Brasil. O empresário de Whindersson passa férias nos Estados Unidos e, assim que retornar ao país, deve ter uma reunião com a lenda do boxe para acertar todos os detalhes.

Mas, de acordo com Popó, a luta deve ocorrer entre abril ou maio deste ano. Até lá, o ex-pugilista espera que a vacinação contra o coronavírus esteja adiantada, já que, desta forma, o show poderia ter a presença de público. Além disso, o baiano adiantou que pretende preencher o card do evento com confrontos preliminares de grande destaque e, assim, dar oportunidade a novos talentos do boxe nacional.

“Eu só estou esperando o empresário dele, que é o Kaká (Diniz). Ele está nos Estados Unidos de férias, está chegando agora, essa semana. E ele vai me passar tudo, como vai ser. A gente vai elaborar um contrato certinho. Provavelmente o Whindersson deve fazer pelo canal dele. E vamos nessa, vamos brincar, vamos divulgar o nosso esporte, ver o que vai dar. Se a gente pode criar um business também em cima disso”, contou o ex-campeão, antes de revelar alguns de seus planos para o evento.

“A gente tem vários talentos no nosso país que podem fazer umas preliminares top, de porrada para valer mesmo. A nossa ideia é essa, é dar oportunidade também nas preliminares para as pessoas top (do esporte). Provavelmente vai ser em abril ou maio. Local a gente ainda não tem, não foi falado nada disso ainda. Eu não sei se daqui até lá a gente vai ter a vacina (para o coronavírus). Se não tiver, pode ser em um lugar pequeno, sem público. Ou pode ser em uma arena para 50 ou 60 mil pessoas (se já tiver a vacina)”, ponderou.

Além dos detalhes sobre a promoção do evento, alguns cuidados sobre a luta, especificamente, precisam ser discutidos entre as partes. A discrepância nas habilidades entre um ex-campeão mundial de boxe e um youtuber, ainda que em uma luta de exibição, levam a crer que algumas regras e proteções especiais possam ser adotadas pela organização do show. Atento a essa questão, Popó indicou que algumas medidas, como luvas maiores e rounds menores, possam ser a solução para garantir a segurança de Whindersson.

“Eu não sei se ele vai usar protetor de cabeça, mas eu não uso. Não vou usar. Eu sei que as luvas vão ser maiores, lógico. Vai ser como um sparring na academia. E provavelmente pode diminuir o número de rounds e também o tempo, como foi na luta do Mike Tyson, que foram oito rounds de dois minutos”, concluiu.

Acelino ‘Popó’ Freitas competiu no boxe profissional, de forma ininterrupta, entre 1995 e 2007, atuando em mais três confrontos depois disso, em períodos espaçados, o último deles há pouco mais de três anos. Ao todo, o baiano, conhecido também como ‘Mão de Pedra’, acumulou 41 vitórias e apenas dois reveses em toda sua carreira, além de ter sido campeão mundial dos super-penas, pela WBO (Organização Mundial de Boxe) e WBA (Associação Mundial de Boxe), e dos leves, pela WBO.