<
>

Nem bilionário PSG está imune: presidente do time de Neymar defende redução do salário de jogadores

play
Vinícius Jr. cai na dança de ritmo latino, impressiona e chama parceiros e família para o TikTok (0:12)

Atacante do Real Madrid publicou o vídeo nas redes sociais - Instagram @viniciusjunior (0:12)

O presidente do Paris Saint-Germain, Nasser al-Khelaïfi, admitiu que o bilionário clube também sentirá os efeitos da paralisação do futebol na Europa por causa da pandemia do novo coronavírus e por isso é favorável à redução salarial.

Segunda a edição desta quarta-feira do "L'Equip", o presidente manifestou a necessidade de fazer cortes durante uma reunião por telefone com representantes de outros clubes do Campeonato Francês. E utilizou o Barcelona como exemplo.

Na Espanha, os cartolas do Barça iniciaram nos últimos dias discussões em busca de um acordo de redução dos salários. A pausa nas competições da temporada e a incerteza sobre o retorno das disputas impactou as receitas.

De qualquer forma, chama à atenção, a preocupação do PSG. Ao lado do Manchester City, é clube que menos precações financeiras vêm tomando nos últimos anos. Tem um dos elencos mais estrelados do planeta. Basta olhar o trio de ataque: Neymar, Mbappé e Cavani.

Em 2018/19, o PSG teve despesas de 371 milhões de euros (R$ 2 bilhões pela cotação atual) com funcionários/jogadores. O orçamento do clube na mesma temporada teve receitas de 637 milhões de euros (R$ 3,5 bilhões).