<
>

'Bolada' à vista e o resto a prazo: Veja os detalhes da proposta do Al-Hilal ao Santos por Soteldo

play
Com a provável saída de Soteldo, João Guilherme aponta motivo pelo qual torcida do Santos está 'furiosa' (0:22)

Venezuelano está a caminho do Al-Hilal por quase R$ 40 milhões (0:22)

O Santos aceitou uma proposta de US$ 7 milhões (R$ 39,54 milhões) do Al-Hilal, da Arábia Saudita, por 100% dos direitos econômicos de Yeferson Soteldo.

O pagamento seria feito em três partes: US$ 5 milhões (R$ 28,24 milhões) à vista, US$ 1 milhão (R$ 5,65 milhões) em 15 de julho de 2021 e US$ 1 milhão em 15 de outubro de 2021.

O Al-Hilal ainda aceitou ceder 30% sobre a mais valia. Ou seja, o Peixe receberia uma parte do excedente de uma venda futura do venezuelano.

Se a oferta aceita pelos árabes for de US$ 8 milhões (R$ 45,2 milhões), por exemplo, o Alvinegro ganharia 30% de US$ 1 milhão (US$ 300 mil) - a diferença do que topou vender.

A proposta do Al-Hilal foi encaminhada ao Conselho Fiscal na última quinta-feira. E o órgão deu parecer positivo à venda.

Os conselheiros se reunirão para aprovar ou não a negociação em reunião virtual na próxima quarta. Se a maioria dos santistas disser "não", a transação pode ser desfeita.

O técnico Cuca anunciou a saída de Soteldo na noite deste sábado, antes da partida contra o Coritiba, no Couto Pereira.

"Não é que pode ser o último jogo do Soteldo. É o último jogo do Soteldo. Fizemos a preleção em cima disso. Jogador foi muito importante para nós e vai seguir a vida dele por termos financeiros. Temos que entender", declarou o treinador, em entrevista na transmissão da TNT.

A saída, porém, ainda não está concretizada. O camisa 10 não gostaria de sair do Brasil a não ser para a Europa, mas o Al-Hilal oferece muito dinheiro.

De acordo com a apuração da Gazeta Esportiva, o time saudita sugeriu US$ 2 milhões (R$ 11,3 milhões) por ano, quase R$ 1 milhão por mês. Há ainda uma comissão de US$ 2 milhões.

Imbróglio com o Huachipato

O Santos tem 100% dos direitos econômicos de Soteldo, mas não pagou um real sequer por eles ao Huachipato do Chile. O caso está na Fifa e no TAS (Tribunal Arbitral do Esporte).

O Peixe prometeu adquirir 50% dos direitos em 2019 por US$ 3 milhões (R$ 16,95 milhões). Quando o Atlético-MG fez proposta neste ano, o Alvinegro se comprometeu a pagar os 50% atrasados mais os demais 50% por US$ 6 milhões (R$ 33,9 milhões). O total, com juros e correção, está em quase US$ 12 milhões (R$ 67,8 milhões).

A Fifa, porém, só deu causa ao Huachipato na primeira dívida, de US$ 3 milhões do ano passado. O valor desse débito, com multa e juros, está em quase R$ 20 milhões.

O Santos busca acordo com o clube chileno. Não houve avanço após um primeiro contato oficial entre as diretorias por meio de videoconferência.

Se pagar R$ 20 milhões ao Huachipato e R$ 5 milhões ao Atlético Nacional, da Colômbia, por Felipe Aguilar, o Santos acabaria com as duas pendências atuais na Fifa e estaria liberado novamente para inscrever jogadores.

O Huachipato, em contrapartida, está otimista por vitória nos próximos dias no TAS para forçar o Santos a pagar toda a dívida.