<
>

CSGO: BOOM decide por permanência de Apoka mesmo com banimento

A BOOM se posicionou oficialmente em meio a polêmica envolvendo o técnico Apoka, que seu teve nome divulgado em uma lista de 37 técnicos banidos pela ESIC por conta de uso do “bug do coach”.

Nesta quarta-feira (30), a organização se colocou à favor de Apoka e, após investigações internas, entendeu que não houve má fé por parte do treinador.

“Depois de revisar cautelosamente as evidências e discuti-las com nosso time, nós acreditamos firmemente que Apoka não usou o bug de maneira intencional nem para ganhar uma vantagem injusta, tendo também nenhuma forma possível de vantagem” publicou em comunicado nas redes sociais.

“Apoka cooperou às investigações e explicou seu lado em suas streams, onde ele explica uma falha ao não desconectar pelo motivo d'ele não estar no PC no momento em que houve o bug. Nós esperamos que vocês acreditem nele como nós acreditamos.”

Como já antecipado pela reportagem do ESPN Esports Brasil, não estava nos planos da BOOM o desligamento de Apoka de suas funções como coach mesmo após ele próprio ter colocado o cargo à disposição.

A ESIC puniu o técnico em 5 meses e 12 dias, período no qual ele não poderá desempenhar seu papel como treinador em meio aos campeonatos oficiais contemplados pela ESIC (como torneios via ESL e BTS). Entretanto, Apoka está liberado para seguir no dia a dia da organização - a proibição consiste nos dias dos jogos.

Em entrevista exclusiva, o manager Eduardo Goés afirmou que a organização só estava no aguardo de um novo contato por parte de ESL e ESIC para oficializar a decisão pela permanência de Apoka.

Agora a organização fica no aguardo sobre uma possível perda de pontos RMR já que o caso de Apoka se deu durante uma partida contra a Isurus Gaming pelo ESL One Road to Rio. É uma situação semelhante a que a MIBR passou com o ex-treinador dead e que resultou na perda de todos os pontos da organização no classificatório para o Major.

A BOOM, como você pode ver clicando aqui, já conta com uma defesa para contestar essa possível punição por parte da Valve.