<
>

Activision entra com processo contra distribuidora de cheats EngineOwning

play
Com presencial e personalidades internacionais, Baiano fala sobre planos para expandir o CBolão (6:08)

O streamer fala também sobre a ida para outros jogos (6:08)

A Activision começou o ano de 2022 atacando um de seus maiores problemas e entrou com uma ação contra a distribuidora de hacks EngineOwning


Os casos de pessoas usando cheats nos jogos da Activision (mais precisamente nos Call of Dutys) são grandes e a empresa resolveu virar o ano fazendo algo sobre isso. Nesta última terça (4), a distribuidora entrou com uma ação no Distrito Central da Califórnia contra a distribuidora de hacks EngineOwning. A investida faz parte dos planos da Activision de acabar com as trapaças em seus títulos, como o popular Call of Duty: Warzone.

Descrita como uma “empresa comercial online composta por uma entidade empresarial alemã e vários indivíduos”, a EngineOwning é acusada de desenvolver, vender, distribuir e fazer marketing de hacks para jogos. Entre aqueles que são citados pela Activision no processo, estão os que miram automaticamente, revelam a posição de inimigos ou que permitem o jogador ter informações que normalmente não estão disponíveis aos jogadores devido ao fato de oferecer uma vantagem injusta.

Em seu site, a distribuidora de hacks que oferece trapaças para diversos jogos alega que “todos deveriam ter a oportunidade de ganhar e aproveitar partidas online”. Contando com assinaturas de serviços de cheat, a EngineOwning possui um grande leque de trapaças para os mais diversos títulos, como Call of Duty: Modern Warfare, Warzone e Vanguard, assim como Halo Infinite, Splitgate, Battlefield 5 e até mesmo para jogos mais antigos.

Alegando que as atividades da empresa prejudicam os jogos da empresa, seus negócios em geral e a experiência da comunidade do CoD, a Activision declara na ação que está buscando "colocar um ponto final na conduta ilegal de uma organização que está distribuindo e vendendo com fins lucrativos vários produtos de software mal-intencionado projetados para permitir que membros do público obtenham vantagens competitivas injustas (ou seja, trapacear) nos jogos do Call of Duty".

Junto das divulgações do novo mapa do battle-royale, Caldera, no último mês, a Raven Software - uma das responsáveis pelo Warzone - divulgou também que estaria implementando um novo anti-cheat ao jogo: o Ricochet. O sistema usa o drive do nível e kernel do PC para identificar e banir os jogadores que estiverem utilizando algum programa de trapaça.