<
>

Neymar: Jornal diz que brasileiro precisa resolver 'guerra fria' com chefes do PSG

play
O projeto Neymar foi um tiro pela culatra? Calçade analisa e diz: 'Só desgastou a imagem do clube' (1:18)

Jogador faz de tudo para tentar voltar ao Barcelona até o fim da janela de transferências (1:18)

A novela Neymar está com seus dias contados. Com o fechamento da janela de transferências na segunda-feira, ao que tudo indica o brasileiro irá permanecer no PSG, frustrando seu desejo de retornar ao Barcelona.

E para, com a permanência iminente, Neymar precisará resolver algumas pendências e problemas para se juntar ao elenco parisiense. O jornal francês ‘Le Parisien’ trouxe a informação de que Neymar terá que lidar com uma ‘guerra fria’ com os donos do clube e com jogadores no vestiário.

Dentro da equipe, alguns não estão na mesma sintonia de Neymar, e outros aguardam ansiosamente sua volta. Mbappé, maior estrela do clube, é uma voz favorável à volta do brasileiro, vide o ótimo relacionamento dos dois.

Sua boa convivência com o francês destoa da relação não tão amistosa com outros dois nomes importantes no clube: o uruguaio Cavani e o argentino Di Maria. Cavani, em final de contrato, poderia perder a titularidade para um ataque que seria formado por Neymar, Mbappé e Di Maria. O meio-campo seria formado por Gueye, Verratti e Ander Herrera em um 4-3-3 ou 3-5-2.

Os brasileiros Marquinhos e Thiago Silva além do italiano Marco Verratti são outros que esperam Neymar de braços abertos na equipe. Algumas atletas que não tinham bom convívio com o brasileiro como Rabiot e Areola já saíram da equipe. Kurzawa e Draxler são vistos como atletas que não se importam com o bom ambiente no clube e não se dão bem com Neymar.

O técnico Thomas Tuchel já sabe de toda a responsabilidade que terá pela frente com a “reintegração” de Neymar no vestiário. Gerenciar essa situação já foi uma tarefa difícil no ano passado, e ao que tudo indica será mais difícil agora. Mesmo assim, o alemão sabe que ele é fundamental para o esboço do time.

A outra relação que Neymar terá que lidar será com os dirigentes da equipe. No dia 18 de junho, o presidente do clube Al-Khelaifi, não poupou críticas a brasileiro por seu comportamento e por deixar público sua vontade de deixar o clube.

A outra relação desgastada é com o diretor de futebol Leonardo. O próprio admitiu na zona mista após a vitória contra o Metz que a relação entre o jogador e o clube é bem desgastada.

"É preciso dizer a verdade. Hoje, esse relacionamento não é o mais pacífico. Hoje, temos um relacionamento que é complicado. As coisas aconteceram, tentamos resolvê-las, conversar.”

Nem mesmo o relacionamento entre Leonardo e Neymar é bom. Toda vez que uma câmera não está os filmando, ele faz questão de escancarar sua insatisfação. O entorno do jogador entende que o clube francês não fez nenhum movimento para facilitar sua saída.

Após o retorno de Neymar da seleção brasileira, Thomas Tuchel e Leonardo terão uma conversa com o jogador para lembrá-lo de seus direitos e deveres com o clube e aparar um pouco as arestas. As partes não querem continuar com o clima de “guerra fria”. Mas uma coisa é certa: Neymar, no próximo verão, pedirá para deixar o clube novamente.