<
>

Zinho cobra Tite por renovação, vê Brasil escasso de protagonista e alerta para 2022: '20 anos sem Copa'

play
Zinho diz que Brasil não é favorito para a Copa e alerta: 'São 20 anos sem título' (3:37)

No Mundial de 2018, a seleção brasileira de Tite acabou eliminada pela Bélgica de Hazard, Lukaku e De Bruyne (3:37)

A seleção brasileira vai iniciar a saga nas eliminatórias sul-americanas, nesta sexta-feira, às 21h30, contra a Bolívia, na Neo Química Arena. Comandante da equipe na última Copa do Mundo, Tite vai ser o responsável pelo ciclo que chegará ao Mundial do Catar com um jejum de 20 anos sem conquistar a competição mais importante de seleções do mundo.

Para falar mais sobre eliminatórias e seleção, o ESPN.com.br bateu um papo com o comentarista Zinho, dos canais Disney e tetracampeão com o Brasil na Copa do Mundo de 1994, nos Estados Unidos. O ídolo de Palmeiras, Grêmio e Flamengo admitiu que não vê a Amarelinha como favorita para levar a Copa, afirmou que a ausência de protagonistas no futebol mundial prejudica o trabalho de Tite e clamou por uma renovação no elenco.

“A continuidade do Tite passa pela competência dele, pela organização, da direção da CBF acreditar no trabalho. Acho o Tite competente, faz o trabalho com uma base na Seleção. A diretoria da CBF acredita nisso, na manutenção do trabalho, de formar grupo, administrar, de estilo de jogo. Passa pela qualidade de jogadores, temos matéria-prima, mas tirando o Neymar, os outros são bons jogadores. Vai depender do trabalho do Tite, de bons resultados, trazer confiança”, afirmou Zinho.

“No momento, o Brasil não é favorito para a Copa do Mundo. O Tite tem que fazer renovação, aproveitar jogadores mais jovens, ir escolhendo, montando estratégia de jogo. Não está fácil, mas confio no Tite. Mesmo com a escassez, ainda tem jogadores bons. Dá para formar um bom time para tentar buscar mais uma Copa. Volto a dizer, não é a favorita, mas tem tempo para se firmar, organizar. Em 2022 vai completar 20 anos sem títulos. A última foi em 2002”, completou.

play
4:04

Zinho vê carência de bons jogadores brasileiros e diz: 'Só o Alisson é protagonista na Europa'

'Tem jogador que é convocado que nem titular em seu time é, como Vincius Jr. e Coutinho', citou o ex-jogador

Zinho relembrou a época em que jogava, entre o fim dos anos 80 e o início do atual século. Para o ex-meia, a disputa antigamente era muito maior do que atualmente, quando atletas que mesmo passando por uma fase ruim seguem sendo lembrados a cada convocação.

“Hoje a qualidade é menor, sem dúvida. Um jogador estar na Europa é mais fácil ir para Seleção do que jogando no Brasil. O futebol brasileiro nem nível abaixo, jogos são doídos de assistir, vejo pelo meu trabalho. Mas a minha opinião é de que o nível é baixo. Antigamente você tinha que ser titular do seu time e jogar bem. Hoje não tem concorrência. Atualmente, você contesta a convocação do jogador que não está bem. No cenário mundial, nenhum jogador brasileiro é protagonista dos times. Neymar começou a ser, mas não era, era o Mbappé. Não consegue ser o melhor jogador da Europa. O Alisson é protagonista, melhor goleiro do mundo”, disse Zinho, destacando alguns nomes que precisam se sequência no Brasil.

“Gosto do Renan Lodi, é uma renovação, é novo. Acho que o Marcelo encerrou a passagem a princípio na opinião do Tite. Gosto do Alex Sandro. Existe uma carência na lateral-direita. Ele continua convocando o Daniel Alves, agora convocou o Gabriel Menino para jogar na lateral. O Tite pelo jeito não pensa no Militão na lateral, seria uma opção para fazer um teste, pela estatura, força física, poderia ser uma opção. Acho uma carência maior”

play
3:59

Zinho diz que Tite precisa renovar a seleção e cobra união: 'Tem que encaixar, Copa não é fácil'

O ex-jogador falou sobre a matéria-prima do futebol brasileiro, comentou sobre a pressão por bons resultados na equipe de Tite e disse que, no momento, o Brasil 'não é favorito na Copa'

“Gosto do Everton Cebolinha, continuando acreditando no Neymar, maduro e focado, exerça a liderança, jogando para o time, obedecendo a parte tática, pode ser o diferente da Seleção. Temos bons jogadores”, finalizou.