<
>

'Briguei com o Messi': ex-Santos lembra sinceridade de Sampaoli ao dizer o que deu errado na Copa de 2018

play
Luan Peres revela que foi 'pego de surpresa' por proposta do Olympique de Marselha: 'Eu não esperava' (1:03)

Zagueiro falou em entrevista exclusiva ao ESPN.com.br; CLIQUE AQUI e assista AO VIVO ao melhor do Campeonato Francês pela ESPN no Star+ (1:03)

Jorge Sampaoli teve uma passagem turbulenta pela seleção argentina na Copa do Mundo de 2018, na Rússia


Conhecido pela personalidade explosiva, Jorge Sampaoli comanda o Olympique de Marselha, que enfrentará o Galatasaray pela Europa League, nesta quinta-feira (25), às 14h45 (de Brasília), com transmissão pela ESPN no Star+.

Antes de desembarcar na França e do período em que trabalhou no Brasil, o técnico viveu uma fase turbulenta a frente da Argentina entre 2017 e 2018. Durante a Copa do Mundo da Rússia, ele teve problemas com vários jogadores, de Lionel Messi, como confidenciou um ex-colega, a Di María - que ficou revoltado ao ser sacado do time sem maiores explicações durante o Mundial.

Uma cena emblemática do caos vivido pela Argentina de Sampaoli foi a imagem que viralizou na Rússia, do volante Javier Mascherano em conversa com o treinador, com uma prancheta. Veículos de imprensa do país sul-americano noticiaram que, em crise com o técnico, foram os jogadores que passaram a escalar a equipe.

Com esse barril de pólvora, a Albiceleste quase não passou da fase de grupos e depois caiu nas oitavas de final para a França.

Em entrevista ao ESPN.com.br, o técnico Márcio Zanardi, que trabalhou com o argentino no Santos em 2019, contou detalhes do que ouviu do próprio Sampaoli e da comissão técnica sobre a confusão.

"Em uma conversa eu perguntei o que aconteceu na Copa do Mundo. O auxiliar me disse: ‘Ele brigou com o nosso melhor jogador, e por isso perdemos’. O Sampaoli também me disse: 'Briguei com o Messi’ (risos). Ele tinha uma personalidade muito forte. Às vezes, ele perdia um pouco o grupo por aquela loucura dele de ser tão exigente", disse o treinador, atualmente no São Bernardo.

O brasileiro, que comandava o time sub-20 santista à época, conta que o treinador vivia o clube: chegava ao Centro de Treinamentos por volta das 7h e só ia embora às 22h.

"Ele ia na academia, na análise de desempenho e ficava vendo jogos até tarde. Era o tempo todo a 200 quilômetros por hora. É um cara que é aquilo ali. Não é um teatro ou marketing. Ele conversa contigo e logo em seguida passa por você e não olha na tua cara porque está pensando em 10 coisas lá na frente. Quem não está acostumado acha que ele é um cara arrogante ou difícil. Mas foi uma experiência única, não teve preço ficar com ele por um ano e dois meses lá. Aprendi demais", elogiou.

Zanardi conta que levou algumas práticas do treinador argentino para o seu dia a dia.

"A gente consegue montar treinos muito intensos e com volume menor. São treinos de 80 minutos divididos em quatro momentos. O Sampaoli dizia que se os jogadores brasileiros mudassem o comportamento, como saber jogar sem a bola, seriam os melhores do mundo".

"O Sampaoli era extremamente fora do eixo. Mas era um cara que gostava muito jogo do perde e pressiona o tempo todo e não deixava os adversários respirarem. No Santos, ele só perdeu o Brasileiro - com um time que não era tido como favorito - para o Flamengo".

Da base para o São Bernardo

Irmão do também treinador Caio Zanardi, Márcio trabalhou por muitos anos nas categorias de base do Corinthians, sendo campeão mundial sub-17 e faturando a Copa São Paulo (como auxiliar) em 2012. Também passou por Santos e Guarani antes de chegar ao time sub-20 do São Bernardo.

Neste ano, viveu a sua primeira experiência como treinador no profissional após assumir a equipe principal do São Bernardo FC durante a disputa da Copa Paulista e ser campeão. Agora, ele irá comandar o time do ABC na Série A1 do Paulistão.

“Estava esperando a oportunidade e estou há 15 anos no futebol. Me preparo desde sempre para isso e estou abrindo o mercado e precisamos de resultado para nos sustentar. Tenho conhecimento vivencia de pessoas. Vivo meu dia a dia e os resultados precisam aparecer. Si da minha responsabilidade”, finalizou.