<
>

Hoje sócios, dupla ex-São Paulo deixa amizade de lado na final da Copa do Rei, troca 'provocações' e revela e o que foi apostado

Copa do Rei: final entre Betis e Valencia acontece neste sábado (23), às 17 (de Brasília), com transmissão pela ESPN no Star+


Neste sábado (23), Betis e Valencia fazem a grande final da Copa do Rei, às 17h (de Brasília), no Estádio Olímpico de Sevilla. A partida terá transmissão ao vivo pela ESPN no Star+.

Ao longo da história, as duas equipes tiveram vários jogadores brasileiros com passagens marcantes, inclusive uma dupla que tem amizade desde as categorias de base do São Paulo e hoje toca negócios em sociedade.

Tratam-se do ex-atacante Edu, que jogou cinco anos pelo Betis, ganhando a histórica Copa do Rei de 2004/05, e do ex-lateral Fábio Aurélio, que marcou época em seis anos no Valencia, faturando dois Espanhóis, uma Copa da Uefa e uma Supercopa da Uefa.

Em entrevista ao ESPN.com.br, Edu relembrou a antiga relação com Fábio e afirmou que ambos assistirão à final juntos através da ESPN neste sábado.

"Nós estamos juntos desde os 16 anos, quando fizemos a base juntos no São Paulo e também jogamos nas seleções brasileira de base. Subimos para o profissional quase na mesma época e também fomos vendidos quase juntos pro futebol espanhol", recordou o ex-atacante, que foi campeão do Paulista de 1998 e em 2000 com o Tricolor.

"Temos um laço muito forte. O Fábio, além de meu cunhado, é meu sócio e meu 'irmão'. Vamos assistir ao jogo juntos, cada um torcendo pela sua equipe. Somos cunhados e sócios de uma empresa que agencia jogadores, mas, na hora do jogo, é cada um para o seu lado (risos)", brincou.

Edu também revelou que a dupla já fechou uma aposta: o "derrotado" na final da Copa do Rei pagará uma bela garrafa de vinho ao campeão.

"O Betis vai atropelar! Fekir e Borja Iglesias marcam, e o Fábio vai me pagar um vinho bom (risos)", divertiu-se.

Também em entrevista à reportagem, Fábio Aurélio rebateu as "provocações" do cunhado e previu que o Valencia levantará a taça.

"Quando soubemos que seria Betis x Valencia, a gente já começou a se provocar. A gente sabe a importância desse título para os dois clubes. O Valencia ganhou a Copa do Rei em 2019 e foi uma festa enorme. Já a última vez que o Betis ganhou foi ainda com o Edu, lá atrás (risos)...", disparou.

"Vai ser uma final interessante, mas vai dar Valencia campeão. Os 'Morcegos' vão ganhar. Em LaLiga o time está tendo dificuldades, mas final é final, e esse clube é copeiro. Vamos deixar o Edu na história sendo o último campeão da Copa do Rei com o Betis (risos)", gargalhou.

As passagens vitoriosas

Destaque de uma das melhores fases da história do Betis, Edu foi campeão da Copa do Rei 2004/05 em um time que ainda tinha outros três brasileiros famosos: o meio-campista Marcos Assunção, o centroavante Ricardo Oliveira e o ponta Denílson.

Eles foram responsáveis por dar ao clube de Sevilha seu 2º título na história da competição mata-mata, o que gerou uma empolgação enorme na cidade da Andaluzia.

O triunfo veio num apertado 2 a 1 na prorrogação em cima do bom time do Osasuna, que tinha vários atletas de seleção, como os uruguaios Pablo García e Richard Morales, o camaronês Pierre Webó e o australiano John Aloisi.

"O Betis só tinha conquistado a Copa do Rei em 1977, então havia uma ansiedade muito grande na cidade por mais uma conquista. A temporada 2004/05 foi espetacular tanto para o clube quando para mim, de forma individual. Terminamos LaLiga em 4º lugar e depois jogamos Champions", recordou.

"Fizemos uma belíssima final contra o Osasuna, no antigo Vicente Calderón. A torcida do Betis é espetacular, vive tudo com muito amor e paixão. Depois, quando ganhamos o título, foi algo fora de série. A comemoração no estádio foi linda. Quando voltamos, as ruas de Sevilla estavam pintadas de verde e branco", exaltou.

"Espero que sábado a gente consiga repetir isso, ainda mais com a final sendo em Sevilha. Vai ser uma festa sensacional da torcida", apostou.

Já Fábio Aurélio também fez parte de um dos melhores momentos da história do Valencia, com o clube enfileirando grandes taças entre o início e o meio da década de 2000, sob os comandos dos técnicos Héctor Cúper e Rafa Benítez.

"Tive a oportunidade de ganhar duas vezes LaLiga. A mais marcante foi 2001/02, que marcou muito minha passagem pelo clube, pois fazia 31 anos que o Valencia não era campeão. Foi logo na primeira temporada do Rafa Benítez. A equipe vinha de um título da Copa do Rei, mas perdeu duas finais seguidas de Champions, e eu estava em uma delas", contou.

Mas a temporada mais espetacular seria 2003/04, quando os "Morcegos" conseguiram deixar para trás nada menos que o Real Madrid dos "Galácticos" e o Barcelona de Ronaldinho Gaúcho.

"No 3º ano do Benítez, fizemos o doblete, ganhando LaLiga e a Copa da Uefa. E isso tendo que disputar o Espanhol contra o Ronaldinho, na primeira temporada dele no Barça, e o Real dos 'Galácticos'! Esses títulos marcaram nossa geração", destacou o ex-lateral.

Vida de empresários

Depois do Betis, Edu ainda jogou por Internacional (sendo campeão da Conmebol Libertadores, em 2010), Vitória e Colorado Rapids antes de pendurar as chuteiras.

Já Fábio Aurélio teve passagem marcante pelo Liverpool. Depois, retornou ao Brasil para defender ao Grêmio, que foi seu último clube, encerrando a carreira em 2013.

Atualmente, eles moram no interior de São Paulo e trabalham com agenciamento de jogadores, fazendo um trabalho que consideram "mais humano" com os jovens craques.

"Estamos tentando fazer um trabalho diferente no mercado, sem apressar os meninos. É algo mais do lado humano, de cuidar", explicou Edu.

"Essa geração agora é diferente da nossa. Eles têm tudo muito fácil pelo celular, tem a questão das redes sociais. A gente sabe que tem o lado bom, mas tem também o lado perigoso", salientou.

"Nosso trabalho é pensado pelo lado humano, da carreira, tentando ajudar o garoto e a família a entenderem que, com trabalho, o sucesso sempre vem a longo prazo", encerrou.