<
>

Sensação do Ceará já passou fome e superou dispensa em Grêmio e Inter para brilhar na Copa do Nordeste

Ao entrar no gramado do estádio Pituaçu, em Salvador, neste sábado, o atacante Rick fará a partida mais importante de sua curta carreira. Antes de chegar à decisão da Copa do Nordeste contra o Bahia, a vida da jovem revelação do Ceará não foi fácil. Ele enfrentou muitos problemas financeiros, dispensa de outros clubes e até passou fome.

Depois de começar no futsal e jogar pelo Moto Club-MA, o garoto deixou São Luís, no Maranhão, aos 15 anos para atuar em um time de empresários na Bahia.

“Tinha um projeto de jogar de um campeonato, mas não deu certo. Nesta época, precisei morar de favor um tempo na casa de um amigo do time porque não tinha para onde ir. Fiquei oito meses sem voltar para São Luís. Eu fui levado com alguns meninos fazer avaliação no Internacional e no Grêmio, mas não passamos”, contou ao ESPN.com.br.

Em seguida, foi aprovado pelo Boca Júnior-SE, mas passou enormes dificuldades.

“Os jogos ainda não tinham começado e fui largado lá por um cara que não era meu empresário. Essa época eu passei fome. Em algumas semanas comia pouca coisa e não tinha uma alimentação saudável. As coisas só melhoraram depois que os jogadores chegaram ao clube”, contou.

Em 2016, ele se destacou na primeira fase da Copa São Paulo pela equipe sergipana e foi contratado justamente pelo Grêmio.

“Era para ficar por empréstimo por dois anos, mas deu problema no meu contrato. Não tive espaço porque fiquei seis meses treinando e só fui atuar em amistosos no fim do ano, antes de sair”.

Depois de ser reprovado no Juventude e ficar um tempo em casa, ele fez um teste no Londrina, mas não acertou.

Afirmação no Ceará

Em 2018, Rick acertou com a equipe sub-20 do Ceará e estreou no profissional no começo do ano passado, quando fez 10 partidas.

“Subi com o Lisca e desci para a base logo em seguida. Nisso, o Enderson Moreira me promoveu de novo e estreei no Brasileiro contra o Grêmio, que tinha me mandado embora”.

Neste ano, virou a grande surpresa do Ceará na volta do futebol, sendo titular em quatro dos últimos cincos jogos da equipe. Ele foi uma das surpresas da equipe na vitória no clássico contra o Fortaleza, que garantiu a vaga para a final da Copa do Nordeste.

“Não esperava entrar neste jogo, mas dei uma assistência para gol e foi bom demais. Vivo o melhor momento da minha vida. Quero muito ser campeão, e o título seria muito importante para nós”.

Veloz e driblador, Rick se inspira em Neymar e Everton Cebolinha, que teve passagem pela base do arquirrival Fortaleza antes de brilhar pelo Grêmio.

“Antes eu jogava mais pelo lado direito, mas hoje jogo com o Guto mais pela esquerda, o que é melhor para mim. Gosto de ir dentro dos caras e fazer o um contra um”, explica.

O atacante pretende ajudar a terminar de construir a casa dos pais em São Luís e tirar o pai do serviço de bombeiro hidráulico.

“Tenho o sonho de um dia poder jogar na Europa”, contou.