<
>

F1: Lewis Hamilton se posiciona contra a construção de circuito no Rio de Janeiro em área ambiental

Lewis Hamilton pediu que a Fórmula 1 reconsiderasse seus planos de transferir o GP do Brasil de Interlagos, em São Paulo, para um novo circuito no Rio de Janeiro.

Uma carta do CEO da F1, Chase Carey, ao governador em exercício do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, vazou na semana passada dizendo que o negócio havia sido finalizado enquanto se aguardam as licenças necessárias da comissão de controle ambiental do estado.

O circuito do Rio de Janeiro ainda não foi construído e tem recebido críticas de grupos ambientalistas, pois se afirma que sua construção resultará no corte de milhares de árvores na Floresta do Camboatá. Uma petição contra o desenvolvimento do circuito já acumulou mais de 20 mil assinaturas no Brasil.

Antes do GP de Eifel neste fim de semana na Alemanha, Hamilton, que sempre falou com paixão sobre o meio ambiente, questionou a decisão da F1 de correr em outra instalação no Brasil.

"Eu esperava não receber esta pergunta, porque, em última análise, minha opinião pessoal é que o mundo não precisa de um novo circuito", disse. “Eu acho que há muitos circuitos no mundo que são ótimos. Eu amo Interlagos. Já estive no Rio e é um lugar lindo, lindo".

"Mas derrubar ... não sei todos os detalhes, mas ouvi dizer que potencialmente será sustentável, mas a coisa mais sustentável que você pode fazer é não derrubar nenhuma árvore, principalmente em uma época em que estamos lutando contra uma pandemia e continua havendo uma crise global em todo o mundo".

“Não acho que seja uma jogada inteligente com o desmatamento e tudo mais. Não tenho os detalhes, mas não é algo que eu pessoalmente apoio”.

O circuito de Interlagos, em São Paulo, é a casa do GP do Brasil desde 1990 e sediou pela primeira vez uma corrida de F1 em 1972. O circuito é popular entre torcedores e pilotos, mas seu contrato existente deve expirar no final desta temporada, e o evento deste ano não acontecerá devido à pandemia de coronavírus.

Após adquirir a F1 em 2017, a Liberty Media ficou surpresa ao descobrir que os promotores da corrida em Interlagos não estavam pagando uma taxa para realizar o GP do Brasil - legado de um negócio feito por Bernie Ecclestone.

O Brasil continua sendo um mercado muito importante para a F1 e tem a maior audiência televisiva do evento de qualquer país do mundo.