<
>

LaLiga 2020-21: veja guia completo com detalhes dos times, probabilidades e os brasileiros

LaLiga está de volta neste fim de semana! E com Lionel Messi.

Com uma paralisação curta (de 55 dias) entre uma edição e outra por conta do impacto da pandemia do coronavírus, o Campeonato Espanhol viu o período entre uma edição e outra ser impactado pela não-saída do astro do Barcelona.

De qualquer forma, a permanência do camisa 10 não significa que não tenha havido uma reformulação em um Barcelona em crise. Ronald Koeman chegou para reestruturar um Barça que ficou sem títulos 2019-20.

O desafio será destronar o campeão Real Madrid, que, embora não tenha encantado, demonstrou uma eficiência impressionante após a paralisação, vencendo seus dez primeiros jogos na competição, antes de empatar na rodada derradeira, quando já tinha o título em mãos.

Com Karim Benzema e Sergio Ramos como protagonistas, Zinedine Zidane aposta na mesma base e espera contar com Eden Hazard assumindo um papel de maior destaque.

Sem Barça e Real viverem seus melhores momentos, esta pode ser a chance de o Atlético de Madrid brigar pela taça? Os Colchoneros ficaram com a taça pela última vez em 2014.

Outro time de destaque é o Sevilla, que conquistou mais uma vez o título da Liga Europa logo na primeira temporada de Julen Lopetegui como técnico e com uma equipe com muitas peças que tinham acabado de chegar. Mais entrosado, será que esse time conseguirá voos maiores?

Confira abaixo o guia do Campeonato Espanhol 20-21!

Veja análise e vote no campeão


Contratações mais caras de 20-21


Maiores valores de mercado

Primeira rodada

Sábado (12/9)

  • 11h - Eibar x Celta de Vigo

  • 13h30 - Granada x Athletic Bilbao

  • 16h - Cádiz x Osasuna

Domingo (13/9)

  • 9h - Alavés x Betis

  • 11h - Valladolid x Real Sociedad

  • 13h30 - Villarreal x Huesca

  • 16h - Valencia x Levante

Jogos adiados: Barcelona x Elche, Real Madrid x Getafe e Atlético de Madrid x Sevilla


Os 21 brasileiros

Real Madrid: 5 jogadores

Marcelo e Casemiro já estão entre os grandes ídolos da história do clube e seguem com prestígio no time atual, sobretudo o volante. Éder Militão vai para a sua segunda temporada e tentará ter mais tempo em campo, ainda que permaneça como reserva da dupla formada por Varane e Sergio Ramos. Os jovens Vinicius Jr. e Rodrygo farão sua terceira e segunda campanha pelos merengues, respectivamente, com prestígio, amadurecendo cada vez mais e buscando um espaço maior.

Barcelona: 4 jogadores

O goleiro Neto é o reserva de Ter Stegen, enquanto os meio-campistas Matheus Fernandes e Rafinha retornam de empréstimo de Valladolid e Celta de Vigo, respectivamente. O primeiro chegou recentemente do Palmeiras e só somou três partidas na Espanha, enquanto o segundo já passou pela Inter de Milão e atuava constantemente no Celta. Por fim, Philippe Coutinho volta após ganhar a tríplice coroa com o Bayern de Munique com a expectativa de um renascimento na Catalunha.

Alavés: 2 jogadores

Desde 2017 no elenco, o zagueiro Rodrigo Ely foi titular na maior parte dos jogos do último Espanhol. Já o atacante Deyverson retorna ao clube pelo qual somou 37 jogos e sete gols em 2016-17. Depois de uma breve passagem pelo Getafe no primeiro semestre, ele volta ao Alavés, sendo emprestado pelo Palmeiras.

Atlético de Madrid: 2 jogadores

Felipe e Renan Lodi chegaram na última temporada e viraram peças importantes no elenco de Diego Simeone. O zagueiro ainda tem maior concorrência, enquanto o lateral-esquerdo é o dono da posição.

Betis: 2 jogadores

O zagueiro Sidnei alternou-se entre a titularidade, o banco e as lesões em sua segunda temporada pelo clube. Já o lateral-direito Emerson Royal, que foi contratado em conjunto com o Barcelona, é titular absoluto e teve boa participação no Espanhol passado, com três gols e seis assistências.

Sevilla: 2 jogadores

Reforços que chegaram no meio de 2019, Diego Carlos e Fernando se estabeleceram como titulares e destaques da equipe, sobretudo o zagueiro, que já foi monitorado pela seleção brasileira e entrou para o time ideal de LaLiga 2019-20 do jornal Marca.

Granada: 1 jogador

O meia Kenedy vai para seu quarto empréstimo diferente desde que foi contratado pelo Chelsea em 2015. Na última campanha, ele defendeu o Getafe e disputou um total de 27 partidas, sendo titular em sete delas. Agora, o ex-jogador do Fluminense foi cedido ao Granada, sensação em 2019-20 e que irá disputar a Liga Europa.

Real Sociedad: 1 jogador

O atacante Willian José vai para sua quinta temporada pelo clube basco, pelo qual fez 11 gols em 37 partidas (24 como titular) na última edição de LaLiga. No período, ele chegou a ser apontado como possível reforço de Barcelona e Tottenham e fechou 2019-20 alternando banco e titularidade.

Valencia: 1 jogador

O zagueiro Gabriel Paulista é titular desde que chegou no time, no meio de 2017, e deve ter uma importância ainda maior, tendo em vista a saída de alguns dos principais nomes do elenco.

Valladolid: 1 jogador

O atacante Marcos André, de 23 anos, chegou ao clube no meio de 2019 e foi emprestado ao Mirandés, tendo sido titular pela equipe na segunda divisão, competição em que marcou 12 gols.

Alavés

Após o título da segunda divisão em 2015-16, o clube foi nono, 14º, 11ª e, por fim, 16º na última edição da elite. A equipe livrou-se do risco de queda na penúltima rodada, mas fechou mal o campeonato, tendo sido o segundo pior time nas 11 rodadas finais, que foram disputadas após a paralisação do futebol na Europa. Foram oito derrotas, duas vitórias e um empate no período. Em meio a este cenário, o técnico Asier Garitano caiu, e Juan Muñiz comandou interinamente na reta final.

Agora, quem assume é Pablo Machín, que já passou pelo Sevilla e agora terá a missão de recuperar uma equipe que teve a terceira pior defesa (59 gols sofridos) e o quarto pior ataque (34 gols marcados). O Alavés também foi dono da pior posse de bola (41%) e foi o time que menos finalizou na competição (313).

Athletic Bilbao

Sem contratar, o Athletic Bilbao tem o mesmo elenco da temporada passada, sendo que dos 26 jogadores que atuaram no Espanhol passado, somente três deixaram o clube e que nem ficaram no top 20 com mais minutos disputados. Beñat Etxebarria (388 minutos) e Mikel San José (354) estão sem clubes, enquanto o ídolo Aritz Aduriz (194) se aposentou.

O time de Gaizka Garitano, que está na função desde dezembro de 2018, até lutou por uma vaga em competições europeias e, embora tenha ficado só cinco pontos atrás do sexto colocado, acabou na modesta 11ª posição. Os 51 pontos representaram a segunda marca mais baixa nos últimos sete anos do clube. Por outro lado, os bascos se classificaram à final da Copa do Rei, que ainda não ocorreu.

Com Unai Simón, da seleção espanhola, no gol e os dois bons zagueiros Yeray Álvarez e Iñigo Martínez, o Athletic teve a quarta defesa menos vazada do último Espanhol, com os mesmos 38 gols sofridos que o Barcelona.

Atlético de Madrid

Os resultados nem foram ruins, pelo contrário, o time terminou na terceira colocação do Espanhol (com a segunda melhor defesa), competição em que está invicto há 16 rodadas, e foi até as quartas de final da Champions, eliminando o defensor do título Liverpool. Porém, o futebol do time de Diego Simeone não empolgou, sem ameaçar Real e Barça em LaLiga e sendo insuficiente para passar pelo RB Leipzig por um lugar na semifinal do torneio europeu.

Contratado no meio de 2019 por 126 milhões de euros, João Félix não conseguiu um destaque imediato e até tem ficado no banco. Uma participação de maior destaque do português é fundamental para um time que teve apenas o sétimo melhor ataque de LaLiga em 2019-20 com 51 gols, uma média de 1,34 por partida.

Sempre competitivo, o Atlético precisa melhorar seu poderio ofensivo para tentar brigar pelo topo da competição, em que Real Madrid e Barcelona não vivem seus melhores momentos.

Barcelona

Os dez dias de agonia entre o famigerado burofax de Messi manifestando o desejo de sair até o anúncio de permanência representaram o clímax da turbulência do Barcelona. O fico do craque, no entanto, não impediu que uma revolução fosse colocada em ação no time que lambe as feridas do 8 a 2 e tenta reencontrar o caminho do sucesso após sua primeira temporada em 12 anos sem levantar uma taça.

Ivan Rakitic já saiu, enquanto Luis Suárez e Arturo Vidal só esperam oficializar suas saídas. Miralem Pjanic chegou, Philippe Coutinho voltou, Ansu Fati cresceu e o papel de Antoine Griezmann mudou. Todos fazem parte de uma Barcelona em transformação sob o comando de Ronald Koeman, alguém que tentará resgatar de seu passado glorioso o caminho para o futuro no time catalão.

Como jogará esse time, como se sentirá Messi, esse será o último ano dele, Coutinho e Griezmann irão renascer no clube? As perguntas são várias, e a única certeza é de um Barcelona diferente. Os próximos meses irão responder os questionamentos e mostrar se o holandês será capaz de fazer a equipe superar a crise – ao menos dentro de campo – e conseguir um desempenho suficiente para voltar a ganhar títulos.

Betis

O sexto colocado de 2017-18 e décimo em 2018-19 sob o comando de Quique Setién acabou decepcionando em 2019-20, mesmo com os altos investimentos em Nabil Fekir e Borja Iglesias para o setor ofensivo. O Betis de Rubi, que acabou demitido em junho, terminou na modesta 15ª posição com 41 pontos, 19 a menos do que havia conseguido dois anos antes.

Para a nova temporada, se espera mais de um elenco com potencial. As principais mudanças são as chegadas de dois veteranos chilenos: o goleiro Claudio Bravo (37 anos), ex-Barcelona e Manchester City, e o técnico Manuel Pellegrini (66), que foi campeão inglês com o Manchester City e fez bons trabalhos na Espanha com Villarreal e Málaga.

Agora, o time de quarta melhor posse de bola (56,3%) e quarto em chances criadas (362) no último Espanhol precisa sobretudo melhorar defensivamente, após ter sofrido 60 gols, menos apenas do que o rebaixado Mallorca (65).

Cádiz

O Cádiz retorna à elite após 16 anos longe. No período, chegou a ficar quatro anos na terceira divisão entre 2012-13 e 2015-16. Desde o acesso à segunda divisão, o time comandado por Álvaro Cervera, que está desde abril de 2016 no cargo, fez campanhas sólidas, com um quinto, um oitavo e um sétimo lugar, antes do vice-campeonato em 2019-20.

Apesar do acesso, o Cádiz sentiu um sabor amargo na reta final de LaLiga2, uma vez que estava na liderança de forma ininterrupta desde a oitava rodada e perdeu o título na jornada final graças ao fato de ter sido derrotado em seus três últimos jogos na competição.

A grande arma da equipe é o meia Álex Fernández, artilheiro do Cádiz com 13 gols na segunda divisão, além de ter sido o segundo do elenco em assistências (seis) e o segundo com mais minutos em campo.

Celta

Depois de campanhas consistentes, tendo sido inclusive nono, oitavo e sexto em 2013-14, 2014-15 e 2015-16, respectivamente, o clube galego foi mal nas duas últimas temporadas - terminou na 17ª posição em ambas e escapou do rebaixamento somente na rodada final.

Potencial não parece faltar para a equipe que empatou duas vezes com o Atlético de Madrid, uma com o Real, uma com o Barça, fez 6 a 0 no Alavés e ganhou e empatou do Sevilla na última edição do Espanhol. Porém, falta regularidade, já que esse mesmo time chegou a levar 5 a 1 do rebaixado Mallorca e engatou cinco derrotas seguidas em determinado momento da competição.

Sem mais Rafinha, que estava emprestado pelo Barcelona, o elenco continua tendo Iago Aspas como grande referência. Desde que retorno ao clube em 2015, o atacante de 33 anos soma 89 gols e 21 assistências em 165 jogos em LaLiga.

O técnico é Óscar García, que já passou pela base do Barcelona, fez duas dobradinhas na Áustria com o Red Bull Salzburg e agora poderá fazer uma temporada completa no Celta, já que chegou ao clube em novembro de 2019.

Eibar

Desde que subiu à primeira divisão de forma inédita em 2014, o pequeno clube basco quase caiu na temporada de estreia, mas, desde então, faz campanhas sólidas, com destaque para os nono e décimo lugares em 2017-18 e 2016-17, respectivamente. Em 2019-20, terminou na 14ª colocação, sendo que já estava livre da queda com duas rodadas de antecedência.

Dos 11 nomes que mais atuaram na última edição do campeonato, apenas Fabián Orellana saiu, mas se trata de um enorme desfalque, uma vez que o chileno foi o principal artilheiro e garçom do time, com oito gols e sete assistências, participando diretamente de mais de um terço dos 39 gols do Eibar na competição. Para a sua posição, o clube pagou 2 milhões de euros ao Dínamo Zagreb pelo polonês Damian Kadzior.

O time é treinado por José Luis Mendilibar, que está desde o meio de 2015, sendo o segundo técnico mais longevo em seu clube nesta edição de LaLiga, atrás somente de Diego Simeone no Atlético de Madrid.

Elche

Uma montanha-russa tem sido a realidade do Elche no futebol espanhol. O time terminou na 13ª colocação de LaLiga em 2014-15, mas foi rebaixado por conta de problemas administrativos. Em 2016-17, terminou como vice-lanterna e caiu para a terceira divisão, conseguido o retorno de imediato. Após um 11º lugar na segunda divisão em 2018-19, a equipe terminou em sexto, entrando como último classificado aos playoffs de acesso, o qual conquistaria com vitórias de 1 a 0 em ambos os placares agregados contra Zaragoza e Girona.

O retorno à elite não contará com o técnico Pacheta, que estava no cargo desde fevereiro de 2018, quando o Elche ainda disputava a terceira divisão. Dois dias depois do acesso para LaLiga, o clube anunciou a saída do treinador. O argentino Jorge Almirón é o substituto e fará seu primeiro trabalho na Espanha e na Europa.

O Elche tem um elenco avaliado em 7,65 milhões de euros pelo site Transfermarkt, sendo isoladamente o valor mais baixo - os outros recém-promovidos são os mais próximos dele: Huesca (27,3 milhões) e Cádiz (31,75 milhões).

Getafe

Pepe Bordalás fez mais uma grande temporada à frente do Getafe. Depois de ter conseguido o acesso com em 2016-17, quando chegou ao clube, ele viu seu time ser oitavo, quinto e oitavo nas três campanhas seguintes na elite. Porém, a reta final em 2019-20 foi decepcionante. Com o retrospecto de uma vitória, cinco empates e cinco derrotas nas 11 rodadas após a retomada do campeonato, o Getafe teve o terceiro pior desempenho no período e viu o sonho de uma vaga na Champions League acabar sem classificação sequer para a Liga Europa.

O elenco é praticamente o mesmo, sendo que dos 11 nomes que mais atuaram em 19-20 saiu apenas o atacante Jorge Molina, de 38 anos, que foi ao Granada. Para o seu lugar, o clube pagou 9 milhões de euros pelo jovem Enes Unal ao Villarreal. É importante destacar a permanência de Marc Cucurella, que estava emprestado pelo Barcelona e foi contratado em definitivo por 10 milhões de euros.

Granada

Depois de ter subido com um vice-campeonato da segunda divisão, o clube andaluz foi a grande sensação de LaLiga passada ao terminar na sétima colocação, à frente de, por exemplo, Valencia e Athletic Bilbao e conseguir uma inédita classificação à Liga Europa.

A ótima campanha foi construída com um jogo de pouca posse de bola - teve a segunda pior, com 43,1% e de eficiência, uma vez que foi o quarto pior no número de chances criadas (275).

O técnico Diego Martínez, de 39 anos, ainda viu seu elenco ser mantido, sendo que apenas Carlos Fernández (retornou de empréstimo ao Sevilla) saiu entre os 13 jogadores que mais minutos disputaram em LaLiga 2019-20. O clube ainda contratou o atacante Alberto Soro, ex-Real Madrid, e pagou 5 milhões de euros pelo meio-campista Luis Milla, que era um dos destaques do Tenerife.

Huesca

O sonho continua... Depois de ter conseguido o acesso inédito à primeira divisão espanhola em 2018, o Huesca foi rebaixado imediatamente como vice-lanterna. Agora retorna de cara, e com o título da segunda divisão, a grande conquista em sua história de 60 anos.

Entre as figuras mais conhecidas do elenco está Shinji Okazaki, campeão inglês com o Leicester, que foi o artilheiro do Huesca na segunda divisão em 2019-20, com 12 gols, três a mais do que Rafa Mir, ex-Wolverhampton. Já o meio-campista Mikel Rico, ex-Athletic Bilbao, fez sete gols e deu sete assistências.

Dos 14 nomes que mais minutos disputaram na segunda divisão, saíram apenas o zagueiro Josué Sá e o lateral-direito Miguelón, cujos empréstimos chegaram ao fim. Por outro lado, o clube se reforçou com o lateral-direito Pablo Maffeo, que tem passagem pela base do Manchester City e foi emprestado pelo Stuttgart, e Gastón Silva, lateral-esquerdo da seleção uruguaia.

Levante

Depois de um 12º lugar em 2019-20, seu melhor desempenho na primeira divisão desde a décima colocação em 2013-14, o Levante manteve a base do seu elenco, sendo que o único a sair entre os 16 nomes que mais atuaram em LaLiga passada foi o atacante Borja Mayoral, que estava emprestado pelo Real Madrid.

Aliás, no gigante espanhol, o clube de Valência buscou dois nomes para o ataque: Jorge de Frutos e Dani Gómez, que atuaram na segunda divisão por Rayo Vallecano e Tenerife, respectivamente.

Um dos destaques do Levante é o meio-campista José Campaña, de 27 anos. Avaliado em 20 milhões de euros pelo site Transfermarkt, ele foi o terceiro que mais chances criou no último Espanhol, com 73, deu sete assistências, foi o nono com mais dribles (63) e o oitavo com mais recuperações de bola (225).

Osasuna

A volta à primeira divisão, após o título da segunda em 2018-19, foi muito boa para a equipe de Pamplona, que terminou ne décima colocação, após um campeonato bem regular, sem grandes oscilações na classificação. Chamou atenção o fato de o Osasuna ter sido o sexto time com mais chances criadas (341) e sexto com mais finalizações no alvo (150).

Dos 11 jogadores que mais minutos disputaram no Espanhol em 2019-20, somente o lateral-esquerdo Pervis Estupiñán, líder do quesito, deixou o clube, uma vez que o empréstimo do Watford chegou ao fim. Um dos principais nomes da equipe, ele foi substituído por Juan Cruz, contratado por 2,75 milhões de euros, junto ao Elche, pelo qual deu oito assistências na segunda divisão em 2019-20.

Real Madrid

A eficiência do time de Zinedine Zidane e o sucesso defensivo – Real teve a defesa menos vazada de LaLiga pela primeira vez desde 2008 – foram grandes trunfos do clube para ultrapassar o Barcelona após o retorno do futebol e assegurar o título do Campeonato Espanhol. Porém, não foi o suficiente para convencer quem esperava um desempenho mais vistoso e contundente e que e algo além de uma queda nas oitavas da Champions com duas derrotas – ainda que o seu rival fosse um forte Manchester City.

De qualquer maneira, trata-se de um elenco com margem de crescimento, com jovens em ascensão, como Federico Valverde, Rodrygo, Vinicius Jr. e Martin Odegaard, que retorna após uma grande temporada emprestado à Real Sociedad, assim como veteranos voando baixo, como são os casos de Sergio Ramos e Karim Benzema. Com este grupo e em meio ao impacto financeiro da pandemia do coronavírus e das reformas em seu estádio, o clube não investiu um euro sequer em reforços nesta janela até o momento.

Há ainda a expectativa por um crescimento de Eden Hazard, que não chegou na melhor forma, não conseguiu brilhar e também sofreu com lesões em sua primeira temporada após ter trocado Londres por Madrid. Se o belga recuperar o nível que apresentava no Chelsea, os torcedores merengues podem esfregar as mãos e se permitir sonhar com uma temporada melhor do que a anterior. Pelo menos no que se refere a desempenho.

Real Sociedad

Sexta colocação, melhor pontuação em três anos e final da Copa do Rei (que não foi realizada ainda). A Real Sociedad fez uma boa temporada e apresentou nomes de talento, como os jovens Alexander Isak, Mikel Merino e Mikel Oyarzabal.

A grande saída foi o fim do empréstimo de Martin Odegaard, que retornou ao Real Madrid, após seu grande trabalho no time basco. Porém, para o seu lugar chegou um veterano com ainda muita a oferecer: David Silva, ídolo do Manchester City.

A equipe do técnico Imanol Alguacil, que está desde dezembro de 2018 no cargo, aposta no maior entrosamento de um bom time para conseguir outra campanha consistente. E o ataque é um dos trunfos, uma vez que os bascos marcaram 56 gols no último Espanhol, menos apenas que Barcelona, Real Madrid e Villarreal.

Sevilla

O Sevilla fechou a temporada com (mais um) título da Liga Europa, a quarta colocação do Espanhol (com a mesma pontuação do terceiro, o Atlético de Madrid) e 21 partidas de invencibilidade, com 12 vitórias e nove empates - a última derrota foi em 9 de fevereiro para o Celta de Vigo.

O bom trabalho se deu rapidamente, uma vez que o técnico Julen Lopetegui e mais da metade do time que fechou como titular chegou em 2019-20. Um maior entrosamento pode fazer o clube alcançar um nível ainda mais alto.

As grandes mudanças no elenco foram o fim do empréstimo do lateral-esquerdo Sergio Reguilón e da saída do meio-campista Éver Banega, que será substituído com o retorno de Ivan Rakitic. Por outro lado, o clube contratou Óscar Rodríguez, que era do Real Madrid e fez grande passagem pelo Leganés, tanto que esteve na última convocação da seleção espanhola e, inclusive, fez sua estreia.

Valencia

Depois de ter terminado na quarta colocação em 2017-18 e 2018-19, o Valencia viu a temporada passada ser bem diferente. Ainda que tenha passado por um grupo difícil e ido às oitavas de final da Champions League, a equipe caiu com um placar agregado de 8 a 4 para a Atalanta e terminou LaLiga só na nona colocação e com cinco derrotas nos últimos oito jogos.

Fora de campo, a temporada 2019-20 já tinha começado ruim, com problemas internos e a saída do técnico Marcelino. O cenário não parece muito animador para o novo técnico do clube, Javia Gracia. Isso porque cinco nomes importantes no elenco já saíram: Rodrigo, Dani Parejo, Ferrán Torres, Francis Coquelin e Ezequiel Garay. Até agora, ninguém chegou.

Real Valladolid

Se em 2018-19 se livrou do risco de queda com uma rodada de antecedência, o Valladolid conseguiu repetir o feito com uma folga de duas jornadas em 2019-20 e ainda terminou na 13ª colocação, sua melhor posição desde um outro 13º lugar em 2002-03.

O clube presidido por Ronaldo Fenômeno teve um desempenho ruim no ataque na edição passada ao marcar 32 gols, à frente apenas dos rebaixados Leganés (30) e Espanyol (27). Com isso, contratou o israelense Shon Weissman, que foi o artilheiro do Campeonato Austríaco com o desempenho impressionante de 30 gols em 31 jogos na competição. Além dele, chegaram dois nomes experientes e conhecidos no futebol espanhol: o goleiro Roberto, que estava no West Ham, e o atacante Fabián Orellana, que retornou à seleção chilena no fim de 2019 em meio ao bom desempenho pelo Eibar.

Por outro lado, o zagueiro Mohammed Salisu, um dos destaques do elenco, acabou vendido ao Southampton por 12 milhões de euros, um recorde na história do clube.

Villarreal

Definitivamente, trata-se de um time para se ficar de olho. Apesar de um primeiro turno ruim em 2019-20, o Villarreal conseguiu uma recuperação boa o suficiente para terminar na quinta colocação, que também foi alcançada em 2016-17 e 2017-18, deixando para trás o modesto 14º lugar em 2018-19. O Submarino Amarelo ainda registrou o terceiro melhor ataque, com 63 gols.

Com nomes como os zagueiros Pau Torres e o atacante Gerard Moreno, que estiveram nos dois últimos jogos da seleção espanhola, além dos atacantes Paco Alcácer e Samu Chukwueze, o elenco já era bom e acabou fortalecido, apesar da saída do veterano Santi Cazorla. Afinal, chegaram os meio-campistas Dani Parejo e Francis Coquelin, que estavam no Valencia, e o promissor meia-atacante Take Kubo, emprestado pelo Real Madrid, depois de ter feito uma grande temporada pelo Mallorca.

No banco de reservas, Unai Emery chega com boas possibilidades de mais um bom trabalho na Espanha, após ter sido demitido pelo Arsenal ao longo da última temporada.