<
>

Ele encantou Guardiola, mas fracassou no City; hoje, arrebenta no líder de LALIGA e é sensação da Espanha

Antes de ser um dos convocados da Espanha, que enfrentará a Geórgia pelas Eliminatórias da Eurocopa neste domingo (19), às 16h45 (de Brasília), Aleix García viveu o sucesso e a decadência no futebol muito cedo.

Apontado como uma grande revelação no Villarreal, ele jogou apenas uma vez de forma oficial pelo time profissional, aos 17 anos. O espanhol entrou nos últimos 13 minutos na derrota por 4 a 0 para o Athletic Bilbao.

Antes mesmo de se firmar no 'Submarino Amarelo', o meia foi vendido para o Manchester City, no meio de 2015. Em um primeiro momento, foi integrado aos times de base e passou a ser observado de perto por Pep Guardiola, quando o catalão assumiu o comando da equipe principal.

Depois de estrear pelos Citizens, García foi elogiado pelo desempenho na vitória por 5 a 1 sobre o Huddersfield na Copa da Inglaterra.

“Aleix jogou muito bem. Ele era um pouco tímido no início, mas é um jogador com algo especial. Estou muito satisfeito", disse Guardiola.

Parecia que o jovem seria preparado para ser o futuro do City, mas as coisas não saíram como o esperado. García não conseguiu se firmar em um elenco recheado com nomes de peso.

"Tudo me veio muito rápido, estar com grandes estrelas aos 18 anos me deixou confuso, pensei que tinha tudo feito e tinha que viver aquele lado da moeda em que você não é tão feliz, fora de foco", admitiu García em entrevista ao jornal AS.

Foram apenas nove jogos no time principal antes de ser emprestado ao Girona, da Espanha, na temporada 2017/2018.

"Experiências que nunca esquecerei, como estrear com Pep e curtir um ano inteiro com grandes estrelas que levarei sempre na memória. A partir daí fizemos alguns movimentos que não estavam de acordo com o que eu esperava, mas no final, se estou neste nível agora, é por causa daqueles movimentos que pensei que não me beneficiaram. Isso me fez amadurecer", disse.

Renascimento após queda

Depois de duas temporadas e um rebaixamento em 2019, o espanhol foi cedido ao modesto Mouscron, da Bélgica. No meio do ano seguinte, ele foi para o Dínamo Bucuresti, da Romênia, após o final do contrato com o City.

No entanto, o projeto que parecia ser promissor ruiu em poucos meses. Sofreu com a falta de pagamentos e pensou até mesmo em desistir da carreira profissional antes de dar a volta por cima.

"Isso me ajudou a amadurecer fora de campo e de lá transferir para o campo. As experiências na Bélgica e na Roménia foram complicadas a nível pessoal e futebolístico. Superei isso com a minha família. Acho que muito do meu sucesso hoje se deve àqueles anos em que passei por momentos tão difíceis e me fizeram reconsiderar", disse.

No começo de 2021, foi levado pelo técnico José Mendilibar ao Eibar, que foi rebaixado para a segunda divisão espanhola no fim da temporada. Foi aí, em julho daquele ano, que ele retornou para a sua segunda passagem no Girona

E aí, tudo mudou. O meia, agora com 26 anos, virou o grande maestro nas últimas temporadas da equipe catalã, que subiu outra vez para a elite e agora lidera LALIGA de forma surpreendente.

García, que veste a camisa 14 no clube, é titular absoluto do técnico Míchel Sánchez e esteve nos 13 jogos da equipe na atual edição de LALIGA. Até aqui, são 3 gols marcados e 4 assistências distribuídas.

Tal rendimento o fez ser chamado para a seleção espanhola por Luis de la Fuente para as duas partidas pelas eliminatórias da Euro. E já contra o Chipre, na sexta-feira (17), no triunfo por 3 a 1, veio a estreia: Aleix García entrou logo na volta do intervalo no lugar de Mikel Merino.

Fica a expectativa agora para ver se também atuará diante da Geórgia.

"Quando você é tão jovem e tudo chega tão rápido, você pode acreditar que é mais do que é. Agora, com 26 anos, me vejo em um momento mental supermaduro, com vontade de curtir", finalizou.