<
>

Arsenal/2003? United/98? Nada disso; esse Manchester City de Guardiola é o melhor time da história da Premier League

Você vence cinco de seis títulos nacionais. Você ganha 198 de 228 possíveis pontos. Você triunfa quando tem uma liderança de 15 pontos em dezembro e quando tem o Liverpool fungando no seu pescoço na última partida da competição.

Sim, somos obrigados a fazer o seguinte questionamento: esse Manchester City é o maior time da história da Premier League? A resposta é sim. A falta de sucesso na Champions League não é um asterisco nesse assunto, já que estamos falando sobre sucesso nacional. Além disso, campeonatos de mata-mata podem ser decididos pelo menor dos regulamentos, inclusive um gol fora de casa.

Dois dos quatro times ingleses campeões europeus desde a criação da Premier League, Liverpool em 2005 e Chelsea em 2012, terminaram em quinto e sexto, respectivamente, no campeonato nacional daquele ano. O Manchester United, vencedor da Tríplice Coroa em 1999, venceu a Premier League. Só que com apenas 79 pontos. O United campeão da Premier League e da Champions em 2008 venceu com 87; esse time do Man City atingiu esse número de pontos com quatro partidas restantes.

Mas há resultados e, depois, estética. Esse time do City consegue as duas coisas como pouquíssimos na história.

Claro, essa equipe foi construída com grande despesa, mas o que mais chama a atenção é o tipo de gasto, o progresso de cada jogador após a compra e o fato de que, até certo ponto, todos são substituíveis. Quantos desse time do City foram comprados com o status de estrelas incontestáveis?


Você até pode citar Sergio Aguero, mas isso foi em 2011. Eu ouvi Kevin De Bruyne? Claro. E é provavelmente só. Na verdade, o grau em que eles floresceram no clube é, francamente, notável.

David Silva veio do Valencia aos 24 anos como um "bom" jogador, mas nada de absurdo. Raheem Sterling chegou como uma enorme promessa, que acabou se tornando um dos melhores jogadores da Inglaterra. Fernandinho jogou na Ucrânia até os 28 anos (sua primeira convocação veio aos 27).

Aymeric Laporte chegou como um jovem cheio de expectativas com 23 anos e, apesar da grande temporada, ainda está esperando uma convocação para a seleção da França, que seria a sua primeira. Kyle Walker tinha 27, e apesar de ter sido o defensor mais caro da história por um curto período, só chegou no Tottenham (seu ex-clube) aos 21. Ederson teve uma temporada de alto nível pelo Benfica antes de ser contratado.

Bernardo Silva? Outro bom jogador, mas não era considerado o 'escolhido'. Ilkay Gundogan? Um talento espetacular que enchia os olhos dos olheiros, mas que nunca tinha sido o mesmo após uma lesão. Leroy Sané? Baita talento, mas tinha apenas 20 anos quando chegou e tinha disputado apenas uma temporada fixa no Schalke. E o que falar sobre Oleksandr Zinchenko? Ele chegou ao City como um meia ofensivo de um time ucraniano que ninguém conhece (Ufa, se você quiser saber) e dois anos depois, ele é o lateral-esquerdo titular da campanha pelo título.

Não é só que todos esses jogadores citados melhoraram desde que chegaram ao Man City. Além de Aguero, De Bruyne e, talvez, Mahrez, nenhum desses jogadores tinha uma grande história antes de chegar no Eithad. Esse é o primeiro grande sucesso de vários desses nomes.

E não, já que é impossível falar de Guardiola sem mencionar seus antigos clubes, essa é uma situação muito diferente. O Bayern de Munique havia vencido a Champions League antes da sua chegada, ele acabou treinando jogadores campeões mundiais no ano seguinte. O Barcelona venceu a mesma Uefa Champions League alguns anos antes também e, assim como no Bayern, Guardiola treinou campeões mundiais (e um tal de Lionel Messi).

A maioria dos jogadores do Man City não havia vencido nada antes de chegar ao clube, e apenas quatro jogadores -- Aguero, Kompany, Fernandinho e David Silva -- são remanescentes do título de 2013-14.


Há um espírito de equipe evidente aqui. Todos estão concentrados, não importa se entrarão no jogo ou não. Claro, é fácil ser um soldadinho quando as coisas estão indo bem, mas fato é que esse time do City teve alguns problemas na caminhada. Quando o City foi eliminado da Champions League, começaram os sussurros no vestiário, rumores e alguns questionamentos sobre as escolhas de Guardiola. Mas nada se concretizou. E isso é mérito de um treinador com carisma e personalidade para manter os jogadores focados.

Isso traz o problema de quem é "indispensável". Todos achavam que o Fernandinho era. Bom, ele acabou sofrendo uma lesão e Gundogan entrou mantendo o mesmo nível. De Bruyne era tratado como o jogador mais valioso do time na última temporada: todos sabemos o que aconteceu nesta temporada. John Stones deveria ser o pilar da defesa do City e, quando seu nível caiu, veio o capitão Kompany para o resgate. E eu nem vou falar nada sobre os problemas na lateral-esquerda.

No campo e nos treinos, o City é belo e funciona como um só, bem como o melhor time da história da Premier League. O fato de eles terem sido montados diferentemente dos outros grandes times faz com que isso tudo seja mais memorável.