<
>

Técnico do Chelsea, Tuchel abre o jogo sobre briga de companheiros em treino e admite: 'Foi séria'

play
Diakhaby se pronuncia sobre caso de racismo, cobra medidas da federação e detalha o que ouviu em campo (2:18)

Zagueiro do Valencia foi alvo de injúria racial na partida entre Valência e Cádiz, no último domingo (4), pelo Campeonato Espanhol (2:18)

O técnico do Chelsea, Thomas Tuchel, disse que uma briga no treino entre o zagueiro Antonio Rüdiger e o goleiro Kepa Arrizabalaga foi "séria", mas nenhum dos jogadores será punido pela forma como resolveram o incidente.

Apenas 24 horas depois de o Chelsea ter sido goleado por 5 a 2 em casa pelo West Bromwich, ameaçado pelo rebaixamento na Premier League, Rüdiger foi expulso do treino da manhã de domingo (4), após chegar atrasado numa entrada em Kepa, durante o coletivo, gerando algumas consequências entre os dois. Tanto é que tiveram que ser separados pelos companheiros de equipe.

Fontes confirmaram à ESPN que Rüdiger se desculpou por conta própria, logo após o fim do treino, e essa reação parece ter garantido de que ele escaparia de qualquer sanção. Ele deve começar como titular nas quartas de final da Champions League, nesta uarta-feira (7), no jogo de ida contra o Porto, que será disputado em Sevilha, na Espanha, por conta da COVID-19.

"Não me entenda mal, foi sério", disse Tuchel, em entrevista coletiva. "Às vezes você tem pequenas situações em que talvez desvie o olhar, deixe que eles resolvam as coisas sozinhos. Este não era o caso".

“Precisávamos interferir na situação, então a situação era séria, mas como os próprios atletas lidaram com a situação também foi impressionante e mostrou muito caráter. Há coisas que não queremos aceitar e normalmente são incomuns, mas podem acontecer em coletivos, em pequenos grupos. São todos competidores e querem vencer partidas no treino".

“As coisas esquentaram muito e a reação não foi boa. Mas a reação a isso, como os caras lidaram com a situação, especialmente Toni e Kepa foi incrível e mostrou quanto respeito eles tinham um pelo outro porque eles resolveram tudo diretamente. Limpou o ar imediatamente. Isso foi o mais importante, então não ficou nada para o dia seguinte. Falamos sobre o problema e, em seguida, foi resolvido".

Questionado diretamente se algum dos jogadores seria sancionado, Tuchel disse: "Nenhuma punição até agora por causa da forma como lidaram com a situação. A reação como uma reação imediata. Eles deixaram claro para todos o que aconteceu".

"Toni resolveu diretamente, o que também foi absolutamente necessário. Foi uma coisa forte e corajosa a se fazer. Foi a única coisa certa a fazer, para limpar o ar imediatamente. Continuamos e deixamos nosso ponto claro, do clube e o meu, que estamos felizes com a forma como lidaram com isso, mas essas são coisas que não podemos aceitar, mas para esta situação não há mais punições."

Tuchel também abordou as preocupações de que detalhes de seu debrief pós-partida contra o West Brom também tenham vazado.

play
2:18

Diakhaby se pronuncia sobre caso de racismo, cobra medidas da federação e detalha o que ouviu em campo

Zagueiro do Valencia foi alvo de injúria racial na partida entre Valência e Cádiz, no último domingo (4), pelo Campeonato Espanhol

"Que vaze, eu me acostumo", disse ele. “Existem muitas maneiras de onde as informações podem ser divulgadas. Ouvi dizer que até algumas das minhas informações sobre a partida vazaram. Ok, isso não é legal".

"A informação que dou agora sobre o incidente não são os detalhes completos, porque acredito que os detalhes precisam ficar em Cobham e no vestiário".

"Se fizermos reuniões, falamos absolutamente em sigilo e tem que ficar na sala de reuniões. Hoje em dia, as coisas podem vazar. Não é como queríamos, mas não é grande coisa que eu comece agora a cavar para descobrir é que vazou. Você pode ficar totalmente perdido nisso e perder meu foco. Não sou muito presente nas redes sociais. Sei do que falamos aqui, não quero perder minha confiança no grupo, então aceito", finazliou.