<
>

PUBG | Desenvolvedora do jogo, Krafton Inc. processa Apple e Google

PUBG: Battlegrounds foi desenvolvido pela Krafton Inc. e se tornou gratuito em todas as plataformas na última quarta (12) Divulgação

Krafton Inc. e PUBG Santa Mônica entraram com processo contra a Google e Apple devido a falta de atitude das empresas contra clones do jogo, com Free Fire sendo usado como exemplo


Um dia após o PUBG: Battlegrounds passar a ser disponibilizado gratuitamente em todas as plataformas, foi revelado que a desenvolvedora do jogo Krafton Inc. e sua filial americana PUBG Santa Mônica entraram com um processo contra as gigantes norte-americanas Google e Apple, alegando que as empresas não tomaram atitudes quanto aos “clones” do jogo distribuídos em suas lojas mobile.

Juntas, a Krafton Inc. e a PUBG Santa Mônica entraram com o processo na Califórnia, exigindo julgamento do júri e citando a violação de direitos autorais. Lançado em 2017, a desenvolvedora do PUBG: Battlegrounds declara que Apple e Google teriam começado a vender uma cópia de seu jogo de forma inescrupulosa de forma que violava seus direitos autorais.

A cópia em questão é distribuída pela Garena, provedora de plataforma de internet asiática, e o jogo distribuído pela Garena citado pela desenvolvedora do battle-royale se trata do sucesso mobile Free Fire, que em seus meses iniciais era conhecido como Free Fire: Battlegrounds.

De acordo com o processo, em setembro do último ano a Garena ainda teria divulgado um segundo aplicativo - possivelmente Free Fire MAX - que também copia o PUBG “de forma descarada” e, em dezembro, a desenvolvedora Krafton entrou com um pedido para que a Garena deixasse de distribuir o jogo, exigindo que Apple e Google parassem de distribuir os títulos - exigência essa que não foi atendida pelas empresas.

Devido a isso, ambas as empresas foram acionadas pelas responsáveis do PUBG: Battlegrounds pelos meios legais, além da desenvolvedora também citar que o Youtube - plataforma do Google - possui diversos gameplays desses supostos clones, além de um filme que seria uma versão live-action do jogo.

No passado, a PUBG Santa Mônica também processou o fundador da Epic Games, Tim Sweeney, por conta de Fortnite, que também possui similaridades com seu título. Entretanto, o processo não foi para frente uma vez que ambas as companhias tiveram uma parte comprada pela gigante chinesa Tencent - que também é dona da Riot Games.

Além disso, a Apple também já sofreu no passado com problemas com outras desenvolvedoras, como com a própria Epic Games. Em 2020, a Epic processou a Apple por ter removido Fortnite da App Store após a desenvolvedora burlar os termos de contrato em uma tentativa de burlar a taxa de 30% cobrada pela loja nas compras feitas dentro de jogo.