<
>

Ele deixou Barcelona por 'trote' em companheiro; agora, dá exemplo ajudando imigrantes na pandemia

play
Recado para Messi e Camp Nou cheio: Neymar foi apresentado no Barcelona há exatos sete anos (4:34)

Brasileiro falou como jogador do Barça em 3 de junho de 2013 (4:34)

Ex-cria da base do Barcelona e destaque do Monaco, Keita Baldé tem protagonizado atos de solidariedade na cidade de Lleida, na Catalunha, durante a pandemia do novo coronavírus. Ele vem ajudando especialmente imigrantes que ficaram sem emprego. A atitude foi destacada pelo “El Confidencial”, nesta quarta-feira (3).

A publicação diz que o jogador de 25 anos, de origem senegalesa, embora nascido na cidade catalã de Arbúcies, tem feito doações para que o maior número de diaristas (muitos imigrantes) pare de dormir na rua e tome banho, comida, água e roupas.

Na primavera espanhola, é comum que mais de 40 mil diaristas se desloquem até algumas cidades da Catalunha para trabalhar na colheita de frutas. Neste ano, por causa da COVID-19, muitas pessoas ficaram desamparadas.

A maioria não tem condições de retornar para suas casas e estão nas ruas.

Keita Baldé tem ajudado e já conseguiu um teto para um grupo de 90 imigrantes. Agora ele quer buscar refúgio para outros 110. Isso é possível porque, além dos investimentos financeiros, o jogador se tornou uma figura pública comprometida.

Ele passou sete anos na base do Barcelona, entre 2004 e 2011, mas ganhou fama por uma situação nada nobre. Ele foi afastado do clube após aplicar um “trote” em um companheiro de time.

Em uma excursão ao Catar, ele colocou um saco cheio de gelo na cama do colega de quarto. Os diretores do clube catalão não toleraram o ato de indisciplina e o cortaram do time.

Foi uma surpresa. Baldé entrou aos 9 anos na base blaugrana e saiu com 15. No período, chegou a 300 gols marcados, segundo “El Confidencial”. Era visto como um garoto promissor, com velocidade drible, gol e talento para cuidar da bola.

O Barcelona estudou emprestá-lo para um clube menor, mas a Lazio apareceu. Ele se profissionalizou pelo clube italiano. Em 2017, foi para o Monaco, tendo uma rápida passagem por empréstimo para a Inter de Milão.

Apesar de nascido na Catalunha e de seus pais morarem em Barcelona, ele escolheu defender Senegal e até jogou as eliminatórias da última Copa do Mundo e ficou no banco da seleção durante o torneio na Rússia.