<
>

Rivais da Sérvia fazem vaquinha para pagar multa da Fifa recebida por Xhaka e Shaqiri; entenda o motivo

Um dia após o volante Granit Xhaka, o atacante Xherdan Shaqiri e o lateral Stephan Lichtsteiner serem multados pela Fifa pelas comemorações polêmicas na vitória da Suíça sobre a Sérvia, pela 2ª rodada da fase de grupos da Copa do Mundo 2018, a população de Kosovo resolve se mobilizar para ajudar seus "heróis nacionais".

Através de um site de "vaquinhas" virtuais, fãs organizaram um crowdfunding para juntar o valor total das multas (10 mil francos suíços para Xhaka e 10 mil francos suíços para Shaqiri pelas celebrações e 5 mil francos suíços para Lichtsteiner por defender os colegas de equipe em entrevistas). Cerca de 14 mil dos 25 mil francos necessários já foram conseguidos.

Além disso, o ministro do Comércio e Indústria do Kosovo, Bajram Hasani, anunciou que doará um mês do seu salário (1,5 mil euros, ou R$ 6,6 mil) aos jogadores da Suíça para ajudar a pagar a multa imposta pela Fifa na segunda-feira.

"Eles foram castigados unicamente pelo fato de que não se esqueceram de suas raízes, por não terem se esquecido de onde vieram", afirmou o político.

"Dinheiro nenhum no mundo irão pagar a alegria que Xhaka e Shaqiri nos deram ao mostrarem o símbolo da águia ao comemorarem seus gols pela Suíça", completou.

Apesar da multa, todos os atletas envolvidos na investigação comandada pela Fifa escapaparam de suspensões e poderão atuar normalmente no restante do Mundial.

KOSOVO

Xhaka e Shaqiri celebraram cruzando as mãos e entrelaçando os polegares. O sinal é uma referência à águia que integra a bandeira da Albânia, país que reconhece e apoia a existência do estado de Kosovo, que por sua vez trava uma disputa geopolítica justamente com os sérvios.

A atitude dos dois destaques da Suíça tem explicação em suas famílias.

Os pais de Xhaka fugiram da região durante a guerra que decorreu do fim da Iugoslávia e a divisão de seu território em diversos Estados. Já Shaqiri nasceu em Gjilan, município do atual Kosovo.

O irmão de Xhaka, chamado Taulant, inclusive defende as cores da seleção albanesa. Já Shaqiri tem em suas chuteiras uma bandeira da Suíça e outra de Kosovo.

Tanto Kosovo quanto a Albânia vivem um diário confronto com a Sérvia. A região kosovar fazia parte do território sérvio até 2008, quando declarou sua independência de maneira unilateral e não reconhecida por diversos estados, dentre eles os adversários desta partida na Copa - mas apoiada pelos albaneses.

Oficialmente, quase 93% da população de Kosovo tem origem albanesa e os dois estados mantêm uma relação de proximidade e aliança, assim como traços culturais em comum.

Antes da partida, o atacante Mitrovic, da Sérvia, provocou Shaqiri, Xhaka e também Behrami por não defenderem a seleção que apoiam. Shaqiri respondeu em carta aberta à Fifa que não o faria por já ter defendido as cores suíças, enquanto Xhaka reafirmou seu desejo de defender o país de seus pais no futuro.

Após a partida, a repercussão nas redes sociais foi grande. O próprio presidente de Kosovo parabenizou os jogadores, bem como o chefe de gabinete do país, ambos por suas contas no Twitter. E mesmo antes da partida, uma imagem da bandeira kosovar junto com a suíça e contra a sérvia foi amplamente compartilhada.

O próprio camisa 10 postou no Stories de seu Instagram uma imagem celebrando: "Essa é para vocês".