<
>

Acidente de Grosjean na F1 choca o mundo: 'Milagre', 'Terror', 'Nasceu de novo'; veja repercussões

play
Na Fórmula 1, acidente de Grosjean assusta com muito fogo, carro partido ao meio e carenagem derretida; veja como foi (0:53)

Piloto está bem após o GP do Bahrein, mas sofreu com queimaduras e costela fraturada (0:53)

O fortíssimo acidente de Romain Grosjean, da Haas, logo na largada do GP do Bahrein de Fórmula 1 neste domingo (29) chocou o mundo, fez o heptacampeão Lewis Hamilton fazer uma espécie de desabafo e agradecer à FIA e deixou abismado até o médico da categoria.

Pudera. O francês de 34 anos ficou 29 segundos sob as chamas de seu carro, que partiu-se ao meio e foi tomado pelo fogo após ser tocado pela Alpha Tauri do russo Daniil Kvyat, sair da pista e acertar em cheio um guard-rail. A parte de trás do monoposto ficou intacta, já a da frente ficou irreconhecível.

Grosjean saiu andando do meio das chamas e, a princípio, teve queimaduras leves nas mãos e nos tornozelos. Por precaução, foi levado a um hospital.

Não demorou para que a imprensa mundial passasse a noticiar o acidente com manchetes dignas das imagens impressionantes que a batida gerou.

"Milagre no Bahrein" e "Acidente brutal" estampou o diário espanhol Marca em sua versão on-line.

"Acidente terrível", disse o Sport, também espanhol.

Na Inglaterra, o The Guardian escreveu: "Grosjean sobrevive"

Na França, país do piloto, o L’Équipe resumiu assim: "Milagre"

De volta à Espanha, o Mundo Deportivo usou "Grosjean nasce de novo", e o AS estampou: "Terror e milagre".

Na Argentina, o portal TyC Sports chamou de "Terrível acidente". Na Itália, o La Gazzetta dello Sport escreveu: "Vivo por um milagre".

Com a corrida foi paralisada, os demais pilotos foram atrás de informações sobre o estado de Grosjean. E o heptacampeão Lewis Hamilton até fez uma espécie de desabafo e agradeceu à Federação Internacional de Automobilismo (FIA) em suas redes sociais.

"Estou muito grato por Romain estar seguro. Nossa... O risco que corremos não é brincadeira, para vocês que esquecem que colocamos nossas vidas em risco por esse esporte e por aquilo que amamos fazer. Grato à FIA pelo enorme trabalho que foi feito para que Romain se afastasse com segurança", postou o inglês.

Médico da categoria, Alan van der Merwe mostrou-se abismado: "Em 12 anos [como médico da F1], nunca vi algo assim, com tantas chamas e tamanho impacto. Demoramos um pouco para entender o que estava acontecendo, alguns segundos, mas pareceu uma eternidade."