<
>

Atlético-MG, bicampeão brasileiro: 50 momentos que marcaram o fim dos 50 anos de jejum

O ESPN.com.br separou cinquenta momentos que marcaram a campanha do Atlético-MG na conquista do Brasileirão de 2021


Acabou a espera: a taça do Campeonato Brasileiro é novamente do Atlético-MG. A equipe de Hulk, Nacho Fernandez, Diego Costa e cia. encerrou em 2021 um jejum que já durava nada menos do que 50 anos no futebol nacional.

O ESPN.com.br separou cinquenta momentos que marcaram a conquista do Galo de Minas Gerais no Brasileirão.

1. O PESO: O Atlético-MG abriu a edição 2021 do Brasileirão com o peso de cinco décadas de jejum na competição. Para, enfim, ver o time bicampeão, a diretoria apostou alto e investiu mais de R$ 100 milhões em contratações para reforçar o elenco que iniciou a competição, segundo relatório financeiro publicado pelo clube.

2. DÍVIDA BILIONÁRIA: No mesmo evento em que anunciou o gasto para montar o elenco, a direção atleticana também detalhou a dívida do clube, que ultrapassava a marca de R$ 1,2 bilhão. O plano é reduzir esse valor para R$ 341 milhões até 2026.

3. ESTREIA FRUSTRANTE: Dentro do Mineirão, o time foi derrotado de virada pelo Fortaleza, por 2 a 1. Mais pressão para o time que começava o Brasileiro como um dos favoritos.

4. UMA BOMBA: Foi com um chute de fora da área de Hulk que o Galo conseguiu a 1ª vitória no Brasileirão. Fora de casa, o time bateu o Sport na segunda rodada. Ali o time ainda era o 9º colocado.

5. HULK x DARONCO: A primeira vitória no Mineirão aconteceu graças a um gol que saiu dos pés de Jair. Mas a partida contra o São Paulo ficou marcada mesmo pelo encontro entre o atacante Hulk e o árbitro Anderson Daronco, ambos fisicamente privilegiados.

6. ENTRADA NO G-4: O Atlético-MG entrou no G-4 do Brasileirão ao vencer o Internacional por 1 a 0 dentro do Beira-Rio, ainda pela 4ª rodada. O gol foi de Nathan.

7. BAIXA DE PESO: Um dos primeiros grandes desafios do Atlético-MG foi jogar sem Nacho Fernandéz, um de seus principais reforços: o meia argentino testou positivo para COVID-19 e precisou seguir protocolo de afastamento previsto pela CBF. Sem ele, viria um dos piores momentos do time na competição...

8. DÚVIDAS: O empate em 1 a 1 diante da Chapecoense, em pleno Mineirão, tirou o time da zona da Libertadores e levantou dúvidas sobre a estabilidade da equipe. Era preciso reagir rápido.

9. 'DESCULPAS': A pressão já era considerável pelo tropeço em casa, mas a derrota para o Ceará no Castelão por 2 a 1 deixou o clima no Atlético-MG ainda mais pesado. E o resultado passou por uma falha do goleiro Everson, que se desculpou com torcedores após o jogo pelo erro.

10. CRISE?: O Galo conheceu o terceiro jogo sem vencer e a segunda derrota seguida no Brasileirão ao cair por 2 a 0 para o Santos de Fernando Diniz, na Vila Belmiro.

11. DEFESA QUESTIONADA: O momento ruim do Atlético passou pelos gols sofridos. Foram cinco em três jogos, algo muito longe dessa que é agora a melhor defesa do campeonato.

12. BAIXAS: Convocado pelo Paraguai para a disputa da Copa América, Junior Alonso fez muita falta ao setor defensivo atleticano neste período. Ele voltou ao elenco em julho. Mas não foi o único que desfalcou o Galo no período: o meio-campista Alan Franco (Equador) e os atacantes Eduardo Vargas (Chile) e Jefferson Savarino (Venezuela) foram outros a testar a força do grupo montado para a temporada. O Atlético, aliás, foi o segundo time brasileiro com mais jogadores na Copa América, ficando só atrás do Flamengo, que cedeu cinco.

13. RITMO DE TANGO: Dois de Nacho, dois de Zaracho. Já com seu meia de volta, o Galo venceu o Atlético-GO por 4 a 1 no Mineirão e colocou fim na sequência de tropeços. Era começo de julho. Foram os dois primeiros gols de Nacho no Brasileirão.

14. OI, SUMIDO: O Atlético voltou ao G-4 na 9ª rodada ao vencer o Cuiabá, fora de casa, com gol solitário de Nacho Fernandez.

15. MARCOU TERRITÓRIO: O Atlético venceu o Flamengo por 2 a 1 no primeiro jogo entre dois dos times apontados como favoritos ao título. Savarino marcou duas vezes no Mineirão.

16. INDEPENDÊNCIA: Jogando no Horto, o Atlético venceu o América com gol de Borrero e colou na liderança do Brasileirão. Era véspera de jogo decisivo contra o Boca pela Libertadores.

17. COLOU: Com dois de Hulk, o Atlético bateu o Corinthians de virada e igualou a pontuação do Palmeiras pela primeira vez na ponta da tabela. Era a caça declarada.

18. PARA DAR MORAL: Perto da ponta no Brasileiro, o Galo viveu um de seus pontos altos na temporada ao eliminar o poderoso Boca Juniors no Mineirão na Conmebol Libertadores, em jogo para lá de emocionante. Éverson, com direito a gol de pênalti, saiu como herói.

19. PARABÉNS PRA VOCÊ: No dia de seu 35º aniversário, Hulk marcou duas vezes na vitória por 3 a 0 do Galo contra o Bahia no Mineirão. O Atlético ainda não era líder, mas estava (forte) na briga.

20. RECORDE: Ao vencer o Athletico-PR por 2 a 0, pela 14ª rodada, o Atlético chegou à 7ª vitória seguida no Brasileirão, igualando a marca de triunfos seguidos atingida em 2012.

21. GAROTO DE OURO: Enquanto se aproximava das primeiras posições do Brasileiro, o Atlético-MG viu Guilherme Arana faturar a medalha de ouro com a seleção olímpica nos Jogos de Tóquio, no Japão.

22. É LÍDER: Foi na 15ª rodada que o Atlético assumiu a liderança do Brasileirão. Vitória fora de casa contra o Juventude e tropeço do Palmeiras diante do Fortaleza. Para dar um sabor ainda mais especial, a liderança não poderia chegar de outra forma para a equipe, não é? De virada, e com um gol do zagueiro Nathan Silva aos 46 do segundo tempo. Lembra um certo 2013?

23. GALO FORTE: Já no topo da Série A, o time de Cuca ganhou nova injeção de ânimo na Libertadores ao ir até a Argentina e vencer o também temido River Plate de Marcelo Gallardo por 1 a 0.

24. AINDA MAIS LÍDER: Quis o destino que logo o jogo seguinte do Atlético fosse logo contra o Palmeiras, valendo a liderança. E no duelo da melhor defesa contra o melhor ataque do Brasileirão, deu Galo. 2 a 0.

25. BRILHA UMA ESTRELA: É jogo contra rival direto? Chama o 'Savaliso'. Depois de marcar duas vezes contra o Flamengo, foi o venezuelano quem fez mais dois contra o Palmeiras e resolveu os dois confrontos de "seis pontos".

26. O 9 CHEGOU: Logo após o fim da partida diante do Palmeiras, o Atlético-MG anunciou que tinha contratado Diego Costa.

27. SHOW: Em partida de reencontro com sua torcida, com parte do Mineirão liberado para o público, o Atlético simplesmente atropelou o River no Mineirão, fazendo 3 a 0 e mostrando toda sua força.

28. LIGEIRO: Pouco tempo depois de ser apresentado, Diego Costa já fez sua estreia. E marcou. Foi no empate em 1 a 1 diante do Red Bull Bragantino, pela 18ª rodada.

29. A 'VINGANÇA': Se o Fortaleza estragou a estreia do Atlético no Brasileirão, o Galo devolveu na volta. Vitória no Castelão na abertura do returno por 2 a 0 e liderança assegurada.

30. SEIS PONTOS: A regularidade do Atlético no campeonato esteve em conseguir pontos contra os times que estão na parte de baixo da tabela. Após a vitória na Ilha, 3 a 0 no Mineirão contra o Sport.

31. MISSÃO CLARA: Mesmo sem tantas vitórias, Cuca seguia com o discurso de 'pontuar sempre'. E foi isso o que conseguiu fazer na série de jogos contra São Paulo, Internacional e Chapecoense, quando o time fez cinco de nove pontos possíveis.

32. O BAQUE: A sequência sem tanto brilho no Brasileirão não foi à toa. Em meio à disputa para se manter na liderança, a eliminação para o Palmeiras na semifinal da Conmebol Libertadores.

33. A REAÇÃO: Foi justamente após a queda na competição internacional que do Atlético disparou rumo ao título do Brasileirão. Desde a eliminação, foram 14 jogos, com apenas duas derrotas, para Atlético-GO e Flamengo.

34. PASSOU: 25 rodadas foram suficientes para Hulk chegar a marca de 10 gols marcados no Brasileirão, na vitória por 3 a 1 sobre o Ceará, quando balançou as redes duas vezes. Assim, ele bateu a marca de Keno, artilheiro do time na Série A em 2020.

35. VIRADA COM V DE VAR: Na 26ª rodada, o Atlético-MG precisou buscar a virada para vencer o Santos, por 3 a 1, no Mineirão. O jogo foi marcado pela atuação do VAR, que analisou quatro lances e marcou dois pênaltis, convertidos, pelo time mineiro.

36. FOCADO: O Galo enfrentou (e venceu) o Cuiabá na partida entre as duas semifinais da Copa do Brasil, contra o Fortaleza. No agregado, o Atlético superou os cearenses por 6 a 1, garantindo vaga na final.

37. CLIMA DE FINAL?: Na 29ª rodada, o Atlético-MG fez esperado jogo contra o Flamengo, no Maracanã. O time rubro-negro encarou o jogo, de fato como uma decisão e venceu por 1 a 0, reassumindo a vice-liderança e ainda tendo dois jogos a menos em relação ao primeiro colocado. O Galo, porém, saiu do Rio ainda liderando com 10 pontos de vantagem.

38. A MASSA: Para se recuperar da derrota para o Flamengo, o Atlético teve, no início de novembro, liberação para comercializar 100% dos ingressos no Mineirão. De casa cheia novamente, o Galo venceu o Grêmio por 2 a 1 diante de 56 mil torcedores.

39. INVICTO: O Atlético não perdeu para o América no clássico mineiro da Série A em 2021. Duas vitórias, ambas por 1 a 0.

40. DUAS CANETAS: O Corinthians não foi páreo para o líder no Mineirão: vitória atleticana por 3 a 0. Mas o jogo ficou marcado mesmo pelo lindo lance de habilidade de Zaracho, que deu simplesmente duas canetas na mesma jogada no volante Gabriel.

41. MAIS UM PASSO: Quando foi a Curitiba visitar o Athletico-PR, o Atlético-MG teve pela frente um rival sem seus titulares, de olho na final da Copa Sul-Americana. O time de Cuca não quis nem saber e aproveitou: vitória por 1 a 0, novamente com destaque para Zaracho, autor do gol.

42. ESMAGADOR: Hulk assumiu a artilharia do Brasileirão ao marcar duas vezes contra o Juventude, chegando ali a 14 gols. Agora já são 17, isolado na ponta.

43. DOMÍNIO: Ao final da 34ª rodada, o Atlético-MG tinha 5 dos 11 jogadores da seleção do prêmio ESPN Bola de Prata Sportingbet: Éverson, Alonso, Arana, Nacho e Hulk, além do técnico Cuca no comando.

44. INDIGESTO: Ao empatar com o Palmeiras em São Paulo, o Atlético-MG garantiu sua melhor campanha como visitante na história do Brasileirão por pontos corridos e com 20 clubes. Até ali eram oito vitórias em 17 partidas, com cinco empates e quatro derrotas.

45. AVASSALADOR: A campanha de 2021 do Atlético-MG já detém o recorde de vitórias seguidas do clube como mandante na competição. São 15 triunfos consecutivos, marca alcançada ao bater o Fluminense, na 36ª rodada.

46. FALTA POUCO: Mais do que o recorde, a vitória sobre o time carioca deixou o Atlético-MG precisando apenas de dois pontos, ou um tropeço do Flamengo, para ser campeão.

47. QUASE: Na última terça-feira, o Atlético-MG poderia ter sido campeão sem jogar e até sentiu o sabor por alguns minutos enquanto Flamengo e Ceará empatavam no Maracanã. No fim, a vitória rubro-negra por 2 a 1 adiou a comemoração.

48. É CAMPEÃO!: Na primeira chance que teve, no entanto, de garantir o título dentro de campo, o Galo não desperdiçou. Vitória por 3 a 2 contra o Bahia, com direito a virada história após sair atrás com 2 a 0. Enfim, o bicampeonato brasileiro, depois de 50 anos.

49. REFORÇO NOS COFRES: Se começou o ano preocupado com as finanças, o Atlético também tem um "alívio" no dinheiro com o prêmio do Brasileirão: são R$ 33 milhões pagos pela CBF ao campeão.

50. A FESTA: A comemoração diante de sua torcida, com o recebimento do tão aguardado troféu, porém, acontecerá neste próximo domingo, contra o Red Bull Bragantino.