<
>

Como a Inglaterra, Bélgica e Alemanha lidam com os problemas trazidos pelos loot boxes em games

play
Muita disputa e camisa 9 brilhando: veja simulação de PSG x Bayern de Munique no Fifa 21 (3:42)

Clubes se enfrentam nesta terça-feira (13) pela partida de volta das quartas de final da Champions League (3:42)

Foi-se o tempo que as desenvolvedoras ganhavam dinheiro apenas com a venda de seus jogos. O processo de monetização dos games passou pela era das expansões de conteúdo e, com a ascensão do mercado mobile, os loot boxes surgiram para que a renda alcançasse as alturas.

São números impressionantes. Os loot boxes se tornaram uma fatia grande do faturamento de empresas como a EA, que ganhou bilhões com o modo Ultimate Team de Fifa. Eles estão presentes em jogos como Overtwatch, Counter-Strike, Fifa, Madden, dentre outros.

De volta ao mercado mobile, muitos jogos são lançado de graças chamados de “Free To Play”, mas que possuem todo um sistema de venda de itens, incluindo os loot boxes, para que seus produtores tenham de volta o investimento e, claro, com um polpudo lucro.

Só que os loot boxes, volta e meia, estão no centro de uma série discussão quanto ao seu formato e a maneira como trata o consumidor quanto a suas recompensas.

Países já o baniram (o Brasil está próximo de ser um deles), entidades querem vê-los longe de crianças e muitos o tratam como uma forma de aposta.

O QUE SÃO OS LOOT BOXES?

Os loot boxes são itens comprados dentro do jogo com dinheiro real. Eles contém artefatos, itens especiais, skins, veículos e personagens que aprimoram a experiência de jogo ou apenas tem função cosmética. A polêmica de sua existência não está no gasto monetário, mas nas falta de garantia do item que o jogador recebe.

Um loot box é formado por um conjunto de itens definidos pela produtora do game, classificados de comuns a raros. A possibilidade do jogador ser contemplado por um item específico é definido por probabilidade, sendo os mais raros mais difíceis de sair. Já que não há uma garantia ou as regras nem sempre são claras, a maneira se dá o processo “usuário x recompensa” é cada vez mais tratada pro jogadores e entidades como um ato de aposta ou jogo de azar.

Ao abrir um pacote de Fifa, o jogador tem a chance de conseguir um card Ouro (o mais simples) a jogadores de determinado conteúdo especial. A “aposta” estaria no fato de você comprar determinado pacote e ter uma chance de conquistar um card especial.

LOOT BOXES EM ANÁLISE

Segundo relatório de uma pesquisa encomendada pela instituição de caridade GambleAware e divulgado pela rede britânica BBC aponta conexão entre loot boxes e problema com apostas. Pesquisadores das universidades inglesas de Plymouth e Wolverhampton concluem que “loot boxes são estrutural e psicologicamente semelhantes a apostas”.

A pesquisa encomendada pela GambleAware aponta que 93% das crianças que jogam videogame, até 40% já abriram loot boxes.

Ao mesmo tempo, cerca de 5% dos jogadores geram metade de toda a receita dos loot boxes - não são necessariamente pessoas ricas, mas propensas a ter problema com jogos de azar.

"Nossa pesquisa demonstra que os desenvolvedores de jogos, voluntariamente ou não, geram lucros com loot boxes por meio de indivíduos, que em muitos caos, tem problemas com jogos, sem serem ricos”, diz o relatório.

O estudo aponta que “alguns títulos estimulam os jogadores a se aventurar nos loot boxes e promovem o medo de ser perder itens ou negócios especiais que estão disponíveis por tempo limitado”. Ou seja, os lootboxes tentam incutir no jogador algo conhecido como FOMO (Fear Of Missing Out, que pode ser traduzido como "medo de perder a oportunidade").

Por fim, a pesquisa aponta como possíveis soluções são a classificação etária no encarte ou manual dos jogos, além de limite de gastos dentro do jogo.

Esse enfretamento contra os loot boxes já tem campos de batalha em alguns países, incluindo o Brasil. Para estes países, a solução vai além de limites ou avisos: o objetivo é o fim dos loot boxes.

NA MIRA

Alguns países já declaram guerra contra os loot boxes ao classificar a prática como aposta. A Bélgica é pioneira e baniu do seu território a prática, incluindo Fifa.

Há um caso especial com Genshin Impact, game “free to play” que teve sua versão para PlayStation 4 banido do território belga por conta dos seus loot boxes. Genshin Impact é um jogo gratuito desenvolvido incialmente para dispositivos móveis. Se por um lado o jogador não tem que desembolsar nada para entrar no mundo de Teyvat, descobre rapidamente que não terá uma experiência completa se não apelar para caixas e microtransações.

Em Genshin os loot boxes são peças-chave por se tratar da principal fonte de renda do jogo. Como não foi possível remove-los, o jogo não pode distribuído no país, ao menos no console da Sony (versões para Android e iOS seguem online graças a publicidade dentro do game).

Sem sua compra, o jogador não tem acesso a personagens e itens. Além disso, desenvolver sua conta fica quase impossível em determinada etapa.

A Holanda também baniu os loot boxes. Já na Alemanha, a presença de loot boxes faz com o game receba uma classificação etária para maiores de 18 anos. O Reino Unido estuda tratar como aposta .

Nos Estados Unidos tramita o The Protecting Children from Abusive Games Act, projeto de lei que pretende banir loot boxes e microtransações em games jogados por menores.

NA MIRA BRASILEIRA

No Brasil, a associação Nacional dos Centros de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (ANCED) abriu um processo na justiça para que empresas de jogos proíbam a venda de loot boxes em todo território nacional.

O Ministério Público aceitou pedido de processo que visa impedir a venda de 'loot boxes' no Brasil e as multas para as produtoras podem chegar a R$ 1,5 bilhão.

Se forem proibidas de distribuir os jogos com lootboxes no território nacional, as empresas tendem a contornar o obstáculo para seguir lucrando com seus jogos de diversas formas.

Elas podem, por exemplo, fazer “vista grossa” e deixar a cargo do jogador a compra de loot boxes. Como? Por meio de aplicativos de VPN, que alteram artificialmente a localização do jogador para locais que não proibiram a prática.

Há também um uso cada vez maior do chamado “Passe de Batalha”, no qual pagamos um valor em intervalos regulares de tempo, chamados temporadas, e recebamos um pacote fixo de itens. Por fim, há lojas com os itens expostos com preços fixados e a boa e velha publicidade do game. Para ganhar dinheiro, vale tudo.