<
>

Flamengo e Palmeiras no Estádio Centenário: uniformes perdidos, invasão rival e batalhas campais

play
Dudu e Rony ou Bruno Henrique e Gabigol: Qual é a melhor dupla de ataque da final da Libertadores? (4:56)

Palmeiras e Flamengo fazem a grande final da Libertadores no próximo sábado (27) | Assista a Palmeiras x Flamengo AO VIVO no FOX Sports e também pela ESPN no Star+ (4:56)

Centenário, mítico estádio da cidade de Montevidéu, recebeu o Palmeiras em duas finais de Libertadores (1961 e 1968) e o Flamengo em outra (1981). Alviverde perdeu ambas, mas time rubro-negro foi campeão


Sede da primeira final de Copa do Mundo, em 1930, e de inúmeros jogos importantes desde então, o Estádio Centenário também está na história de Palmeiras e Flamengo muito antes da decisão da Conmebol Libertadores de sábado (27), às 17h (de Brasília), com transmissão ao vivo pelo FOX Sports e pela ESPN no Star+.

Ambos os times já estiveram no mítico estádio de Montevidéu para disputar um título da Libertadores. A história é muito mais doce para o Flamengo, que saiu do Uruguai campeão em 1981, do que para o Palmeiras, vice duas vezes, em 1961 e 1968.

O Palmeiras de 1961, aliás, foi o primeiro clube brasileiro a decidir a Libertadores, antes mesmo do Santos de Pelé, que seria o campeão em 1962/63. Estrelado por Djalma Santos e Julinho Botelho, o Alviverde passou pelo Independiente (ARG) e pelo Santa Fé (COL) antes de encarar o Peñarol (URU) na final.

No Centenário, derrota por 1 a 0, a única da equipe palmeirense em toda a campanha, o que obrigou a equipe de Armando Renganeschi a vencer em São Paulo. Só que o empate por 1 a 1 deu o segundo título consecutivo aos uruguaios.

Sete anos depois, o Palmeiras teve nova chance de sair do Uruguai campeão. A equipe brasileira passou por duas fases de grupo até reencontrar o Peñarol na semifinal de 1968. Dessa vez, classificação palestrina: 1 a 0 em São Paulo e 2 a 1 em Montevidéu, resultados que carimbaram a vaga na decisão contra o Estudiantes.

O time de La Plata, liderado por Juan Verón (pai do meia argentino que faria sucesso nos anos 1990 e 2000), venceu a primeira em casa por 2 a 1. O Palmeiras deu o troco no Pacaembu, com triunfo por 3 a 1, dois gols de Tupãzinho. Até que o Centenário voltou à vida alviverde.

O estádio uruguaio foi escolhido como sede neutra para para o decisivo jogo entre brasileiros e argentinos. Com invasão de torcedores hermanos nas arquibancadas e um jogo dos mais brutos em campo, o Estudiantes fez 2 a 0 sobre a equipe de Dudu e Ademir da Guia e ganhou o primeiro de seus três títulos seguidos.

Após o Palmeiras, Cruzeiro (1977) e Internacional (1980) foram à capital do Uruguai e voltaram sem o título. A "maldição" foi quebrada no ano seguinte, justamente pelo Flamengo, na época com craques como Leandro, Júnior, Andrade, Adílio e, claro, Zico.

Vitória rubro-negra por 2 a 1, no Maracanã, e derrota por 1 a 0, em Santiago, obrigaram um jogo extra entre Flamengo e Cobreloa, para definir o campeão sul-americano de 1981. A partida seria em 23 de novembro, semanas antes inclusive da decisão do Mundial Interclubes, no Japão.

Antes de chegar ao Uruguai, o Flamengo passou por um susto, já que todos os uniformes de jogo ficaram em uma mala extraviada. Os dirigentes tiveram que importar do Brasil novas camisas para que a partida acontecesse.

play
2:13

Facincani elabora 'tese maluca' para a final da Libertadores: 'Se for para os pênaltis, o outro volta a ser favorito'

Assista a Palmeiras x Flamengo AO VIVO no FOX Sports e também pela ESPN no Star+

Em campo, brilhou a estrela de Zico. Aos 17 minutos do primeiro tempo, o Galinho recebeu de Andrade e, de primeira, abriu o placar com um belo chute no canto esquerdo. A partida, então, ganhou contornos de batalha, com entradas duras e expulsões. Armando Alarcón, do Cobreloa, foi expulso primeiro, seguido de Andrade, em revide após falta sofrida por Júnior.

No segundo tempo, o Flamengo segurou a pressão dos chilenos e ampliou o marcador em cobrança de falta magistral de Zico, aos 31 minutos.

Com o título encaminhado, Paulo César Carpegiani colocou Anselmo em campo, com a missão de revidar os pontapés dos chilenos. Dito e feito: no primeiro lance, uma pancada em Mario Soto e o cartão vermelho. O próprio Soto e mais Eduardo Jiménez ainda seriam expulsos antes do fim.

De lá para cá, Grêmio, em 1983, e Santos, em 2011, voltaram ao Centenário em uma final de Libertadores, mas nunca no jogo decisivo. Ambos foram campeões, seguindo a história do Flamengo. Agora, anos depois, o Brasil vai ao maior estádio do Uruguai como protagonista da final. Quem levará a melhor?