<
>

Sampaoli deve responder até domingo se aceita treinar a Venezuela; Mano já recusou convite

play
Felipe Jonatan compara Jesualdo a Sampaoli e diz que português 'tem mais cautela' (0:38)

Lateral fez elogios ao argentino, mas se mostrou feliz com o trabalho do novo técnico do Santos (0:38)

O técnico Jorge Sampaoli ainda negocia com a federação venezuelana (FVF) para ser o técnico da seleção após a saída de Rafael Dudamel para o Atlético-MG.

No último final de semana, Jesús Berardinelli (presidente da FVF) veio ao Rio de Janeiro para se encontrar com o técnico argentino, livre no mercado desde a saída do Santos no fim de 2019.

A imprensa venezuelana aponta o salário como principal empecilho: 5,1 milhões de dólares por ano para Sampaoli e sua comissão técnica.

A reportagem apurou que as negociações continuam, e uma resposta do treinador é esperada até o próximo domingo.

A PDVSA (petrolífera estatal da Venezuela) é quem bancaria o salário do próximo treinador, de acordo com o site Líder.

Sampaoli recebeu ofertas de Atlético-MG e Palmeiras após deixar o Santos, mas declinou os dois convites.

A Venezuela, enquanto isso, buscou outros técnicos argentinos para o lugar de Dudamel - sem sucesso: José Pekerman, Juan Antonio Pizzi e Gustavo Alfaro.

Fontes disseram à ESPN que Mano Menezes seria um "plano B" caso Sampaoli recuse a oferta, mas o agente do treinador brasileiro entrou em contato e disse que uma consulta já foi feita pela FVF há um mês.

O convite, porém, foi recusado pelo ex-técnico de Grêmio, Corinthians, Cruzeiro, Palmeiras e seleção brasileira.

*Matéria atualizada 11h*