<
>

Caso Neymar: Najila e ex-marido são denunciados pela Polícia por fraude, denúncia caluniosa e extorsão

A modelo Najila Trindade foi indicada pela Polícia Civil por extorsão e denunciação caluniosa no caso em que acusou o jogador Neymar, do PSG, por estupro, em Paris, no dia 15 de maio.

O ex-marido dela, Estivens Alves, foi denunciado por fraude processual e divulgação de conteúdo erótico.

O caso inicial contra o jogador foi arquivado em 29 de julho, sem indiciamento do jogador. Os indiciamentos de Najila e Estivens são desdobramentos do caso encerrado pela delegada Juliana Lopes Bussacos, da 6ª Delegacia da Defesa da Mulher.

Os inquéritos, que seguem sob segredo de Justiça, foram encaminhados ao Tribunal de Justiça para apreciação do Ministério Público e do Poder Judiciário.

"Com base no conjunto probatório reunido durante as investigações, a delegada decidiu pelo indiciamento de N. e Estivens Alves seu ex-companheiro, pelo crime de fraude processual (art. 347, parágrafo único, CP). Decidiu, ainda, por indiciar Alves pelo artigo 218-C, por divulgar material com conteúdo erótico de N. para um repórter, em troca de publicações suas na internet", diz a nota da Secretaria de Segurança Pública.

"Após o esclarecimento da materialidade delitiva, procedida à realização das respectivas perícias e oitivas, a autoridade também decidiu pelo indiciamento de N. nos crimes de denunciação caluniosa e extorsão", segue a nota.

Em contato com o ESPN.com.br, Cosme Araújo, advogado da modelo, disse que o indiciamento chega como surpresa para ele.

"Eu ainda não tive acesso ao relatório, e vou me manifestar depois disso", disse ele.

"Só me causa estranheza esse indiciamento por extorsão, já que Najila nunca teve contato com a família de Neymar ou seus advogados", pondera o defensor da modelo.

"A não ser que a advogada tenha tido acesso a novas provas, não consigo entender o que pode ter havido", complementa.

ENTENDA O CASO

Neymar foi acusado de estupro pela modelo Najila Trindade. Ela registrou boletim de ocorrência na sexta-feira (31 de junho),revelado pelo ESPN.com.br no sábado 1º de junho, na 6ª Delegacia de Polícia de Defesa da Mulher, em São Paulo.

Segundo o documento, ela alegou ter conhecido o jogador do Paris Saint-Germain e seleção brasileira nas redes sociais. E no dia 12 de maio, um assessor identificado como Gallo entrou em contato fornecendo passagens e hospedagem para ela viajar para Paris, na França. Ela afirmou ter embarcado no dia 14 e chego no dia 15.

A mulher também relatou que ficou no Hotel Sofitel Paris Arc Du Triumphe e recebeu o atleta de 27 anos por volta de 20h locais do dia 15. Segundo ela, o jogador chegou “aparentemente embriagado”.

“Começaram a conversar, trocaram carícias, porém, em determinado momento, Neymar se tornou agressivo e, mediante violência, praticou relação sexual", afirmou ela.

Tanto Neymar, por meio de vídeo em uma rede social – que o Instagram depois o tirou do ar - na qual expôs as conversas com a mulher, quanto seu pai, Neymar da Silva Santos, em duas entrevistas à TV Bandeirantes, uma por telefone e a outra participando ao vivo de um programa, negam que tenha havido estupro. Eles confirmam que houve relação sexual, mas que a mesma foi consensual.

Na quarta-feira 5 de junho, o caso teve mais desdobramentos. Em entrevista ao SBT, a modelo falou pela primeira vez. Ela admitiu ter viajado com intuito de fazer sexo com Neymar, mas reiterou que foi estuprada e agredida após dizer que não queria ter relações sem o uso de preservativo.

Depois, surgiu um novo vídeo que mostra Najilia agredindo Neymar com tapas. A defesa da modelo diz que ela atraiu o jogador para gravar esse vídeo e tentar ter provas do que ele já havia feito com ela anteriormente.

Neymar se apresentou na quinta-feira (6 de junho) à Polícia Civil do Rio de Janeiro para depor sobre crime virtual por ter divulgado imagens íntimas de Najila.

No mesmo dia, novos trechos da conversa entre o jogador e a modelo apareciam. Neles, Neymar diz que a 'modelo pedia' mais, enquanto Najila rebate e deixa claro a Neymar que não gostou do que havia acontecido entre os dois. Ela ainda manda um áudio ao jogador dizendo que ele deveria ser homem e assumir os erros.

Najila fez seu depoimento na sexta-feira, mas passou mal e teve que ser levada ao hospital. Ela disse à polícia que a íntegra do vídeo que tinha estava em tablet furtado e também detalhou como teria sido o estupro.

Na segunda (10), o advogado Danilo Garcia de Andrade se incomodou com o fato de o vídeo completo nunca ser divulgado e também com uma suposição da própria modelo de que ele estaria envolvido no furto do tablet. Assim, anunciou que não está mais defendendo Najila no caso.

Na quinta-feira (13), foi a vez de Neymar depois a polícia. Ele ficou cinco horas no local para prestar esclarecimentos e saiu aparentemente confiante. Ele disse à polícia que usou preservativo durante o sexo e negou o estupro.

Em 14 de junho, o advogado Cosme Araújo assumiu o caso em defesa de Najila. Ele é amigo da família da modelo.

No dia 17, ele solicitou que houvesse uma acareação entre sua cliente e Neymar. A polícia ainda avalia tal possibilidade.

Em 30 de junho, a delegada Juliana Bussacos, que comanda o inquérito na Sexta Delegacia de Defesa da Mulher em Santo Amaro, São Paulo, pediu um mês a mais de prazo para concluir o caso.

Em 11 de julho, teve o prazo estendido até 10 de agosto. Mas, em 29 de julho, ela já decidiu não indiciar Neymar por estupro e agressão.