<
>

BBB: Hadson Nery jogou no Corinthians e foi comandado por Jorge Jesus no futebol português

play
'O Flamengo, para ser o maior clube do mundo, tem que continuar a ganhar títulos': Jorge Jesus planeja a nova temporada (0:25)

Treinador retornou ao Brasil nesta segunda-feira para começar o ano de 2020 no time rubro-negro (0:25)

No último sábado, a TV Globo anunciou os 18 participantes da 20ª edição do reality show "Big Brother Brasil". Dentre eles, há um ex-jogador de futebol: Hadson da Silva Nery, atualmente com 38 anos e que, durante a carreira, passou por clubes como Corinthians, Remo, Paraná, Paysandu e Brasil de Pelotas. Além disso, teve experiências no futebol da Ucrânia e de Portugal, sendo inclusive comandado pelo atual técnico do Flamengo, Jorge Jesus.

Hadson, que atuava como lateral-esquerdo e meia-esquerdo, vem de uma família de boleiros, e, para conseguir mais informações sobre o ex-atleta, a ESPN procurou o ex-meia Harison, campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior pelo São Paulo, no início dos anos 2000, e irmão do novo Brother.

"Nossa família é toda envolvida com futebol. Meu avô, meu pai, meus tios, meu irmão e eu fomos jogadores. Meu irmão começou no clube dos empregados da Petrobras, porque meu pai trabalhava na empresa. Depois, ele foi para a Tuna Luso e o Paysandu, sendo campeão de vários torneios na base por lá", lembrou Harison.

Em seguida, Hadson se mudou para a capital paulista e foi treinar com Harison, que é seu irmão mais velho, no São Paulo.

"Só que ele era corintiano (risos)!", divertiu-se Harison.

"Não teve jeito: ele foi para o Corinthians, passou no teste e ficou por lá. Jogou com Gil, Kléber, Fernando Baiano, Rodrigo Pontes... O lateral-esquerdo Kléber, aliás, era bem amigo dele", recordou.

Enquanto estavam nas bases do Alvinegro e do Tricolor, aliás, os irmãos Nery chegaram a se cruzar em campo.

"A gente se enfrentou uma vez nos Aspirantes e eu fiz dois gols, mas o Corinthians venceu por 3 a 2. Nossos pais estava na arquibancada e ficaram bem divididos. Eles não sabiam para quem torcer, mas ficaram felizes no fim", contou.

Em seguida, Hadson ficou por um ano na base do Flamengo, jogando com atletas como o lateral-direito Alessandro, que até recentemente vinha trabalhando como dirigente do Corinthians, e o meia Andrezinho. Depois, foi para o Remo, clube pelo qual disputou a Copa São Paulo com destaque, conseguindo uma chance de ir para o Basel, da Suíça.

"Ele ficou lá por uns três anos, entre júnior e profissional. Aprendeu, inclusive, a falar francês e alemão. Foi uma época muito boa para ele. Teve uma vez que fui jogar um torneio lá com o São Paulo e a gente se encontrou", rememorou.

Após deixar o São Paulo, Harison foi para o futebol japonês, e quase chegou a jogar junto com Hadson.

"Quando eu jogava no Kawasaki Frontale, ele chegou a treinar um tempo lá, mas acabou não assinando contrato porque já tinha estourado a cota de estrangeiros. O Emerson Sheik, que era nosso amigo desde que joguei com ele na base do São Paulo, estava por lá", relatou.

JESUS CONTRATOU POR DVD

Entre 2003 e 2005, Hadson atuou no futebol ucraniano, defendendo SC Tavriya e Spartak Ivano-Frankivsk.

"Ele passou quase três anos lá e se deu muito bem. Era uma cultura muito diferente e na época não era um destino tão comum para braseiros. Enfrentar o frio não era fácil. Mas meu irmão é um cara que se mistura rápido e tem muita facilidade para se adaptar aos lugares e aprender os idiomas. Ele fala umas quatro línguas!", exaltou.

Na volta ao Brasil, Hadson e Harison treinaram juntos na Ponte Preta, mas o irmão mais velho acabou sendo vendido ao União Leiria, de Portugal, deixando o caçula sozinho em Campinas.

De forma curiosa, porém, eles acabaram se reencontrando no futebol português pouco depois.

"O técnico do Leiria foi demitido no meio da temporada porque o time estava muito mal, e aí contrataram o Jorge Jesus. A gente só tinha um lateral esquerdo, o Damien Tixier, que era francês. Precisavam de outro lateral-esquerdo, e eu falei para o empresário que tinha me levado: 'Se vocês estão precisando de um lateral-esquerdo, pega esse vídeo’. Eu não contei que era meu irmão, só entreguei. Não tinha nome nem nada", revelou.

"Ele mostrou ao Jesus, que gostou e mandou contratar. Eu pedi para não falar que era meu irmão, só iria dizer ao Jesus depois que ele fosse contratado. Meu irmão chegou em Portugal eu não tinha como não falar nada. Os nomes são muito parecidos e o rosto também (risos). Aí eu disse ao Jesus: 'Mister, ele é meu irmão'. E o Jesus respondeu: 'Para mim, não tem problema nenhum. Eu não contratei ele porque é teu irmão, eu o contratei porque é bom jogador'", contou.

Para a família, também foi só alegria.

"Foi muito bacana, porque passamos todos juntos no Ano Novo com os nossos pais. Foi a primeira vez que jogamos juntos na carreira, e foi uma experiência muito boa. O Tixier era titular absoluto, mas meu irmão estava muito bem nos treinos. O Jesus gostava do meu irmão porque nos treinamentos ele trabalhava muito bem. Era um cara muito focado e dedicado, muito intenso jogando. O Jesus gostava disso, e ele não aliviava. Chegava junto e era sempre a mesma coisa", relembrou.

Tanta intensidade, porém, acabava gerando alguns sustos.

"Uma vez, durante um treino, meu irmão estava no time titular, porque o Trixier estava machucado. Ele entrou numa dividida e torceu o joelho. Eu o vi no chão gritando de dor e na hora saí correndo. Cheguei perto e senti uma emoção diferente. Quando é um colega, você sente de uma forma, mas quando é seu irmão é outra coisa. Fiquei com medo de que acontecesse algo", ressaltou.

Quando Jorge Jesus deixou o Leiria para assumir o Belenenses, clube no qual se destacou e que depois o levaria ao Braga, e, na sequência, ao Benfica, Hadson também saiu do clube. Foi atuar no Gondomar, que à época disputava a 2ª divisão lusa, e depois, em 2007, retornou ao futebol brasileiro.

Após passar por equipes como Paysandu e Brasil de Pelotas, Hadson foi para o Bragantino do Pará, atuando ao mesmo tempo como jogador e presidente da equipe. Acabou se aposentando por lá, em 2014, encerrando sua carreira como lateral e meia.

Ainda assim, não se afastou do futebol: segundo Harison, seu irmão fez os cursos de categoria B da CBF e atualmente tem licença para trabalhar como treinador.

DRAMA NA INFÂNCIA

Durante a entrevista, Harison também lembrou um episódio dramático que seu irmão passou durante a infância, que quase o fez perder o movimento das pernas.

"Aos 14 anos, quando ele jogava pelo Paysandu, meu irmão fraturou a bacia num clássico contra a Tuna Luso. O Hadson levou um carrinho por trás e não levantou mais do campo. Mesmo com muita dor, ele ainda voltou de ônibus para casa, mas depois não conseguiu mais se mexer. Meu pai o levou para o hospital ele foi direto para a mesa de cirurgia", lembrou.

"Ele ficou sete meses com a perna pendurada com um gancho com um peso do outro lado. Não foi nada fácil. A gente não sabia se ele iria voltar a andar, ainda mais a jogar futebol... Foi um risco muito grande. Ele teve que colocar um gancho entre a perna e era feito para não encostar o fêmur na bacia", relatou.

"O Hadson demorou muito para voltar a andar. Quando eu em mudei para São Paulo, ele chorou muito, porque éramos muito apegados e nunca tínhamos nos separados. Ele me pediu para ficar. Eu respondi: 'Eu vou agora e você vai depois'", recordou, emocionado.

De acordo com Harison, seu irmão sempre teve que trabalhar muito o físico, pois tinha facilidade em sofrer fraturas. Não à toa, hoje exibe um corpo malhado em suas redes sociais.

"O Hadson era uma pessoa que quebrava muito fácil os ossos. Ele fez tratamento para crescer quando era criança, porque achou que ficaria baixinho. Eu cresci rápido e era muito alto. Hoje, você vê que ele parece um cavalo de tão forte (risos). Mas ele só está assim pelo que sofreu antes", ressaltou.

APOSTA PARA O BBB

Harison contou que só soube na semana passada que seu irmão mais novo iria participar do BBB. Segundo o ex-são-paulino, Hadson terá que usar as artimanhas do tempo de jogador para se dar bem na casa mais vigiada do Brasil.

"Jogadores de futebol convivem com todo tipo de pessoas. Moramos em vários países diferentes e precisamos nos dar bem. Imagina que você é o único estrangeiro em um time e precisa se adaptar rapidamente ao time dos caras. Não pode bater de frente, não existe isso. Tem que saber se enturmar, e ele terá essa facilidade", argumentou.

"O Hadson foi presidente de clube. Isso é algo que não é fácil. Tem que saber dialogar com as pessoas sem invadir os outros. Mas temos amigos de todos os tipos, profissões e de países do mundo. Ele vai saber se enturmar", acrescentou, antes de indicar que Hadson será "arroz de festa" no reality show.

"Meu irmão curte baladas e vai se divertir. É um cara que faz todo mundo rir. Se ele vê que alguém está triste, sempre faz a pessoa dar risada com uma brincadeira. Meu irmão esta aonde ele gostaria de estar. Ele tem essa vibe do que é esse programa. Acho que ele vai se dar muito bem", apontou.

Por fim, Harison espera que a participação de Hadson acabe com alguns preconceitos que existem em torno dos atletas e ex-jogadores de futebol.

"Ele vai representar bem a classe dos jogadores de futebol no BBB. As pessoas muitas vezes criam a imagem de que todos os jogadores de futebol são burros ou ignorantes, mas não somos assim!", finalizou.