<
>

Dudamel, técnico da Venezuela, revela história inédita da final da Libertadores 99 contra o Palmeiras

No último domingo, a final da Libertadores de 1999, em que o Palmeiras conquistou o título sobre o Deportivo Cali-COL, fez aniversário 20 anos.

Naquele time colombiano, chamava a atenção um jovem goleiro, cheio de personalidade, chamado Rafael Dudamel. Duas décadas depois, o venezuelano atualmente é técnico da seleção de seu país na Copa América.

Nesta sexta-feira, em coletiva no Mineirão, Dudamel lembrou da memorável partida contra o Verdão no Parque Antárctica, decidida nos pênaltis, e contou uma história inédita daquele confronto.

"A Libertadores de 1999 teve uma final que gerou muitas histórias. Mas creio que a melhor delas, ao menos para mim, foi a loucura de ter sido eu quem bateu o primeiro pênalti (do Deportivo Cali)", brincou o ex-arqueiro.

Dudamel foi o 2º atleta no geral a cobrar, depois que Zinho havia mandado no travessão pelo Palmeiras.

Apesar da pouca idade, o camisa 1 mostrou enorme categoria e deslocou "São" Marcos para anotar - o mesmo Marcos que vivia uma das melhores fases de sua carreira e terminaria eleito como melhor jogador daquela Libertadores.

Em seguida, o hoje treinador da Vinotinto deu mais detalhes.

"A verdade é que o técnico começou a olhar para a cara dos possíveis batedores e ninguém queria bater. Ele olhava para cá, olhava para lá... De repente, olhou para mim e perguntou: 'Conto contigo?'. Eu disse que sim. Fui maluco, mas valente (risos)", sorriu.

"Aí demos uma volta e ele me disse: 'Você vai bater o primeiro'. Aí passaram muitas coisas pela minha cabeça (risos). Felizmente, eu não precisei fazer aquela caminhada do meio-campo até a marca do pênalti, pois já estava na grande área. Aí fui fiel ao meu estilo dos treinos: Marcos para um lado, bola para o outro", gabou-se.

Duas décadas depois, ele lamenta não ter dado o título ao Deportivo Cali, mas trata a situação com bom humor.

"Infelizmente, o meu pênalti não adiantou de nada, porque não conseguimos ganhar a Copa (Libertadores), mas essa história é especial para mim. Temos que ser valentes sempre... Só precisamos escolher melhor onde e quando (risos)", divertiu-se.