<
>

Malcom não percebeu racismo, aprovou primeira impressão do Zenit e já até se prepara para aprender russo

O atacante Malcom não percebeu qualquer ato racista contra ele em sua partida de estreia pelo Zenit.

Muito pelo contrário, o jogador e sua esposa, que estava no estádio, relataram apenas que o ele foi muito bem recebido, tendo sido ovacionado pelos torcedores sempre que pegou na bola.

"Quando li a notícia, até liguei para perguntar para ele se era verdade", contou ao ESPN.com.br Flávia de Oliveira, 41, mãe do jogador. "Ele na hora me respondeu: verdade, o quê?", revelou ela. "Ele não viu nada e terminou o jogo muito feliz", diz.

O relato de Flávia bate com a declaração do agente do jogador, Fernando Garcia.

"Malcom está muito feliz pela maneira como foi tratado pela direção do Zenit, em especial pelo presidente (Alexander Medvedev)", conta Flávia.

"Ele já até conversou no clube de que gostaria de ter um professor para aprender russo", diz ela. "Ontem, ele passou o dia inteiro passeando, na rua, tranquilamente", afirma.

A agência de notícias russa RIA Novosti, afirmou que, diante dos protestos, o Zenit deve negociar Malcom o mais rapidamente possível.

O clube negou veementemente tal possibilidade.

RECORRENTE

Flávia de Oliveira sabe, no entanto, que atitudes racistas são recorrentes na Europa.

"Eu já fui vítima na França. O Malcom mesmo já passou por isso em um loja, na Espanha", conta ela.

Malcom atuou pelo Bordeaux, entre 2016 e 2018, e esteve no Barcelona na última temporada.

"Só que eu eduquei meu filho para não ser escravo desse tipo de atitude, não", diz ela.

"Não é não dar bola, fingir que não aconteceu. É dar a importância e denunciar, sim, mas não deixar que isso mude a vida da gente", explica a mãe do jogador.

Malcom assinou contrato com o Zenit por cinco temporadas.A contratação do jogador custou R$ 176,4 milhões ao clube russo (40 milhões de euros, pela cotação atual).