<
>

Mundial de LoL em números: Lwx quebrou recorde e fez história com a FunPlus Phoenix

Lwx, atirador da FunPlus Phoenix, durante a grande final do Mundial de League of Legends 2019. Michal Konkol/Riot Games

A FunPlus Phoenix atropelou a G2 Esports de maneira histórica na grande final do Mundial de League of Legends, disputada neste domingo (10).

A série, que terminou em 3 a 0, foi a mais dominante do torneio, pois nenhum outro time havia perdido três partidas seguidas na fase eliminatória. O atirador da FunPlus Phoenix, Lin “Lwx” Wei-Xiang, não foi eliminado uma única vez, e o topo Kim “GimGoon” Han-saem só foi abatido próximo ao fim da série. Além disso, o máximo de vantagem de ouro que a G2 Esports teve em todo o confronto foi apenas de 1,8 mil, aos 26 minutos no primeiro jogo.

A vitória no Mundial foi a segunda consecutiva da liga chinesa, a League of Legends Pro League (LPL), depois da conquista da Invictus Gaming em cima de outro time europeu, a Fnatic, no ano passado. A Europa agora possui um histórico de 31 vitórias e 46 derrotas contra oponentes chineses em toda a sua história, e a G2 está 0-5 neste placar neste ano.

Na verdade, desde a última vez que a G2 venceu uma equipe chinesa (nas quartas de final do Mundial de 2018, contra a Royal Never Give Up), o time europeu somou nenhuma vitória e oito derrotas.

Nenhum dos cinco titulares da FunPlus Phoenix haviam disputado uma partida internacional antes do Mundial. Ainda assim, superaram a inexperiência para se tornar o primeiro time a vencer o torneio mais importante do competitivo logo após estrear em uma liga — isso desde a estreia da SK Telecom T1, em 2013.

O caçador Gao “Tian” Tian-Liang, de apenas 19 anos, recebeu o título de melhor jogador da série com sua performance excepcional de Lee Sin nas três partidas.

Embora seu A/M/A (abates, mortes e assistências) de 9/7/27 tenha sido um dos piores do time, ele estava constantemente iniciando as jogadas para os companheiros, incluindo um flanco em cima do Veigar do meio da G2, Rasmus “Caps” Winther, na terceira partida — o que tirou de vez o jogo da mão dos europeus.

O aclamado meio do time chinês, Kim “Doinb” Tae-sang, também não deixou de impressionar durante a série. E, apesar de estar em matchups desfavoráveis, conseguiu neutralizar Caps ao mesmo tempo em que encontrava maneiras de causar impacto em outras rotas.

Sua participação de 76,9% em eliminações ficou atrás somente de seu recorde de 77,9% nas quartas de final, e foi a maior do torneio. Doinb continuou seu desempenho imparável de Ryze, no segundo jogo (6/0/11), melhorando seu A/M/A com o campeão durante o Mundial para uma média de 27,3.

Na terceira partida, Liu “Crisp” Qing-Song utilizou seu Flash para forçar um Flash precoce de Luka “Perkz” Perkovic, efetivamente colocando pressão na rota inferior durante todo o jogo.

A FunPlus Phoenix converteu essa vantagem em uma rápida Primeira Torre na rota inferior, aos 7:45. Foi a Primeira Torre mais rápida em um torneio internacional desde a final de 2017, quando a SKT fez a mesma coisa aos 7:12. O recorde sul-coreano, no entanto, foi batido antes da implementação do sistemas de barricadas.

Antes de domingo, Jang “Looper” Hyeong-seok e Jo “CoreJJ” Yong-in eram detentores do recorde de menor número de mortes em uma série melhor de cinco. Os dois foram eliminados uma única vez nas semifinais de 2014 pela Samsung White, e nas quartas de final de 2016 pela Samsung Galaxy, respectivamente.

Na grande final deste ano, GimGoon se uniu aos conterrâneos sul-coreanos, morrendo apenas uma vez nos segundos finais do terceiro jogo, quando a partida já estava bem encaminhada. Lwx, no entanto, bateu recorde ao não morrer uma única vez na série.

Ele, agora, é o único jogador a ter um A/M/A “infinito” em uma série melhor de cinco.

* Publicado originalmente em inglês no ESPN Esports.