<
>

Onde foi parar camisa de Ronaldo Fenômeno em gol histórico pelo Barcelona? Conheça a curiosa história

Fabiano Soares era meia do Compostela e ganhou a camisa de Ronaldo Fenômenos após a partida


Há 25 anos, quando jogava pelo Barcelona, Ronaldo Fenômeno marcou contra o Compostela o gol mais espetacular de sua carreira. No estádio Multiusos de San Lázaro, o brasileiro deu 14 toques na bola em 12 segundos, deixou cinco adversários para trás e sofreu várias faltas antes de finalizar no canto direito do goleiro Fernando Peralta. O próprio craque elegeu o gol como o mais bonito de sua carreira.

Os jogos do Barça em LaLiga têm transmissão pela ESPN no Star+.

A jogada repercutiu pelo mundo todo. Fabiano Soares foi um espectador privilegiado. O brasileiro era meia do Compostela e se lembra com detalhes do lance ocorrido em 12 de outubro de 1996.

"Ele ainda estava magro e não tinha os problemas no joelho. Era o melhor jogador do mundo disparado. Fiquei com raiva na hora porque perdemos de goleada. Ficamos muito conhecidos por esse gol, mas foi um lance espetacular", admite, ao ESPN.com.br.

O brasileiro conta que o técnico do Compostela, Fernando Vázquez não queria que a bola chegasse em Ronaldo.

"O treinador era audacioso e disse: 'Eu quero a defesa adiantada e nós vamos pressionar o Barcelona no campo deles. E vamos roubar a bola lá e ganhar deles'. O problema é que quando a bola chegava no Guardiola e no Stoichkov eram só toques de primeira. Não conseguíamos desarmá-los", contou.

Isolado na frente, Ronaldo resolveu ir até o campo de defesa para buscar o jogo e utilizar sua incrível velocidade, arranque e habilidade. Fabiano estava perto da área adversária quando o lance começou.

"Ele driblou uns nove jogadores do nosso time. Aí, nem no PlayStation a gente tinha como pará-lo (risos)", admitiu.

"O Saïd Chiba, que era um marroquino do nosso time, tentou segurar o Ronaldo pela camisa. Ele pensou que ia levar um amarelo e alguém ia conseguir parar a jogada. Depois, ele me disse: ‘Ah, como tem oito jogadores lá atrás eu soltei. Esse foi meu erro’. Mas não foi assim que aconteceu (risos)", explicou.

A reação do técnico inglês Bobby Robson, que saltou incrédulo com as mãos na cabeça, ficou famosa. O então auxiliar, José Mourinho, assim como Pep Guardiola, capitão do Barça, também foram comemorar com o Fenômeno.

Depois do jogo válido pela 7ª rodada de LaLiga, Fabiano ficou muito bravo pela goleada por 5 a 1, mas conseguiu pegar a camisa do Ronaldo antes de ir embora do estádio. Ao chegar no prédio onde morava, ele estacionou o carro na garagem e pegou o elevador, que simplesmente parou de funcionar no meio do caminho.

"Eu fiquei preso entre a garagem e o primeiro andar. Como o estacionamento ficava um shopping, ninguém me escutava gritar. A minha sorte é que eu já tinha um celular naquela época, que estava com a bateria fraquíssima. Eu liguei para um amigo chamado Juan, que chamou o segurança que conseguiu abaixar o elevador e me tirar de lá", recordou.

O meia ficou tão sem graça com a situação que ao ser solto não pensou duas vezes. Olhou para o objeto que segurava nas mãos e o entregou para o amigo, que tinha um filho torcedor fanático pelo Barcelona, como forma de agradecimento.

"Eu disse: ‘Toma a camisa que o Ronaldo me deu para você’. O garoto ficou todo feliz, mas a mãe dele ficou brava porque o Ronaldo limpou a sujeira do nariz nela. Ela queria lavá-la, mas o garoto ficou tão emocionado que só deixou para secar do suor e não quis lavar", contou o brasileiro. "Ou seja, tomei de cinco, fiquei preso no elevador e não fiquei com a camisa (risos)", explicou.

Apesar da bronca na hora do jogo, a história passou a ser tratada com bom humor no Compostela.

"Depois que passou um tempo, a gente brincava: 'Chiba, maldita hora que você foi largar o homem!' Olha o drible que o Ronaldo te deu, comigo ele não dava'. O Ronaldo era imparável naquela época! Era um espetáculo vê-lo jogar", admitiu.

Em apenas uma temporada no Barça, Ronaldo marcou 47 gols em 49 jogos.

* Reportagem original publicada em 20 de janeiro de 2020