<
>

Flamengo x Sport: Luan Polli já disputou posição com Bruno e virou melhor goleiro do Bola de Prata por causa da esposa

A liderança do ESPN Bola de Prata Sportingbet como melhor goleiro do Campeonato Brasileiro é um prêmio para a persistência de uma mulher: Ellen Teodoro, esposa do goleiro Luan Polli, do Sport. Ela é uma das grandes responsáveis pela ótima fase do arqueiro.

Em julho de 2018, o jogador estava desanimado com a carreira no futebol pois estava há seis meses desempregado, depois de uma passagem pelo Naxxar Lions, de Malta, que terminou com uma lesão.

Ellen tinha o costume de fazer edições de vídeos com as melhores defesas do marido para incentivá-lo.

“A família dela conhecia o Klauss Câmara, ex-diretor do Sport. Ela encaminhou meu material para ele, que naquele momento estava precisando de um goleiro para compor o elenco. Eu estava livre no mercado e o Sport não podia fazer um alto investimento. E em questão de horas, as coisas se encaixaram e eu era atleta do Sport”, contou ao ESPN.com.br.

Luan ficou muito feliz, mesmo sendo contratado para ser terceiro ou quarto goleiro do elenco. Com a lesão de Maílson na reta final a Série B de 2019, ele foi titular na reta final da campanha do acesso para a elite do Brasileiro.

“Fui trabalhando dia após dia, quietinho buscando meu espaço, onde surgiu a oportunidade de jogar no Brasileiro de Aspirantes do ano passado. Ano passado eu fiz meus primeiros jogos pelo time principal do Sport, graças ao empenho da minha esposa em me ver feliz novamente”, agradeceu.

Mesmo com a volta de Maílson no começo do ano, Luan jogou algumas partidas, mas virou reserva com a chegada do treinador Daniel Paulista. Após a demissão do técnico e a derrota para o Coritiba, pelo Brasileiro, Luan Polli foi efetivado como titular da equipe pernambucana pelas mãos de Jair Ventura.

Origens

Luan Polli é filho de Nevílson, um caminhoneiro que jogava como goleiro em times de várzea na cidade de Meleiro, em Santa Catarina. Com apenas quatro anos, o garoto perdeu o pai em um acidente automobilístico durante o trabalho. Mesmo assim, sua influência foi decisiva na escolha da futura carreira do garoto.

"Eu tinha 8 anos e estava olhando a despensa num quarto lá de casa, em que a gente guardava coisas que não usava. Sempre fui muito curioso, ficava mexendo em tudo lá, e vi umas caixas e umas chuteiras. Perguntei para minha mãe o que era aquilo, e ela explicou que eram coisas do meu pai, que ele era goleiro na várzea", contou o arqueiro.

"Daí pedi para ela me colocar na escolinha, porque queria ser goleiro também, assim como meu pai. Antes, na escola, eu só jogava na linha, mas depois disso fiquei como goleiro direto. A partir deste dia, eu resolvi ser goleiro para homenageá-lo", prosseguiu.

O goleiro começou a carreira no Casa Lar-SC, com apenas 10 anos. Depois, foi para a base do Figueirense e foi emprestado para o Flamengo por dois anos.

No Rio de Janeiro, atuou pela equipe sub-20 rubro-negra e chegou até a atuar em um jogo do profissional (um empate por 2 a 2 com o Bangu, pelo Campeonato Carioca), com o técnico Dorival Júnior.

Além disso, chamou atenção de agências de modelos e recebeu convites para trabalhar na área.

"Quando morava no Rio, recebi convites para ser modelo, mas acabei não fazendo nenhum trabalho, só uns ensaios de fotos. Também me matriculei na faculdade, mas acabei desistindo depois que subi para o profissional, porque ia perder aulas", lembrou.

“Tenho um carinho enorme pelo Flamengo, um clube que me formou como atleta, me ajudou muito no meu crescimento pessoal e que me deu a primeira oportunidade como profissional. Tenho grandes amigos que trabalham até hoje lá”, agradeceu.

Nesta quarta-feira, o arqueiro irá reencontrar o clube rubro-negro pelo Campeonato Brasileiro.

“Hoje estou do outro lado, um clube que aprendi a amar, um clube que me abriu as portas no momento que mais precisava como atleta. Fiz do clube minha segunda casa. Tenho conquistado grandes coisas na minha vida graças ao Sport. Fica o carinho e o agradecimento pelo Flamengo ter sido tão importante na minha formação. Mas dentro das quatro linhas, fica um pouco de fora isso, e com alma e coração em defender o escudo do Sport”.

Disputa com Bruno

Luan voltou depois ao Figueirense, clube no qual fez algumas partidas pelo profissional. Em busca de mais oportunidades, ele foi para o Boa Esporte-MG, em 2016. Na equipe mineira, ele chegou a disputar posição com o goleiro Bruno, condenado pelo assassinato de Eliza Samúdio, que teve uma passagem curta pelo time.

A contratação do ex-arqueiro do Flamengo - que não atuava em alto nível havia muitos anos - causou forte rejeição em patrocinadores e torcedores e fez com que Luan perdesse a posição em algumas partidas. Mesmo assim, o arqueiro enfrentou o turbilhão de forma discreta, com frieza e evitando qualquer polêmica com o colega de profissão.

Em 2017, o jogador trocou o Boa Esporte-MG pelo Naxxar Lions, de Malta, no qual fez apenas três jogos antes de se lesionar.

Um ano meio depois de passar o momento mais complicado na profissão, Luan comemora a melhor fase da profissão sem esquecer-se das próprias origens.

"Meu pai sempre foi a minha estrela. Onde ele estiver, deve estar muito feliz por tudo o que eu conquistei. Tudo o que faço é por ele também", emocionou-se o arqueiro.