<
>

Lewandowski, artilheiro do Bayern, já foi 'esquenta banco' de Lucas Barrios, ex-Palmeiras e Grêmio

Se hoje Robert Lewandowski é uma das principais estrelas do Bayern de Munique, octacampeão alemão, além de ser o artilheiro da Bundesliga com 31 gols, num passado as coisas eram bem diferentes para o centroavante polonês.

Em sua primeira temporadas no Borussia Dortmund (2010/11), logo depois de ser contratado do Lech Poznan, ele passou um bom tempo "esquentando o banco" de um jogador conhecido dos torcedores de Palmeiras e Grêmio.

Trata-se do atacante Lucas Barrios, que jogou no Dortmund entre 2009 e 2012, tendo sido contratado após grande passagem pelo Colo Colo, do Chile.

Na Alemanha, ele foi durante muito tempo o titular absoluto do técnico Jurgen Klopp, contribuindo com gols e assistências e sendo decisivo para o BVB conquistar a liga nacional em 2010/11.

Enquanto Barrios estava "voando", Lewandowski era uma mera opção do banco, entrando às vezes no segundo tempo ou jogando as partidas menos importantes.

Tudo mudou no início da temporada 2011/12, quando Barrios sofreu uma lesão muscular e Lewandowski acabou ganhando a chance de mostrar seu trabalho como titular. Poucas vezes um reserva aproveitou tão bem essa oportunidade.

Em seu primeiro jogo pós-lesão do hoje palmeirense, o matador guardou dois gols contra o SV Sandhausen, pela Copa da Alemanha. Depois, marcou contra o Nuremberg, pelo Alemão. Na partida seguinte, também pela Bundesliga, um hat trick e uma assistência contra o Augsburg. Mais dois contra o Colônia, mais dois contra o Freiburg e mais, e mais, e... prêmio de melhor jogador polonês do ano!

Daí para frente, ele ficou impossível, como lembra o zagueiro Felipe Santana, seu colega de equipe durante quase quatro anos no Borussia.

"Ele só foi ter sequência depois da lesão do Lucas. O grupo era muito bom e se ajudava demais. Como tinha muitos jogadores bons, se você saísse do time, era difícil voltar para os titulares. Depois dessa série, não teve jeito: o Robert tomou conta da posição e o Lucas nunca mais voltou", lembrou o atleta revelado pelo Figueirense.

Santana recorda, inclusive, que Jurgen Klopp tentou escalar Lewandowski e Barrios juntos em algumas partidas, já que via talento no polonês. No entanto, Robert era "sacrificado" e tinha que jogar como o armador da equipe.

"Teve uma vez que o Kagawa lesionou e o Lewandowski virou o 10 da nossa equipe, pois jogávamos no 4-2-3-1. E vou te falar que ele não sentia dificuldade e fazia bonito, porque protegia muito bem a bola e distribuía ótimos passes", conta.

Lewandowski acabaria aquela temporada como terceiro maior anotador da Bundesliga, com 22 gols, além de seis assistências - desempenho decisivo para dar o bi do Alemão ao Dortmund, deixando mais uma vez os principais rivais comendo poeira.

Na última partida antes das férias, teve sua melhor atuação, destruindo o Bayern com três gols na goleada por 5 a 2 na final da Copa da Alemanha, competição da qual foi artilheiro, com sete tentos em seis jogos.

Nos anos seguintes, ele manteve a excelente forma, batendo recorde atrás de recorde. Em 2013, quebrou a marca de maior número de jogos seguidos fazendo gols no Borussia, ultrapassando as 12 partidas consecutivas de Friedhelm Konietzka em 1964/65.

Já Na Uefa Champions League, entrou para o Guinness Book como primeiro atleta a marcar quatro gols em uma semifinal, no dia em que demoliu o poderoso Real Madrid por 4 a 1.

"O Lewa estourou para o mundo naquela semifinal, fazendo quatro gols no Real. Ele foi ficando cada vez melhor, e hoje todos o conhecem. Vem de uma super temporada no Bayern, jogando demais. Virou o capitão da Polônia, tirando a braçadeira que era do Kuba. Hoje, para mim, é o melhor centroavante do mundo", opina Felipe Santana.

Ao todo, Lewandowski ganhou quatro títulos pelo BVB antes de trocar a equipe de maneira polêmica pelo rival Bayern, na temporada 2014/15.

Em Munique, manteve sua excelente forma, ganhando mais Bundesligas e Copa sda Alemanha, sempre com tentos decisivos e atuações impressionantes, como o dia em que entrou no segundo tempo e fez cinco gols em apenas 10 minutos.

Barrios, por sua vez, acabou deixando o Borussia Dortmund em 2012, indo para o Guangzhou Evergrande, da China. Depois, passou ainda por Spartak Moscou, da Rússia, e Montpellier, da França, antes de chegar ao Palmeiras, em 2015.

No Palestra Itália, o jogador alternou grandes atuações com períodos longos no departamento médico, mas não se firmou. Depois, passou pelo Grêmio - no qual venceu a Libertadores de 2017 - antes de voltar ao Colo Colo.

Na atual temporada, Lewandowski é o principal artilheiro da Europa,com 46 gols em 40 jogos.


Reportagem originalmente publicada dia 18/06/2016