<
>

Walter Feldman é demitido por Coronel Nunes e deixa cargo de secretário-geral da CBF após seis anos

play
Com Daniel Alves, André Jardine convoca seleção brasileira para a disputa da Olimpíada de Tóquio (1:29)

O zagueiro Diego Carlos, do Sevilla, e o goleiro Santos, do Athletico-PR, também aparecem na lista para os Jogos Olímpicos (1:29)

Secretário-geral da CBF, Walter Feldman foi demitido nesta quinta-feira (17) pelo presidente em exercício da entidade, o Coronel Nunes. O executivo ocupava o segundo principal cargo da confederação. Eduardo Zebini, atual diretor de mídia, assumirá de forma interina.

Feldman já vinha balançando desde a saída de Rogério Caboclo, afastado da presidência no último dia 6 de junho após ser acusado por uma funcionária de assédio moral e sexual.

A decisão de demitir o secretário-geral foi tomada por Coronel Nunes com a devida aprovação de Marco Polo Del Nero, ex-presidente da CBF banido pela Fifa, que segue demonstrando poder nos bastidores. Nunes não aprovava a postura política de Feldman.

Sem qualquer sinal de demissão, Feldman tocava normalmente seu expediente nesta quinta-feira. No início da tarde, foi chamado pelo vice-presidente jurídico da CBF, Carlos Eugênio Lopes, e comunicado da decisão da presidência. Walter saiu da sala, se dirigiu ao RH e iniciou os trâmites para selar sua demissão.

Abatido com a saída oficializada, se dirigiu até a sala da presidência, se despediu de Coronel Nunes, que não queria vê-lo, e foi ao encontro de vice-presidente e diretores para um último adeus. Sem demora, recolheu suas coisas, deixou o prédio da entidade, na Barra da Tijuca, e se dirigiu ao aeroporto Santos Dumont. De lá, pegou um avião e foi para São Paulo ficar com os familiares.

Em breve contato com o ESPN.com.br, não escondeu a surpresa com o fato e preferiu não comentar nada no momento.

O agora ex-secretário-geral viu seu prestígio interno diminuir drasticamente após a saída de Rogério Caboclo. Nos últimos momentos do presidente afastado no poder, Feldman chegou a romper com o então mandatário. Caboclo se revoltou quando Walter o aconselhou a se licenciar do cargo em meio ao escândalo da denúncia de assédio sexual.

Como a comissão de ética foi mais rápida e afastou Rogério, a decisão não prosperou naquele momento.

Feldman também não vinha gozando de prestígio junto aos clubes da Série A. O então secretário-geral era acusado de, assim como Caboclo, só pensar nas federações e não dialogar politicamente no tom desejado pelos presidentes de times.

Walter Feldman assumiu o cargo em 2015. Antes, ele tinha construído carreira na política, como vereador, deputado e coordenador de campanha à presidência de Marina Silva em 2014.

Ainda nesta quinta-feira, a CBF confirmou a saída do Secretário-Geral.

Leia a nota oficial publicada pela confederação:

Eduardo Zebini é o novo Secretário-Geral da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Ele foi nomeado nesta quinta-feira (17), em substituição a Walter Feldman, que deixa a entidade. A CBF agradece a Feldman pelos relevantes serviços prestados ao longo dos últimos seis anos.

Experiente profissional de comunicação, Zebini assumiu em abril de 2020 a Diretoria de Mídia da CBF, cargo que acumulará temporariamente com a Secretaria Geral.